Há 20 dias sem água, moradores da cidade de Belmonte fecham BA-275 em protesto no sul da Bahia

Moradores do distrito de Brejinhos, na cidade de Belmonte, sul da Bahia, bloqueiam a BA-275, na altura do povoado de Barrolânda, desde as 5h desta quinta-feira (5). O grupo protesta porque falta água na localidade há cerca de 20 dias.

De acordo com o secretário Municipal de Infraestrutura de Belmonte, Luciano Alves, o problema ocorre porque a bomba d’água que distribui água para a localidade queimou e, para consertar o equipamento, foi necessário um processo de licitação, que foi concluído durante esta semana.

Ainda conforme o secretário, a bomba deve ser consertada ainda nesta quinta-feira, isso porque os técnicos da empresa que ganhou a licitação vão chegar em Belmonte durante a tarde.

Fonte: G1

Polícia estipula fiança de R$ 1,9 milhão para mulher e filho suspeitos de morte de médico no Grande Recife

Esposa e o filho do cardiologista Denirson Paes da Silva, cujo corpo foi encontrado esquartejado em um poço de um condomínio em Camaragibe, no Grande Recife, tiveram a fiança arbitrada em R$ 954 mil para cada um, o que totaliza R$ 1,9 milhão. Até a manhã desta quinta-feira (5), o valor estipulado pela Polícia Civil não tinha sido pago e os dois suspeitos da morte do cardiologista seguiram para audiência de custódia em Jaboatão dos Guararapes, na mesma região.

Autuados por ocultação de cadáver na quarta (4), mãe e filho seguiram para o Instituto de Medicina Legal (IML) para um exame de corpo delito. Às 10h15, eles chegaram à audiência de custódia. O G1 tenta contato com o Tribunal de Justiça de Pernambuco para obter o resultado da sessão e aguarda retorno.

A Polícia Civil segue investigando o caso para entender qual a motivação do crime e se há outros suspeitos do assassinato do médico, de 54 anos. Na manhã desta quinta (5), equipes foram até o condomínio em Aldeia para fazer novas vistorias.

Por volta das 10h30, um funcionário da família do médico, contratado para fazer serviços gerais, chegou à delegacia de Camaragibe para ser ouvido na condição de testemunha. Junto com ele estavam três policiais e a delegada do caso, que não falou com a reportagem.

Uma coletiva de imprensa para explicar os rumos da apuração está agendada para a tarde desta quinta (5), no Recife. A reportagem também tenta contato com a defesa da esposa e do filho de Denirson.

Entenda o caso

Denirson Paes da Silva era cardiologista e tinha 54 anos (Foto: Reprodução/Facebook)Denirson Paes da Silva era cardiologista e tinha 54 anos (Foto: Reprodução/Facebook)

Denirson Paes da Silva era cardiologista e tinha 54 anos (Foto: Reprodução/Facebook)

corpo do médico foi encontrado por volta das 14h da quarta (4), por funcionários do condomínio Torquato Castro, no km 13 da Estrada de Aldeia, em Camaragibe, no Grande Recife. O médico morava com a família em uma das casas do local.

A Polícia Civil esteve no condomínio e o Instituto de Criminalística realizou perícias com luminol para colher DNA e outros materiais que possam subsidiar as investigações. Segundo a Polícia Civil, foi necessário o auxílio do Corpo de Bombeiros para a retirada do corpo do cardiologista. O poço onde o cadáver foi encontrado tem aproximadamente 25 metros de profundidade.

Apesar de ter feito um boletim de ocorrência para relatar o desaparecimento do marido no dia 20 de junho, a esposa de Denirson foi autuada junto com um dos filhos do casal após a delegada do caso suspeitar dos dois. Mãe e filho foram autuados após um mandado de busca e apreensão na residência da família.

Corpo de médico é achado em poço no Grande Recife e mulher e filho são suspeitos

Corpo de médico é achado em poço no Grande Recife e mulher e filho são suspeitos

Fonte: G1

Boeing propõe pagar US$ 3,8 bi à Embraer para ter 80% de nova empresa

O Boeing propôs pagar US$ 3,8 bilhões à Embraer para ter 80% da nova empresa que deve ser criada caso o acordo entre as duas companhias seja aprovado.

Em memorando de entendimento divulgado nesta quinta-feira (5), as empresas afirmam que a transação avalia em US$ 4,75 bilhões a totalidade das operações e serviços de aviação comercial da companhia brasileira, que ficaria com 20% da joint venture.

“A expectativa é que a parceria proposta seja contabilizada nos resultados da Boeing por ação, no início de 2020, e gere sinergia anual de custos estimada de cerca de US$ 150 milhões -antes de impostos- até o terceiro ano”, diz o comunicado conjunto.

“Ao formarmos essa parceria estratégica, estaremos muito bem preparados para gerar valor significativo para os clientes, empregados e acionistas de ambas as empresas -e para o Brasil e os Estados Unidos”, disse, em nota, Dennis Muilenburg, presidente, chairman e CEO da Boeing.

Paulo Cesar de Souza e Silva, presidente e CEO da Embraer, disse que o acordo com a americana vai criar “a mais importante parceria estratégica da indústria aeroespacial”.

“A combinação de negócios com a Boeing deverá gerar um novo ciclo virtuoso para a indústria aeroespacial brasileira, com maior potencial de vendas, aumento de produção, geração de emprego e renda, investimentos e exportações, agregando maior valor para clientes, acionistas e empregados”.

Equipe

As companhias afirmam que, se o negócio for aprovado, a joint venture na aviação comercial será liderada por uma equipe de executivos sediada no Brasil, incluindo um presidente e CEO, enquanto a Boeing terá o controle operacional e de gestão.

A joint venture, ainda segundo o comunicado, “será um centro de excelência da Boeing para o desenvolvimento de projetos, a fabricação e manutenção de aeronaves comerciais de passageiros e será totalmente integrada à cadeia geral de produção” da empresa.

“A Boeing e a joint venture estarão aptas a oferecer uma linha abrangente e complementar de aeronaves de passageiros de 70 a mais de 450 assentos, além de aviões de carga, oferecendo produtos e serviços do mais alto nível para melhor atender uma base global de clientes”, diz a nota.

As companhias destacam que uma outra joint venture será criada para promover e desenvolver novos mercados e aplicações para produtos e serviços de defesa, em especial o cargueiro C-390, da Embraer.

“Os investimentos conjuntos na comercialização global do KC-390, assim como uma série de acordos específicos nas áreas de engenharia, pesquisa e desenvolvimento e cadeia de suprimentos, ampliarão os benefícios mútuos e aumentarão ainda mais a competitividade da Boeing e da Embraer”, disse, em nota, Nelson Salgado, vice-presidente executivo financeiro e de relações com investidores da Embraer.

Boeing e Embraer ainda irão finalizar os detalhes da parceria pelos próximos meses. Depois, o acordo ainda depende de aprovações regulatórias e acionistas, incluindo o governo brasileiro.

A previsão é que a transação seja concluída até o fim de 2019. Com informações da Folhapress.

Fonte: notícias ao minuto

Com pior mês da indústria em dez anos, PIB abaixo de 1% entra no radar

Após um início de ano decepcionante e um segundo trimestre bastante afetado pela paralisação dos caminhoneiros, analistas não descartam um crescimento econômico em um ritmo inferior ao registrado em 2017.

O recuo de 10,9% da produção industrial em maio em relação a abril foi o pior resultado desde dezembro de 2008, durante a crise internacional, quando o arrefecimento da atividade econômica mundial fez a produção recuar 11,2%.

Embora a mediana dos economistas ouvidos pelo Banco Central indique alta do PIB de 1,5% em 2018, alguns cenários alternativos já apontam para algo entre 0,7% e 0,8%.

Há indícios robustos de que a atividade econômica se comportou muito abaixo do esperado no primeiro semestre, o que levou os analistas a uma primeira rodada de revisões.

Em março, a alta esperada para o PIB de 2018 encostava em 3% e alguns economistas falavam em números acima disso.

Mas a realidade se impôs. Um mercado de trabalho que combina alto desemprego e geração de vagas de baixa qualidade, além do ruído político associado ao ciclo eleitoral são apontados como as principais variáveis a pesar num possível novo movimento de correções para o PIB.

Jonathas Goulart, economista da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), não descarta uma alta ao redor de 0,7% da atividade econômica.

A falta de confiança do setor produtivo, diz Goulart, seria o principal motor de uma possível revisão de suas projeções, hoje em 1,7%.

“A indústria precisa entender para onde vai a economia para voltar a fazer investimentos mais significativos e isso depende também das eleições”, diz ele.

David Beker, economista-chefe do BofA (Bank of America Merrill Lynch), prevê alta de 1,5% para o PIB deste ano, mas diz que o ruído político associado ao ciclo eleitoral deve se intensificar nos próximos meses, elevando os riscos para o processo de recuperação econômica.

Num cenário de dúvidas sobre a governabilidade e sobre uma agenda econômica eleitoral que pode ser hostil ao mercado, diz Beker, em relatório, o crescimento poderia ficar em 0,8% neste ano, podendo mesmo cair em 2019.

Maurício Oreng, economista-chefe do Rabobank, diz ser mais fácil ver o PIB mais perto de 1% do que 2% e duas incertezas pesam sobre a premissa.

A primeira delas, diz ele, são dúvidas a respeito de quanto tempo vai levar para os indicadores se recuperarem do tombo registrado em maio.

O setor de comércio e serviços concentram os maiores problemas, diz ele, já que o que o consumidor deixou de comprar em virtude da paralisação dos caminhoneiros ficou para trás. “O fato é que o sujeito deixou de ir ao restaurante naquele momento e isso não tem como recuperar”, diz.

“Embora ainda seja menos provável, as chances de o PIB ficar abaixo de 1% existem”, conclui Oreng. Com informações da Folhapress.

Fonte: notícias ao minuto