Eunício defende que Congresso aprove propostas sobre segurança pública

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), afirmou nesta terça-feira (6) que a prioridade do Congresso Nacional é a aprovação de propostas relativas à segurança pública.

“Quem foi para as ruas sabe da aflição da população brasileira. Eu recebi uma pesquisa do meu estado que diz que as pessoas desempregadas não estão tão preocupadas com emprego como estão com a segurança pública. Elas acham que, se conseguirem um emprego, serão assassinadas na rua quando forem para o trabalho. 90% da população do meu estado tem angústia com segurança pública. Esta é uma pauta importante”, explicou.

Eunício esclareceu ainda que a pauta da segurança pública é uma questão do país, do Acre ao Rio Grande do Sul. Ele afirmou que esse assunto tem que ser destravado no Congresso Nacional.

“As pautas corporativas têm muito lobby e pressão aqui. Já as [matérias] de interesse da sociedade não têm muita gente aqui pressionando. É nosso papel ouvir as ruas e trazer a pauta para o Congresso”, declarou.

O presidente do Senado defendeu a criação de um Sistema Único de Segurança Pública e disse que o Congresso está aberto para debater o tema.

“Nós não temos um sistema integrado de segurança pública. A inteligência da Polícia Legislativa não se comunica com a inteligência da Polícia Federal que também não se comunica com a Abin (Agência Brasileira de Inteligência). Nós precisamos integrar, criar um sistema único de segurança pública com os recursos existentes. O Congresso Nacional está aberto para fazer o debate sobre o assunto”, afirmou Eunício.

Previdência

Eunício Oliveira também falou sobre a reforma da Previdência e disse que o Senado não pode ser cobrado a votar o texto com rapidez, pois a matéria está na Câmara há um ano e dois meses.

“Difícil é convencer os senadores que [a matéria] chegue aqui de manhã e seja aprovada no mesmo dia sem discussão. Não posso tirar o direito legítimo dos senadores de discutir, debater e emendar. Não quero patrocinar esse tipo de comportamento. Matéria da Previdência não é matéria da Câmara. É das duas Casas e será votada separadamente”, disse.

Eunício também defendeu que os “privilégios têm que ser retirados não só da Previdência”. De acordo com o presidente do Senado, quem destrói a Previdência e as instituições são os privilégios. Ele afirmou que é preciso acabar com eles em todos os lugares, inclusive no Senado se houver. Eunício enfatizou que a Casa deu o exemplo no ano passado ao devolver mais de 20% do orçamento à União.

“Aqui ninguém ganha acima do teto e já é muito ganhar no teto. Devolvemos o recurso para o Tesouro para ser aplicado nas áreas que mais precisam”, afirmou.

Auxílio-moradia

Perguntado sobre a possibilidade de colocar em votação a proposta que acaba com o auxílio-moradia nos três Poderes (PEC 41/2017), do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Eunício disse que “obedece aos mandamentos dos líderes”.

“Não tenho dificuldade de pautar qualquer matéria que esteja tramitando no Senado. Se os líderes encaminharem essa matéria, posso pautar. O Plenário é soberano”, disse.

Microeconomia

Em relação à pauta de microeconomia, Eunício Oliveira lembrou que ela não é nova e que o Senado está dando continuidade às discussões e votações iniciadas no ano passado. Os projetos que tratam da agenda microeconômica estão na Ordem do Dia do Plenário.

Presidência do Senado.

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), afirmou nesta terça-feira (6) que a prioridade do Congresso Nacional é a aprovação de propostas relativas à segurança pública.

“Quem foi para as ruas sabe da aflição da população brasileira. Eu recebi uma pesquisa do meu estado que diz que as pessoas desempregadas não estão tão preocupadas com emprego como estão com a segurança pública. Elas acham que, se conseguirem um emprego, serão assassinadas na rua quando forem para o trabalho. 90% da população do meu estado tem angústia com segurança pública. Esta é uma pauta importante”, explicou.

Eunício esclareceu ainda que a pauta da segurança pública é uma questão do país, do Acre ao Rio Grande do Sul. Ele afirmou que esse assunto tem que ser destravado no Congresso Nacional.

“As pautas corporativas têm muito lobby e pressão aqui. Já as [matérias] de interesse da sociedade não têm muita gente aqui pressionando. É nosso papel ouvir as ruas e trazer a pauta para o Congresso”, declarou.

O presidente do Senado defendeu a criação de um Sistema Único de Segurança Pública e disse que o Congresso está aberto para debater o tema.

“Nós não temos um sistema integrado de segurança pública. A inteligência da Polícia Legislativa não se comunica com a inteligência da Polícia Federal que também não se comunica com a Abin (Agência Brasileira de Inteligência). Nós precisamos integrar, criar um sistema único de segurança pública com os recursos existentes. O Congresso Nacional está aberto para fazer o debate sobre o assunto”, afirmou Eunício.

Previdência

Eunício Oliveira também falou sobre a reforma da Previdência e disse que o Senado não pode ser cobrado a votar o texto com rapidez, pois a matéria está na Câmara há um ano e dois meses.

“Difícil é convencer os senadores que [a matéria] chegue aqui de manhã e seja aprovada no mesmo dia sem discussão. Não posso tirar o direito legítimo dos senadores de discutir, debater e emendar. Não quero patrocinar esse tipo de comportamento. Matéria da Previdência não é matéria da Câmara. É das duas Casas e será votada separadamente”, disse.

Eunício também defendeu que os “privilégios têm que ser retirados não só da Previdência”. De acordo com o presidente do Senado, quem destrói a Previdência e as instituições são os privilégios. Ele afirmou que é preciso acabar com eles em todos os lugares, inclusive no Senado se houver. Eunício enfatizou que a Casa deu o exemplo no ano passado ao devolver mais de 20% do orçamento à União.

“Aqui ninguém ganha acima do teto e já é muito ganhar no teto. Devolvemos o recurso para o Tesouro para ser aplicado nas áreas que mais precisam”, afirmou.

Auxílio-moradia

Perguntado sobre a possibilidade de colocar em votação a proposta que acaba com o auxílio-moradia nos três Poderes (PEC 41/2017), do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Eunício disse que “obedece aos mandamentos dos líderes”.

“Não tenho dificuldade de pautar qualquer matéria que esteja tramitando no Senado. Se os líderes encaminharem essa matéria, posso pautar. O Plenário é soberano”, disse.

Microeconomia

Em relação à pauta de microeconomia, Eunício Oliveira lembrou que ela não é nova e que o Senado está dando continuidade às discussões e votações iniciadas no ano passado. Os projetos que tratam da agenda microeconômica estão na Ordem do Dia do Plenário.

Presidência do Senado.

Estoque de sangue do Hemoal é considerado crítico para o carnaval

Faltando poucos dias para o carnaval, o estoque de sangue do Hemocentro de Alagoas (Hemoal) está bem abaixo do ideal. Quase a metade do necessário para atender a demanda.

Nesta terça-feira (6), a unidade conta com 62 bolsas de sangue, quando seriam necessárias 300.

A assistente social do Hemoal, Graça Padillha, reforça a necessidade de doações especialmente neste período, onde historicamente há um aumento no número de acidentes e consequente aumento no número de pessoas que precisam de sangue.

“Nessa época, a necessidade aumenta em média 25 a 30%. Precisamos estar preparados para atender. Por isso, trabalhamos de forma preventina”, afirma Graça.

Das 162 bolsas, são 70 de A+, 22 de B+, 58 de O+ e apenas 1 de AB. Os tipos negativos estão em estado ainda mais crítico. São somente 4 bolsas de A-, 1 de B-, 3 do AB- e 3 do 0-.

Para tentar ampliar o estoque, o Hemoal está fazendo coletas externas. Nesta quarta (7), a unidade móvel estará na Barra Nova, na Escola José Bispo; na quinta (8) as doações podem ser feitas no Posto de coleta de Coruripe.

A unidade do Hemoal no Trapiche, em Maceió, também terá horário de atendimento ampliado no sábado de carnaval. “No sábado, vamos fazer coletas até as 17h. E na quarta-feira de cinzas reabriremos em horário normal, de 7h às 18h. Estamos fazendo uma campanha também. Quem fizer a doação essa semana vai ganhar uma blusa do bloco ‘Hemovida'”.

No Hemocentro de Arapiraca (Hemoar), o estoque está um pouco melhor. Nesta terça, a unidade conta com 297 bolsas. A assistente social e gerente de qualidade do Hemoar, Márcia Maria Rocha, explica que, mesmo com um número adequado de bolsas, é muito importante que as doações continuem sendo feitas.

“Nós tivemos um feriado no dia 2, agora teremos 3 dias sem coletar. Precisamos ter mais doações para que possamos atender a demanda de carnaval e manter um estoque estável depois do feriado também”, esclarece Márcia.

Fonte: Notícias ao minuto

Motorista de Uber é baleado na região metropolitana de Salvador

O motorista de Uber de 49 anos Osvaldo Batista de Souza Filho foi baleado no bairro de Itinga, em Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador, na noite de segunda-feira (5). O crime aconteceu por volta de 21h.

Segundo a polícia, momentos antes, Osvaldo tinha pego um passageiro no aeroporto e deixada no bairro de Itinga. Quando se deslocava de lá, notou a presença de dois carros em baixa velocidade. Nesse momento, ele foi surpreendido por um bandido que bateu com a arma no vidro. Assustado, Osvaldo arrastou o carro e acabou baleado por um tiro que atravessou o vidro traseiro lateral do veículo.

Osvaldo foi ferido nas costas. Segundo a delegada Elaine Laranjeiras, da 27ª Delegacia de Itinga, mesmo baleado, Osvaldo conseguiu continuar dirigindo até conseguir socorro. O motorista passou por uma pequena cirurgia para retirada do projétil no Hospital Aeroporto. Ele já recebeu alta médica e prestou depoimento nesta terça-feira (6).

O veículo, um Nissan Versa com placa de Belo Horizonte, foi apreendido para perícia e levado ao pátio da unidade que investiga o caso. A polícia tenta coletar imagens de câmeras de segurança de estabelecimentos.

G1 manteve contato com o Uber, por meio da assessoria de imprensa, que confirmou Osvaldo Batista como motorista do aplicativo. No entanto, a empresa não soube especificar se, no momento que levou tiro, ele estaria em uma viagem por meio do serviço.

Fonte: G1 Nordeste

Ambulantes fazem protesto no Centro do Recife e trânsito fica complicado

Um grupo de ambulantes bloqueou as pistas na Praça do Derby, na região central do Recife, na manhã desta terça-feira (6). De acordo com a Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU), agentes foram enviados ao local para orientar os motoristas e tentar diminuir o engarrafamento.

O protesto foi realizado por vendedores informais, que afirmaram ser insuficiente a quantidade de kits de fardamento distribuídos pela prefeitura para os comerciantes que atuam na Avenida Agamenon Magalhães. Ao todo, foram entregues 200 exemplares. O ato começou no fim da manhã e terminou por volta das 12h20.

A assessoria de comunicação da Prefeitura do Recife informou, por telefone, que o ato foi promovido por ambulantes que se cadastraram e não receberam os kits. A administração municipal disse, ainda, que a entrega ocorrerá até a quarta-feira (7).

Manifestantes ostentam faixas com mensagem "ambulante não é ladrão", no Recife (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)Manifestantes ostentam faixas com mensagem "ambulante não é ladrão", no Recife (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)

Manifestantes ostentam faixas com mensagem “ambulante não é ladrão”, no Recife (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)

Por causa do bloqueio, houve retenções desde o Derby até a Avenida Caxangá, na Zona Oeste, nas imediações da Rua Benfica. Os ambulantes se reuniram em frente à estação do BRT, com faixas, cartazes e segurando caixas térmicas utilizadas no trabalho. Algumas das faixas dizem a mensagem “ambulante não é ladrão”.

A CTTU orientou que, para fugir do engarrafamento, os motoristas que seguiam para o Centro deveriam pegar a Rua Jener de Souza, passando pela Rua Henrique Dias, em direção à Boa Vista.

Fonte: G1 Nordeste

Alimentos mais caros pressionam inflação ao consumidor em janeiro

Os aumentos de preços dos alimentos pesaram na inflação ao consumidor medida pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) em janeiro, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira, 6. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-DI) teve um avanço de 0,69% no último mês, após uma alta de 0,21% em dezembro.

Seis das oito classes de despesa registraram taxas de variação maiores. A principal contribuição para o avanço do IPC-DI partiu do grupo Alimentação, que saiu de um aumento de 0,27% em dezembro para elevação de 1,23% em janeiro, sob pressão de itens como hortaliças e legumes, que passou de -0,29% para 15,75% no período.

Os demais acréscimos ocorreram em Educação, Leitura e Recreação (de 0,37% para 2,75%), Transportes (de 0,78% para 1,12%), Vestuário (de 0,11% para 0,34%), Comunicação (de -0,07% para 0,13%) e Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,45% para 0,50%). Houve contribuição dos itens cursos formais (de 0,00% para 5,84%), tarifa de ônibus urbano (de -0,90% para 2,08%), calçados (de -0,04% para 0,77%), tarifa de telefone residencial (de -1,01% para 0,07%) e protetores para a pele (de -2,30% para 0,78%), respectivamente.

Na direção oposta, as taxas foram mais baixas nos grupos Habitação (de -0,33% para -0,47%) e Despesas Diversas (de 0,21% para 0,14%), com contribuição da tarifa de eletricidade residencial (de -2,93% para -4,25%) e alimentos para animais domésticos (de 1,89% para 0,58%).

O núcleo do IPC-DI registrou alta de 0,44% em janeiro, ante avanço de 0,33% em dezembro. Dos 85 itens componentes do IPC, 44 foram excluídos do cálculo do núcleo. O índice de difusão, que mede a proporção de itens com aumentos de preços, foi de 70,12% em janeiro, 15,39 pontos porcentuais acima do resultado de 54,73% registrado em dezembro. Com informações do Estadão Conteúdo.

Fonte: Notícia ao minuto

Marun: sem reforma, governo partirá para ‘administração de danos’

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, afirmou nesta terça-feira, 6, que, se a reforma da Previdência não for aprovada em fevereiro, o governo vai partir para “uma política de administração de danos”. Segundo ele, o governo de Michel Temer tem como chegar ao fim, sem a reforma.

Em evento da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), que luta pela regulamentação do lobby no Brasil, o ministro disse que o projeto de privatização da Eletrobras tem chance de ser aprovado este ano.

Ele reafirmou a defesa da aprovação da reforma da Previdência, mas fez questão de destacar que o governo não vai deixar a discussão do tema passar de fevereiro. Para ele, esse é um direito do governo.

Marun criticou os governadores que, “de dia criticam a reforma e à noite rezam por ela”. Ele mencionou dois Estados governados pelo PT em que o déficit previdenciário é elevado: Minas Gerais, com R$ 16 bilhões em 2017, e Piauí, com R$ 1 bilhão no ano passado.

O ministro também criticou os parlamentares que dizem que a reforma é necessária, mas que não há clima para a sua aprovação. “Preferem passar por covardes do que burros”. Com ironia, disse que era melhor então “chamar a moça do tempo”.

Marun reconheceu que não há votos para a aprovação da reforma e fez um apelo para que aqueles que são favoráveis briguem por ela. “Nossa torcida precisa entrar em campo”, disse. “Votar contra a reforma também tira voto”, alertou.

O ministro avaliou que Michel Temer é o maior presidente da história do Brasil “por hora de mandato” e que, mesmo diante de uma barragem de notícias mentirosas, tem se mantido duro como uma rocha. “Por muito menos, Getúlio Vargas se deu um tiro.”

Marun ainda atacou o Judiciário. “Será que esse ativismo político de juízes não começa a tirar a credibilidade do Judiciário? Ele chegou a citar a condenação do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, que, mesmo punido com pena de 12 anos de prisão, é líder nas pesquisas eleitorais. “Será que são só os políticos que estão sem credibilidade?”.

O ministro também usou decisão judicial recente que impediu um navio com cerca de 25 mil cabeças de gado de deixar o Porto de Santos rumo à Turquia. Para ele, é o tipo de decisão de quem não conhece do assunto.

Também voltou a defender a nomeação da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) como ministra do Trabalho e recebeu apoio da presidência da Abrig. Com informações do Estadão Conteúdo.

Fonte: Notícias ao minuto

Petrobras anuncia queda de 1,80% no preço do diesel

A Petrobras anunciou um novo reajuste para os combustíveis, com queda de 1,80% no preço do diesel nas refinarias. Os preços da gasolina ficaram estáveis. Os novos valores valem a partir da quarta-feira, dia 7.

A nova política de revisão de preços foi divulgada pela petroleira no dia 30 de junho de 2017. Com o novo modelo, a Petrobras espera acompanhar as condições do mercado e enfrentar a concorrência de importadores. Com informações do Estadão Conteúdo.

Fonte: Notícias ao minuto