Em Jati, MP comanda operação que afasta prefeita e secretários

Por Madson Vagner

Uma ação do Ministério Público do Ceará (MPCE) com apoio da Polícia Civil, nessa quinta-feira, 14, cumpriu mandados judiciais determinando o afastamento da prefeita de Jati, Neta Diniz (PSD), e mais três secretários. Os mandatos, expedidos pela desembargadora Francisca Adelineide Viana, fazem parte da segunda fase da operação “Abelha Rainha”, que investiga irregularidades na desapropriação de dois imóveis pelo Poder Executivo municipal.

Junto com Neta foram afastados o secretário de Finanças, Antônio Nogueira Neto (marido da prefeita), e os procuradores José Sérgio Dantas Lopes e Janaína Bandeira Pereira Lopes. Durante a ação, houve o sequestro de um imóvel de propriedade da prefeita Neta, localizado em Fortaleza, e o cumprimento de oito mandados de busca e apreensão na residência e escritório dos procuradores, em escritórios de empresas de consultoria e residências localizados em Jaguaribe e Fortaleza.

A operação Abelha Rainha investiga irregularidades na desapropriação de dois imóveis pela gestão da prefeita Neta. Nas áreas seriam construídos um estádio de futebol e uma academia de saúde. O Ministério Público investigada ainda, suspeita de enriquecimento ilícito e favorecimento com dinheiro público nas desapropriações, já que os terrenos pertenciam a prefeita e seu marido, além de outros contratos firmados com prestadores de serviço e fornecedores do Município.

A primeira fase da operação Abelha Rainha ocorreu em julho de 2017, quando foram cumpridos mandados de busca e apreensão nas residências de Neta Diniz em Jati e Fortaleza, na Prefeitura e na casa do secretário de Educação do Município, Josival Nogueira Vidal, que é tio de Antônio Nogueira Neto, secretário de Finanças e marido da prefeita.

Bandidos tentam evitar socorro de mulher baleada e perseguem ambulância: ‘Consegui despistar’, diz motorista

Uma mulher morreu e outra ficou ferida após terem sido atingidas a tiros no bairro de Santa Cruz, no município de Luís Eduardo Magalhães, no oeste da Bahia. A ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), usada no socorro das vítimas, foi perseguida pelos criminosos.

O caso ocorreu na madrugada de quinta-feira (14). As vítimas foram baleadas por volta das 2h30, na Rua Utinga, onde moravam. A mulher identificada como Alessandra Santos Cerqueira, de 22 anos, morreu na hora.

Nicélia Ramos de Araújo, de 25, foi atingida por cinco tiros e sobreviveu. Ela foi socorrida pelo Samu para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade.

Motorista relatou que conseguiu despistar bandidos (Foto: Reprodução/TV Oeste)Motorista relatou que conseguiu despistar bandidos (Foto: Reprodução/TV Oeste)

Motorista relatou que conseguiu despistar bandidos (Foto: Reprodução/TV Oeste)

No trajeto para a unidade de saúde, o socorrista e motorista da ambulância percebeu que estava sendo seguido por uma dupla em uma moto. “Foram uns 800 metros [de perseguição]. Eu numa rua e eles na outra. Aí eu consegui, graças a Deus, despistar”, disse Jadson Dias.

Os socorristas acreditam que os bandidos queriam evitar que Nicélia fosse socorrida. Ninguém foi preso até a publicação desta reportagem.

Não é a primeira vez que uma ambulância é alvo de bandidos na cidade. Há pouco mais de duas semanas, um jovem identificado como Thiago Avelino, de 24 anos, foi morto dentro de uma ambulância, quando estava sendo transferido para o Hospital do Oeste.

Fonte: G1

Bebê chora em audiência na Bahia, juiz tranquiliza criança ao colocar ela no colo e gesto viraliza nas redes sociais

O gesto de carinho do juiz Agenor Calazans, em Salvador, sensibilizou internautas e viralizou nas redes sociais. Durante uma audiência na 25ª Vara do Trabalho, no bairro do Comércio, o magistrado acolheu uma bebê de 11 meses, que estava chorando no colo da mãe, e a tranquilizou no próprio colo.

A criança acabou ficando no colo do juiz durante toda a audiência. “A atitude do magistrado agradou tanto a garotinha que ela não quis mais sair dali”, disse o Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (TRT-5), numa nota que celebrou a atitude do profissional.

Nas redes sociais, o TRT ainda disse: “É ou não é um juiz do coração?”, brincou com os internautas. A audiência ocorreu na quarta-feira (13) e a mãe da garotinha era uma das partes envolvidas no processo que era julgado pelo magistrado.

Juiz Agenor Calazans com a bebê de 11 meses (Foto: Divulgação / TRT-5)Juiz Agenor Calazans com a bebê de 11 meses (Foto: Divulgação / TRT-5)

Juiz Agenor Calazans com a bebê de 11 meses (Foto: Divulgação / TRT-5)

Fonte: G1