Mais do mesmo. Prefeito de Santana do Cariri reclama da gestão anterior

Por Madson Vagner

O prefeito recém eleito de Santana do Cariri, Pedro Henrique (MDB), fez exatamente o que se esperava dele: reclamou da gestão anterior. Detalhe, todos os atuais prefeitos que reclamaram dos antecessores estão mergulhados em desgastes administrativos e políticos; ou seja, é previsível o futuro do jovem prefeito.

Sob a tese da herança maldita, Pedro Henrique diz que tem procurado a todo o momento engrenar seu plano de governo, mas que, constantemente, tem que refazer todo o trabalho pela desorganização encontrada. Disse que vai emitir um informativo oficial sobre a situação calamitosa e suas recentes ações exitosas.

No município, o desanimo é geral. Esperavam mais do novo gestor. Vai falar o que todos já sabem, repete a população. A perda de tempo em desgastar a ex-prefeita Danieli Machado, passa por relacionar informações de Secretarias sobre projetos e convênios.

A grande novidade é a recente burocracia que a gestão aponta. A equipe garante agir com cautela, “devido às exigências estabelecidas pelas normas obrigatórias e especificas dos órgãos fiscalizadores, para que futuramente não cause imbróglio administrativo e jurídico para o município”. É demais!

Frente de posto de saúde é imagem do descaso em Juazeiro do Norte-CE

Por Agência News Cariri

Do lado de fora, a unidade básica de saúde mais parece um prédio abandonado. O mato e sujeira espalhada pelo por todo lugar mostram a falta de cuidado com o local. Mas, a reclamação dos pacientes não é só pela falta de estrutura mais também pelo funcionamento da unidade que faltam médicos e remédios.  

Revoltado, um paciente resolveu fazer um vídeo com celular para mostrar o abandono do prédio. As imagens revelaram um local que está sem algumas janelas e portas, devido  terem sido levadas por vândalos, poeira, lixo e  um matagal enorme dentro do prédio e do lado de fora.

Essa situação, já está assim há cerca de três anos e mesmo com os moradores fazendo denúncias, nada é resolvido. Devido a isso, os pacientes contaram que são obrigados a recorrer à outra UBS no bairro São José que  também está em condições lamentáveis.

De acordo com eles, essa unidade que precisam ir encontra-se sem médico há três meses, falta remédios, os exames atrasam, entre outros problemas.  Após bater nessas duas “portas“ e não encontrarem um apoio, os pacientes, sendo mais idosos e crianças, são orientados  a procurar o Hospital Estefânia Rocha, onde quando chegam lá, já não possui mais ficha de atendimento.

“É um descaso que fazem com a gente, não ligam para a nossa saúde, nem idade, não sabemos mais a quem recorrer”, afirma Seu João, de 63 anos. Esta não é a primeira vez que o Portal News cariri é procurado  por esses moradores, onde foi tentado entrar em contato com a Secretaria de Saúde e não obteve nenhuma resposta.

Caminhada no centro de Salvador celebra 28 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente

onselheiros tutelares, crianças e adolescentes, acompanhados dos pais e professores, e integrantes da sociedade civil participam da 28ª caminhada anual do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em Salvador.

O grupo saiu do Largo do Campo Grande, na manhã desta sexta-feira (13), e segue em direção até a Praça Municipal. A caminhada tinha previsão de saída às 8h, mas por um problema de som, começou às 10h.

Por volta das 11h40, a Transalvador informou que o trânsito estava complicado no local. Agentes do órgão monitoram o tráfego de veículos.

Caminhada celebra 28 anos do Estatuto da Criança em Salvador (Foto: Ivis Macêdo / G1 BA)Caminhada celebra 28 anos do Estatuto da Criança em Salvador (Foto: Ivis Macêdo / G1 BA)

Caminhada celebra 28 anos do Estatuto da Criança em Salvador (Foto: Ivis Macêdo / G1 BA)

Com o tema “Não a Erotização Infantil”, a passeata busca conscientizar a sociedade sobre os direitos das crianças e dos adolescentes.

Para Elder Costa, conselheiro tutelar, “o tema da erotização é importante porque as músicas, os costumes, as roupas e as maquiagens estão cada vez mais tirando a infância das crianças, sobretudo das meninas, e a conscientização é uma forma de prevenir estupros e abusos sexuais”.

Tatiane Anjos, articuladora do evento, diz que a caminhada é de extrema importância, pois busca reivindicar e discutir sobre as políticas públicas para crianças e adolescentes.

Fonte: notícias ao minuto

Pernambuco confirma primeira morte por dengue em 2018

Governo do Estado confirmou, em boletim divulgado nesta sexta-feira (13), a primeira morte causada por dengue em Pernambuco, em 2018. A vítima foi uma mulher de 53 anos, moradora de Paulista, no Grande Recife. De acordo com a Secretaria de Saúde, o óbito aconteceu no dia 21 de fevereiro, mas houve a necessidade de esperar os resultados dos exames laboratoriais.

Entre 31 de dezembro de 2017 e 7 de julho de 2018, o estado registrou 42 notificações de óbitos pelas aborviroses, que englobam denguezikachicungunya e febre amarela, transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti. Dessas, seis foram descartadas e uma, confirmada. Outros 35 casos ainda estão sendo investigados.

Ainda de acordo com a Secretaria de Saúde de Pernambuco, durante este período, foram notificados 13.006 casos de dengue em 171 municípios.

Esse número representa um aumento de 17,3% em comparação com o mesmo período de 2017, quando foram notificados 11.084 casos. Das notificações deste ano, 2.786 foram confirmadas e 4.210, descartadas.

No caso da chikungunya, houve redução de 51,3% no número de notificações, na comparação entre 2017 e 2018.

Este ano, foram notificados 1.647 casos em 120 municípios, com 235 confirmações e 714 descartes. No mesmo período de 2017 houve 3.380 notificações.

Pernambuco registrou, ainda, 486 notificações de zika em 73 cidades do estado, sendo 27 delas confirmadas e 350, descartadas. Em 2017, no mesmo período, foram notificados 497 casos, o que representa uma redução de 2,2% este ano.

O Índice de Infestação Predial do 3º ciclo do Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes Aegypti (LIRAa) aponta que 84 municípios pernambucanos estão em situação de risco, 82 em estado de alerta e apenas 18 em situação satisfatória.

Onze bairros do Recife têm alto risco de infestação por Aedes aegypti, diz estudo

Onze bairros do Recife têm alto risco de infestação por Aedes aegypti, diz estudo

Recife

Um relatório divulgado pela Prefeitura do Recife aponta que 11 bairros do município têm alto risco de infestação do mosquito Aedes Aegypti(Veja vídeo acima)

As áreas da cidade onde os agentes de saúde ambiental mais encontraram larvas do mosquito são: Jordão, Água Fria, Beberibe, Várzea, Alto José do Pinho, Nova Descoberta, Joana Bezerra, Jaqueira, Parnamirim, Tamarineira e Alto José Bonifácio

O levantamento também mostra que 80% dos focos foram localizados dentro das residências, em locais como baldes e caixas-d’água, que são propícios à reprodução das larvas por facilitar o acúmulo de água parada.

Fonte: notícias ao minuto

Operação Hefesto mira fraude de R$ 13,6 milhões em cadastro do INSS

Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira, 13, a Operação Hefesto contra fraudes de R$ 13,6 milhões no Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS), do INSS. A ação é coordenada pela força-tarefa Previdenciária, que integra a Secretaria de Previdência, a PF e o Ministério Público Federal.

O cadastro é um banco de dados com informações sobre o trabalhador. O sistema é usado para conceder e calcular o valor do benefício.

A investigação identificou um esquema que inseria de forma extemporânea vínculos trabalhistas fictícios no CNIS. Segundo a PF, as informações eram transmitidas via sistema “SEFIP/Conectividade Social” – Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social (GFIP), servindo de base para a concessão de benefícios de auxílio-doença e de aposentadoria por invalidez, cujas patologias apresentadas são relativas a transtornos mentais e comportamentais.

A Federal estima que o prejuízo com a concessão de 127 benefícios fraudulentos alcance R$ 13,6 milhões. O valor do prejuízo evitado com a consequente suspensão dos benefícios ativos, levando-se em consideração a expectativa de vida média da população brasileira, é de aproximadamente R$ 28 milhões.

São cumpridos 17 mandados – dois de prisão preventiva e 15 de busca e apreensão – em São Luís e São José de Ribamar, no Maranhão, Fortaleza e Caucaia, no Ceará. A Justiça determinou também o arresto de bens e de veículos em nome dos investigados e ordenou que o INSS suspenda e bloqueie o pagamento de 37 benefícios que ainda estão ativos.

Em nota, a PF informou que as investigações começaram em 2013, a partir de levantamentos da Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária (COINP), parte da Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda.

“O esquema criminoso contava com a participação de um advogado, este também sócio de duas empresas utilizadas nas fraudes, de uma técnica em contabilidade, de duas assistentes sociais e de diversos outros agenciadores e intermediários”, afirma a PF em nota.

Participam da operação 82 policiais federais e um servidor da Inteligência Previdenciária (Coinp).

Os investigados foram indiciados pelos crimes de estelionato previdenciário e associação criminosa, cujas penas máximas acumuladas podem chegar a nove anos e oito meses de prisão, sendo que um dos investigados também foi indiciado pelo crime de falsificação de documento público para fins previdenciários.

O nome da operação é uma alusão ao deus grego do trabalho, que segundo os relatos, tinha grande capacidade de criação. Trata-se de uma referência a tipologia da fraude perpetrada: vínculos empregatícios fictícios.

Fonte: notícias ao minuto

‘Pauta-bomba’ pode gerar dívida de R$ 68 bi para o próximo governo

Entre projetos que tramitam às pressas no Congresso e medidas de contenção de gastos que a equipe econômica não conseguiu aprovar, pode ser empurrado para o próximo presidente da República uma conta de R$ 68 bilhões apenas em 2019. O montante supera os R$ 45 bilhões que a União gasta todos os anos com o funcionamento da máquina pública.

Além de pautas legislativas que implicam em queda expressiva na arrecadação de impostos, nessa soma estão despesas que o próprio governo criou e depois não teve força política para reverter, como o reajuste salarial a servidores no ano que vem.

A situação preocupa a equipe econômica pois, em 2019, as despesas que o governo está autorizado a manejar poderão somar cerca de R$ 100 bilhões. Mais de 90% dos gastos do Orçamento são obrigatórios.

Dentro desse valor, que já é o menor em uma década, estão gastos quase obrigatórios com o custeio básico da máquina pública, como água, telefone, energia e aluguel de imóveis. Somente essas despesas somam aproximadamente R$ 45 bilhões por ano.

A facilidade de tramitação no Congresso das pautas-bomba, como são chamados os projetos com alto impacto sobre o Orçamento, está relacionada com a aproximação do fim de um governo altamente impopular, sem força para barrar avanços de setores da indústria ou mesmo unidades da federação.

Para serem aprovados, esses projetos contaram inclusive com o voto de partidos aliados ao Palácio do Planalto. Na sessão do Congresso desta quarta-feira (11), por exemplo, siglas da base contribuíram maciçamente para permitir o reajuste salarial a servidores no ano que vem.

Na votação, nenhum partido aliado seguiu a determinação do governo de orientar a favor do congelamento de salários. Com aval do líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR), apenas 11 dos 26 deputados do MDB votaram pela proibição.

 

Se confirmado, o maior golpe entre as pautas-bomba virá de um projeto de lei que obriga a União a transferir, todos os anos, R$ 39 bilhões a Estados e Distrito Federal como uma compensação pela não incidência de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre parte das exportações.

O projeto foi aprovado em comissão mista e segue para votação em plenário. A aprovação é considerada improvável mas não impossível, de acordo com pessoas que acompanham as conversas.

Outra pauta delicada é o novo marco regulatório para o setor de transporte de cargas, aprovado pela Câmara no mês passado em meio à pressão da paralisação dos caminhoneiros. Somente em 2019, a Receita deixaria de arrecadar cerca de R$ 9 bilhões.

Nesta semana, o Senado ainda reverteu uma medida do governo que reduziu a alíquota de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) sobre concentrados de refrigerantes de 20% para 4% para tentar reduzir a geração de créditos fiscais para o setor.

Quanto menor a alíquota, menos créditos para abater outros impostos são gerados pelo setor. A medida agora segue para aprovação na Câmara dos Deputados, e terá um impacto de R$ 1,78 bilhão por ano a partir do ano que vem.

Em termos de perda de arrecadação, dois outros projetos devem ter impacto em 2019: o Refis do Simples e o Refis do Funrural, que facilitam o parcelamento tributário de dívidas de pequenas e médias empresas e do agronegócio, respectivamente.

A Receita não informou a perda de arrecadação com as duas pautas no ano que vem. A armadilha fiscal aparece também do lado dos gastos.

A dotação para um reajuste salarial de servidores, por exemplo, só será definida na LOA (Lei Orçamentária Anual), que define os valores do Orçamento. Mas segundo a reportagem apurou, o impacto pode ser de R$ 11 bilhões.

Também às pressas, foi aprovado o reajuste do piso salarial dos agentes comunitários de saúde. Ainda não há cálculo do impacto da medida, que foi aprovada sem a indicação de uma receita compensatória, como prevê a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal).

Outro ponto que preocupa a Fazenda é que, no ano passado, o Congresso incluiu um dispositivo em uma emenda constitucional que obriga a União a subsidiar o pagamento de precatórios de Estados e municípios.

Entre as medidas recentes com efeito significativo sobre o Orçamento, em tramitação ou que já foram aprovadas estão: a ampliação de benefícios fiscais regionais para o Centro-Oeste (R$ 3 bilhões em 2019), transferência de servidores do Amapá, Rondônia e Roraima à União (R$ 2 bilhões ao ano) e a permissão para venda de etanol diretamente aos postos (R$ 2,4 bilhões). Com informações da Folhapress.

Fonte: notícias ao minuto

Fazenda irá reduzir projeção de alta do PIB de 2018 para 1,6%

O governo vai reduzir sua projeção de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) de 2,5% para 1,6% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2018.

A informação foi antecipada pelo ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo.

A mudança será feita oficialmente durante a divulgação do relatório de receitas e despesas do governo, que será publicado na próxima semana.

 

Os analistas de mercado ouvidos pelo Banco Central no boletim Focus esperam uma alta de 1,5%. Há quatro semanas, essa expectativa era de 1,9%.

No final do mês passado, o BC também diminuiu sua projeção para a expansão da atividade econômica neste ano para 1,6%.

A autoridade monetária atribuiu a mudança à perda de ritmo da recuperação, à estagnação da confiança de empresas e consumidores na economia e à paralisação dos caminhoneiros.

O BC revisou para baixo o desempenho esperado da indústria, comércio e serviços e consumo. Com informações da Folhapress.

Fonte: notícias ao minuto