Barbalha. Argemiro e Camilo, cada um no seu quadrado

Por Madson Vagner

Apesar da boa relação entre o prefeito de Barbalha, Argemiro Sampaio, e o governador Camilo Santana, a política tem seus limites. Pelo menos, essa foi a impressão que ficou após a entrega de cinco viaturas para a Polícia Militar (PM) do Município, no último dia 15.

Durante a cerimônia, o Governador esteve sempre acompanhado do presidente da Câmara, vereador Veve Siqueira, a quem fez a entrega. O chefe do Legislativo e Camilo chegaram juntos em uma das novas viaturas e desfilaram pela cidade, o que geralmente é feito com o prefeito. Argemiro, sequer foi convidado para o evento.

Argemiro disse que sabia reconhecer seu espaço e que respeitava o momento da sua oposição. Mesmo assim, enviou agradecimentos a Camilo, demonstrando grandeza, pelas viaturas para Barbalha.

Policial militar é preso após ser flagrado dirigindo carro roubado em Lauro de Freitas

Um policial militar foi preso em flagrante, na última terça-feira (25), na cidade de Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador, com um veículo roubado. A informação foi divulgad pela PM nesta quarta (26).
De acordo com informações da PM, o carro, um Sandero Cross de cor branca, foi roubado na segunda-feira (24), na cidade de Candeias, também na região metropolitana, e possuía um dispositivo rastreador. Desta forma, a Polícia Militar conseguiu chegar até o veículo, que estava sendo conduzido pelo soldado.
O policial e o veículo foram apresentados na Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DRFRV). Ainda segundo a PM, um Processo Administrativo Disciplinar será instaurado para apurar a conduta do militar, e ele poderá até ser demitido.

Prouni Recife divulga nesta quarta-feira primeira lista de classificados

A prefeitura da capital pernambucana divulga, nesta quarta-feira (26), a primeira lista de classificados no Prouni Recife. Os candidatos podem conferir a relação no site e fazer a matrícula na instituição escolhida. O Programa, que concede bolsas de estudo em universidades privadas, recebeu 5.300 inscrições e oferece 277 oportunidades. A concorrência é de 19,1 pessoas por vaga.
Desde 2015, o Prouni Recife beneficiou cerca de 940 estudantes. Para concorrer a uma das vagas é preciso comprovar morar na cidade, por no mínimo três anos e não ter diploma de nível superior. Nessa etapa, foram oferecidas vagas em 65 cursos de oito instituições.
É necessário, ainda, comprovar renda bruta familiar, per capita, de até dois salários mínimos; ter cursado o ensino médio em uma escola da rede pública ou em escolas privadas com bolsa integral; ter realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) do ano anterior à inscrição. A média deve ser de, no mínimo, 450 pontos. O candidato não pode ter tirado zero na redação.
A nota do Enem servirá como critério de desempate entre os candidatos. Entre os cursos oferecidos pelo Prouni Recife estão:
Medicina
Direito
Administração
Psicologia
Engenharia civil
Engenharia elétrica
Engenharia mecânica
Engenharia química
Arquitetura e Urbanismo
Odontologia
Jornalismo
Medicina Veterinária
Design de Moda
Design gráfico
Marketing
Gastronomia
De acordo com a prefeitura, o programa poderá ser estendido aos professores da rede pública de ensino municipal, desde que estejam no efetivo exercício do magistério da educação básica e integrando o quadro de pessoal permanente da instituição pública. As bolsas são para os cursos de licenciatura, normal superior e pedagogia, destinados à formação do magistério da educação básica, independente do cumprimento dos critérios dos estudantes.
Programa
Instituído pela Lei n° 18.113/2015, o Prouni funciona sob o regime de concessão de isenção fiscal. Com isso, o número de bolsas concedidas aumenta na mesma proporção que há uma redução na alíquota do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) a ser pago pelos Institutos de Ensino Superior (IES).

No primeiro ano de funcionamento, a alíquota foi diminuída em 0,75%. Da mesma forma, as instituições de ensino que aderiram ofereceram bolsas equivalentes a 0,75% do total de alunos pagantes. Para este ano, a redução será de 1,50% e a oferta de novas bolsas equivalerá a 1,50% do total de pagantes.

Fonte: G1-Pe

Acidentes de trabalho podem provocar perdas ao funcionário e à empresa

Fraturas, cortes, quedas e lesões desencadeadas por esforço repetitivo podem ser considerados acidentes de trabalho, que resultam na diminuição ou perda da capacidade do trabalhador de exercer suas atividades normalmente. O assunto é sério e a saúde do colaborador deve ser tratada pelas empresas como prioridade. É por isso que o Dia Nacional da Prevenção de Acidentes de Trabalho, celebrado no dia 27 de julho, procura alertar a população e as organizações sobre a importância do tema e de proporcionar melhores condições para o exercício da função.

Dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), divulgados em 2013 e mencionados no boletim quadrimestral sobre benefícios por incapacidade da Previdência Social, apontam que 321 mil pessoas morrem anualmente como consequência de acidentes no trabalho. Ainda, segundo a Previdência Social, em 2015, foram 612.632 acidentes de trabalho no Brasil, uma queda de 14% em relação ao ano anterior.

Apesar da redução nos números, o Brasil tem um alto índice de acidentes nas empresas. Segundo Yuri Fernandes, analista em Segurança do Trabalho da Bioqualynet, muitos fatores estão relacionados a esse cenário. “A falta de instrução ao funcionário, não utilização dos equipamentos de proteção individual, imprudência, maquinários e ferramentas em condições inadequadas e descumprimento das leis trabalhistas, são algumas das causas que provocam os acidentes”, explica.

A prevenção é fundamental para diminuir cada vez mais esse tipo de ocorrência nas empresas e envolve treinamentos, diálogos, monitoramento dos funcionários, entre outras ações. De acordo com Yuri Fernandes, a ausência de segurança do trabalhador pode provocar diversas perdas à companhia. “Ausência de mão de obra especializada; afastamento do colaborador; sobrecarga de tarefas para os demais funcionários; multas e indenizações, caso ocorra acidentes de trabalho que causem perda ou diminuição da capacidade do trabalhador de exercer seu ofício, são alguns exemplos que as companhias podem enfrentar”, afirma.

Já se as organizações adotarem uma cultura de segurança, as perdas se revertem para benefícios. “A companhia agrega valor a sua marca no mercado como empresa responsável; potencializa suas vendas; não apresenta problemas com órgãos fiscalizadores e mantém um local de trabalho salubre e seguro para seus funcionários”, complementa Yuri.

noticias ao minuto