Pernambuco ultrapassa cinco mil homicídios em 2017, maior índice em dez anos

Com os 456 assassinatos contabilizados em novembro de 2017, o estado de Pernambuco ultrapassou a marca de cinco mil homicídios cometidos em menos de um ano. Ao todo, 5.030 pessoas foram assassinadas no estado entre os meses de janeiro e novembro, de acordo com dados divulgados pela Secretaria de Defesa Social (SDS) na tarde desta sexta-feira (15). A estatística é a maior em uma década de Pacto pela Vida, programa instalado pela administração estadual em 2007 para diminuir o número de mortes violentas no estado.
Em 2016, o estado somou 4.479 homicídios cometidos entre janeiro e dezembro. Em 2017, até novembro, foram 551 assassinatos a mais do que no ano anterior. Em relação aos 3.889 homicídios registrados em 2015, o ano de 2017, mesmo sem ter terminado, já soma 1.141 assassinatos a mais.

Fonte: G1

Travessia Salvador-Mar Grande opera com seis embarcações e tem saídas a cada 30 minutos neste sábado

A travessia marítima Salvador-Mar Grande opera com seis embarcações e tem saídas a cada 30 minutos na manhã deste sábado, segundo informações da Associação dos Transportadores Marítimos da Bahia (Astramab), que administra o sistema.
De acordo com a entidade, a travessia funciona normalmente neste sábado, com boas condições de navegação na Baía de Todos-os-Santos. Conforme a Astramab, é tranquilo o fluxo de passageiros na capital baiana e na Ilha de Itaparica.
Neste sábado, o último horário de saída de Salvador será às 20h. Já no sentido inverso, da Ilha para a capital, ocorre às 18h30.
Morro de São Paulo e passeio
A travessia Salvador-Morro de São Paulo também opera sem restrições neste sábado, com os catamarãs fazendo a viagem direta, em tempo médio de 2h20, segundo a Astramab.
O primeiro catamarã para o Morro saiu às 8h30 e o segundo às 9h. Os demais horários são 10h30, 13h e 14h30. Já as saídas de Morro de São Paulo são às 9h, 11h30, 13h e 15h.
Para os turistas e baianos que querem fazer o passeio pelas ilhas da Baía de Todos os Santos, a Astramab lembra que as escunas saem a partir das 9h e retornam a Salvador às 17h30. A procura pelo serviço é moderada neste sábado, conforme a entidade, com previsão de que oito escunas deixem o Terminal Náutico. O roteiro inclui duas paradas: a primeira em Ilha dos Frades e a segunda em Itaparica. A tarifa por pessoa é R$ 50.

Fonte: G1

Viagem no fim do ano: cinco atitudes para não se endividar

Uma das recomendações é saber quanto vai gastar, ou seja, traçar um planejamento para a viagem desejada

As festas de fim de ano estão próximas e muitos brasileiros já planejam suas viagens. Mesmo quem não se programou com antecedência pode curtir as férias sem se endividar. Veja cinco ações importantes:

1- Saiba quanto vai custar

Traçar um planejamento para uma viagem nada mais é do que definir local, período, hospedagem, transporte e alimentação, orçando cada um desses itens, para conhecer o total dos gastos e o custo geral da viagem.

2- Negocie preços

Dessa forma é possível não apenas pesquisar com mais cuidado, como também negociar com as empresas ou agentes de viagem para conseguir descontos e facilidades no pagamento.

3- Conheça seu bolso

O primeiro passo é fazer um diagnóstico financeiro e conhecer a sua situação atual. Se não poupou dinheiro para essa viagem, é válido optar por passeios mais baratos, sem que seja necessário se endividar. Considere cidades próximas com pontos turísticos, ir à parques e fazer atividades culturais de baixo custo ou gratuitas.

4- Leve quantia extra

Coloque na ponta do lápis todos os gastos envolvidos, incluindo um valor extra para imprevistos, como oportunidades de passeios ou compras que deseje aproveitar na ocasião, mas não teria como prever.

5- Não esqueça das contas

Além de pensar na viagem em si, é preciso lembrar das despesas comuns de final e inicio de ano, como presentes, celebrações, ceia de Natal, IPTU, IPVA, matrícula e material escolar, por exemplo. Ter educação financeira é justamente agir de forma sustentável, evitando que uma viagem se torne motivo de preocupação e descompasso financeiro em um futuro próximo.

Fonte: Notícias ao Minuto

Avanço dos carros elétricos no país esbarra em falta de infraestrutura

A Volkswagen confirmou a estreia do híbrido Golf GTE e de sua versão 100% elétrica, o e-Golf, em 2018, ambos importados da Alemanha

Apesar da infraestrutura incipiente, as montadoras começam a definir a chegada de seus carros movidos a energia limpa no mercado nacional. A Volkswagen confirmou a estreia do híbrido Golf GTE e de sua versão 100% elétrica, o e-Golf, em 2018, ambos importados da Alemanha. A montadora está em fase de conclusão do processo de homologação desses carros.

Ambos devem ser apresentados ao público em outubro, no Salão do Automóvel de São Paulo. A estratégia de veículos eletrificados da Volkswagen será complementada pelo caminhão e-Delivery, que será produzido em Resende (RJ) a partir de 2020.

Embora a infraestrutura do país para atender à demanda de alguns desses veículos seja escassa – são poucos os pontos de recarga pelas cidades, por exemplo –, os fabricantes seguem com o cronograma de lançamentos.

Nesta semana, a Porsche iniciou as vendas da nova geração do Panamera híbrido, sedã de luxo equipado com motor a combustão e um elétrico que pode ser carregado em tomadas comuns de 220 volts. Ele tem autonomia de 50 km e capacidade de movimentar o carro de R$ 529 mil a até 140 km/h.

“A eletrificação dos veículos é um caminho sem volta. No Brasil, questões estruturais precisam ser mais bem discutidas e o processo caminha de forma mais lenta se comparado a países da Europa. Mas não tenho dúvidas de que esse nicho vai se desenvolver rápido na próxima década”, afirma Werner Schaal, diretor de vendas da Volks.

No país, são comercializados outros modelos do tipo plug-in (recarregados em tomada), como o Volvo XC90, o Porsche Cayenne e o BMW i3. Há ainda os híbridos de regeneração própria, como Toyota Prius, Ford Fusion Hybrid, BMW i8 e Mitsubishi Outlander PHEV. Todos eles, porém, têm preço acima dos R$ 100 mil. O elétrico Tesla Model X, comercializado por importação independente, beira a marca de R$ 1 milhão.

“A redução dos preços para beneficiar a compra desse tipo de veículo precisa ser expressiva, e o governo brasileiro precisa entender que a mobilidade elétrica vai chegar”, diz Ricardo Guggisberg, presidente da ABVE (Associação Brasileira do Veículo Elétrico).

Segundo ele, o novo regime automotivo em discussão, Rota 2030, deve abranger com mais propriedade o tema dos elétricos e híbridos. E a regulamentação do segmento de veículos híbridos e elétricos contribuirá para o desenvolvimento de infraestrutura.

“Muitas empresas estão atentas a isso e querendo participar. Só falta o governo esclarecer o caminho a ser seguido, e isso inclui a garantia de custos acessíveis.”

PARCERIA

Algumas marcas e empresas já realizam algumas ações de incentivo aos híbridos e elétricos. Em São Paulo e no Rio, modelos da primeira geração do Nissan Leaf (que também será vendido no país) são utilizados para o serviço de táxi desde 2012. A empresa fez parcerias com a Eletropaulo (SP) e a Petrobras (RJ) para que as empresas fornecessem recarregadores. Em parceria com a empresa de energia EDP, a BMW instalará seis pontos de recarga em postos da Via Dutra.

Para a Chevrolet, a infraestrutura é o elemento mais simples da equação. “É algo que vai acontecer na medida em que os carros elétricos forem sendo introduzidos no mercado. Estamos com um canal aberto de conversações com os governos e entidades representativas do setor no sentido de discutir todos os elementos que envolvem a questão da eletrificação.”

No ano que vem, a Chevrolet deve lançar no país o Bolt EV. Elétrico “popular” nos EUA – sua tabela é de US$ 29.995, ou R$ 100 mil –, o hatch tem alcance de até 383 km com um uma carga. Com informações da Folhapress.

Fonte: Notícias ao Minuto