Agência bancária é explodida e fica destruída no sul da Bahia; fotos

Uma agência bancária do Banco Bradesco ficou destruída após ser explodida por um grupo de criminosos na madrugada deste sábado (16) na cidade de Itagimirim, sul da Bahia, de acordo com a Polícia Civil.
A ação foi por volta das 1h50. Cerca de nove homens chegaram no local e explodiram caixas eletrônicos da agência. Eles fugiram pela BR-101, sentido Eunápolis. O Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Ilhéus foi acionado para fazer perícia no local.
Não há informações sobre a identidade dos autores do ataque. Até a manhã deste sábado ninguém foi preso.

Fonte: G1

Recife abre 170 postos em campanha para atualizar caderneta de vacinação

Intenção de campanha é revisar e atualizar caderneta de vacinação (Foto: Cláudio Fachel, divulgação/Palácio Piratini) Intenção de campanha é revisar e atualizar caderneta de vacinação (Foto: Cláudio Fachel, divulgação/Palácio Piratini)
Intenção de campanha é revisar e atualizar caderneta de vacinação (Foto: Cláudio Fachel, divulgação/Palácio Piratini)

A Campanha Nacional de Multivacinação para Atualização de Caderneta ocorre neste sábado (16). Em Pernambuco, existem 2.425 postos de saúde. No Recife, 170 unidades estarão abertas para a iniciativa. Os equipamentos públicos funcionam das 8h às 17h. A iniciativa segue até o dia 22.
A meta da campanha, adotada desde 2012, é atualizar a situação vacinal de rotina de crianças e adolescentes menores de 15 anos de idade. Cada município organizará suas ações para o Dia D.
Atualmente, o calendário nacional conta com 14 vacinas para as crianças e cinco para os adolescentes. Por isso, a população alvo deve comparecer e levar a caderneta de vacinação, para que os profissionais de saúde possam avaliar se há alguma que ainda não foi administrada ou se há doses que necessitam ser aplicadas. Com isso, é possível evitar casos de sarampo, coqueluche, difteria, tétano, HPV, meningite, poliomielite, hepatites A e B, bem como outras doenças.
A coordenadora do Programa Estadual de Imunização da Secretaria Estadual de Saúde (SES), Ana Catarina de Melo, ressalta que esse é um momento oportuno para fazer a atualização e, com isso, evitar doenças que estão fora de circulação no Brasil, como a poliomielite. A enfermidade foi registrada pela última vez em Pernambuco, em 1988.
Entre as vacinas que poderão ser aplicadas nas crianças, estão as das hepatites A e B, tríplice viral (caxumba, rubéola e sarampo), meningocócica C, BCG e as contra a poliomielite. Já para o público entre 7 e menores de 15 anos, há a dupla adulto (dT – difteria e tétano), hepatite B, meningocócica C e HPV.
No Recife, a abertura da campanha será às 8h, na Upinha Dr Moacyr André Gomes, em Casa Amarela, na Zona Norte. No local, haverá várias atividades para entreter o público.

Fonte: G1

Taxas para empresas mantêm mesmo nível, diz BC

O spread – diferença entre o custo de captação de recursos pelos bancos e o que é efetivamente cobrado do cliente nas operações de crédito – pouco tem reagido no caso das pessoas jurídicas. Os números do Banco Central (BC) mostram que o spread em operações com recursos livres para empresas está estável em 2017, nos 16,7 pontos porcentuais.

No caso das famílias, o spread já caiu 5,7 pontos porcentuais, para 54,5 pontos porcentuais. “Nesse ponto, não vemos maior flexibilização do lado dos bancos”, disse o economista Bruno Lavieri, da 4E Consultoria. Com informações do Estadão Conteúdo.

Economistas veem melhora no próximo ano, após recessão

crédito para empresas tende a passar por um processo de recuperação em 2018, segundo analistas ouvidos pelo Estadão/Broadcast. O desempenho, no entanto, ainda está longe do verificado nos anos anteriores à recessão de 2015-2016.

O economista João Morais, da Tendências Consultoria Integrada, projeta que as concessões de crédito livre para empresas encerrarão 2017 com retração de 5,8%. Em 2018, com a economia brasileira apresentando crescimento mais vigoroso, as concessões aumentarão 7,5%.

No caso do crédito para capital de giro – o mais importante para as pessoas jurídicas -, Morais estima retração de 15,2% nas concessões em 2017. No próximo ano, a projeção é de crescimento de 13%. “Crescer isso em cima de um tombo gigantesco? Não quer dizer tanta coisa”, avaliou Morais, para quem o cenário ainda é muito ruim. “Com um crescimento de 13% em capital de giro, que estamos estimando para 2018, ainda devemos ficar com um volume de concessões 60% abaixo do recorde histórico registrado em 2012”, disse o economista.

Naquele ano, as concessões de capital de giro somaram R$ 455 bilhões em termos reais (descontada a influência da inflação). Para 2018, a Tendências calcula R$ 185,6 bilhões.

“O que vai melhorar virá do consumo, da própria atividade econômica. Assim, as empresas vão precisar menos de capital de giro”, disse Lavieri, ao avaliar o cenário para as empresas. Para ele, o crédito com recursos do BNDES, que no passado teve grande importância, não deve mais ter a mesma relevância. “A redução tem a ver com correção de rumo, com nova orientação.”

Mais otimista, Angelo Corsetti, professor de finanças do Insper, defende que o cenário de crédito para empresas já vem melhorando gradativamente, até neste ano. “É claro que os bancos são sempre muito cautelosos, exigem garantias, como duplicatas, mas a propensão dos bancos em oferecer crédito tem melhorado”, afirmou. “Com a retomada do crescimento da economia, as perspectivas são favoráveis.” Com Informações do Estadão Conteúdo.