Relatos de experiências no ensino remoto marcam o terceiro dia da Jornada Pedagógica

A Jornada Pedagógica 2021: Inspirações para uma escola humanizada, teve início dia 25 totalmente virtual.

O terceiro dia de Jornada Pedagógica trouxe como temática os desafios enfrentados no ensino remoto, abordando as estratégias que podem ser utilizadas para contribuir com o crescimento e aprendizado do aluno. Abrindo a programação, a Professora Edna Belém destacou a inclusão como um dos pontos que requer mais atenção nesse período de ensino à distância. “A base do ensino com o objetivo da inclusão são as questões das competências sócio–emocionais e a capacidade de resiliência. Nós, professores, conseguimos ser surpreendentes”, enfatizou.

Em um segundo momento, foram apresentados relatos de experiências das professoras da rede municipal de ensino durante o ano de 2020, ressaltando a necessidade de se reinventar diante os inúmeros obstáculos do ensino remoto.
Segundo a coordenadora pedagógica, Arlete Xavier, essa socialização de informações também serve de fortalecimento na inovação da prática do ensino, já que os educadores tiveram que passar por um processo de adaptação para continuar o seu trabalho.

As professoras Sileude Brandão, Solange Machado, Aretha Araújo, Rosidalva Ferreira e Andréia Alves usaram a criatividade, através da música, da produção de vídeos interativos, leitura de histórias, para que a mensagem pudesse chegar aos estudantes. Apontaram ainda, as principais dificuldades que surgiram, como a falta de acesso à internet, ausência de disponibilidade dos pais durante o dia para acompanhar os filhos nas atividades, alunos desmotivados e assustados com o cenário vivenciado. Algumas mães de alunos também deram depoimentos e agradeceram o empenho e comprometimento dos professores da rede municipal de ensino.

Médico que fez lipoaspiração de Liliane Amorim se pronuncia: ‘profundo pesar’

O médico responsável pela lipoaspiração de Liliane Amorim, que morreu no último domingo após complicações da cirurgia, Benjamin Alencar, emitiu nota à imprensa sobre o acontecimento e lamentou a morte da influencer.

O cirurgião afirmou estar em “profundo pesar pelo falecimento da paciente” e disse ainda que já se colocou e permanece “à disposição da família para auxiliar em tudo o que seja necessário.”

O texto ainda afirma que o procedimento foi realizado em um hospital “apropriado para o ato, observando rigorosamente todas as exigências regulamentares e legais.”

“Além disso, todas as normas técnicas para a realização do procedimento cirúrgico e do pós-operatório foram integralmente observadas, de acordo com as diretrizes do Conselho Federal de Medicina, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da lex artis para a prática da cirurgia”, prossegue a nota.

O comunicado ainda diz que a paciente teve toda a assistência médica necessária, tanto no pré quanto no pós-operatório, por toda a equipe.

“Para os profissionais de medicina, devotados à saúde de seus pacientes, a perda de uma vida representa enorme dor, tendo sido recebida, assim, com muita tristeza a lastimável notícia”, conclui.

Juazeiro do Norte: aberto cadastramento para o programa bolsa catador

Começou na manhã desta quarta-feira, 27, e seguirá até o dia 05 de fevereiro, o cadastramento dos catadores de material reciclável de Juazeiro do Norte.
A ação está acontecendo na sede da Associação Engenho do Lixo, localizada na rua Paulo Maia, próximo à Estação Teatro.

José Leite, presidente da associação, lembra que a sistematização, além de trazer o aporte monetário aos beneficiários, também funciona como uma possibilidade de divulgação do trabalho desenvolvido por esses profissionais.

Por sua vez, Eraldo Oliveira, superintendente da AMAJU (Autarquia Municipal de Meio Ambiente de Juazeiro do Norte), ponderou que o cadastramento também pode ser feito na sede da Associação Juazeiro Ambiental, no prédio da AMAJU, e na Secretaria de Meio Ambiente e Serviços Públicos (SEMASP).

Serviço:
AMAJU – Rua Francisca Paula Bezerra, 1.109 – Limoeiro
SEMASP – Parque Ecológico das Timbaúbas

Prefeitura de Barbalha e Urca assinam Termo de Convênio para a educação

A Secretaria de Educação de Barbalha, SME, firmou Termo de Convênio com a Universidade Regional do Cariri, URCA, nesta terça-feira, 26 de janeiro. O objetivo é estabelecer mútua colaboração de natureza educacional, técnico-científica e cultural, visando, especialmente, a oferta da formação continuada para gestores escolares e professores da rede de ensino municipal.

Participaram da reunião, além dos técnicos da SME, a professora Dra. Francisca Laudeci Martins Souza, pró-reitora adjunta de Ensino de Graduação; a professora Dra. Ana Maria Parente Garcia Alencar, pró-reitora de Ensino e Graduação e, o professor Dr. Edmar Pinheiro, chefe de gabinete da Reitoria.

Clínicas particulares do Ceará negociam entre US$ 32,71 e US$ 40,78 a dose da vacina indiana contra a Covid-19, diz jornal

A ABCVAC e a importadora Precisa Medicamentos concluíram as negociações para a compra das 5 milhões de doses da Covaxin, da farmacêutica indiana Bharat Biontech, e agora partem para acordar a venda do imunizante com as clínicas privadas

As clínicas particulares do Ceará, que participam da negociação conjunta de 5 milhões de doses da vacina indiana Covaxin com a Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC), poderão comprar mínimo de 2 mil a 7,2 mil doses do imunizante, cujo valor unitário da compra ficaria por US$ 40,78. Caso optem por adquirir entre 7.201 a 12 mil doses, a unidade sairia por US$ 38. De 12.001 a 50 mil, sairia por US$ 36, entre 50.001 a 100 mil, o custo é de US$ 34,43 e, acima de 100 mil, sai por US$ 32,71.

preços atuais, os valores em reais para adquirir cada dose ficariamaproximadamente entre R$ 176,96 e R$ 220,61. Lembrando que estes valores ainda não são os que serão comercializados ao consumidor final.

Os dados foram divulgados pelo jornal Valor Econômico, que teve acesso exclusivo a um comunicado da entidade aos seus associados, enviado no último dia 23. A publicação informa que a ABCVAC e a importadora Precisa Medicamentos concluíram as negociações para a compra das 5 milhões de doses da Covaxin, da farmacêutica indiana Bharat Biontech, e agora partem para acordar a venda do imunizante com as clínicas privadas.

Ainda acrescenta que as clínicas têm somente até esta sexta-feira, 29, para fecharem seus pedidos com a importadora e precisam pagar 10% do valor do contrato como adiantamento para reservar seu lote, sendo que a quantia será devolvida caso o imunizante não seja aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ou ocorra outro percalço. No período de aprovação pela Anvisa e de liberação da licença de importação, serão cobrados mais 50% e os 40% restantes serão pagos na entrega da vacina.

“Todas as negociações são desenvolvidas dentro de um ambiente privado e cobertas por Termos de Confidencialidade e todas as estratégias e condições comerciais são discutidas exclusivamente dentro do ambiente legítimo, e cobertas por contratos entre as partes, envolvendo apenas clientes e fornecedores. A ABCVAC não comentará nenhum documento que esteja fora do ambiente formal das negociações”, informa a entidade em nota enviada ao O POVO.

Fonte: OPOVO

Gasolina fica mais cara no Ceará a partir desta quarta-feira (27)

Os postos de combustíveis do Ceará começam a aplicar hoje (27) o novo aumento de 5% no preço da gasolina nas refinarias, anunciado ontem (26) pela Petrobras. É o segundo reajuste formalizado pela estatal em pouco mais de uma semana. O primeiro aumento do ano foi de 7,6%.

Nas refinarias da estatal, o preço médio de venda de gasolina passará a ser de R$ 2,08 por litro, refletindo aumento médio de R$ 0,10 por litro no preço de venda. Na avaliação do consultor na área de Petróleo e Gás, Bruno Iughetti, a gasolina deve ser vendida nas bombas por preços em torno de R$ 5.

Entre o fim de dezembro do ano passado e o início de janeiro, a gasolina era vendida a preços médios de cerca de R$ 4,75 no Ceará. A menor média do combustível registrada neste mês foi de R$ 4,73. Já o preço máximo chegou a R$ 4,99, em Fortaleza no início do mês e em Juazeiro do Norte na última semana, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natutal e Biocombustíveis (ANP).

Fonte: Diário do Nordeste

Com fortalecimento de inteligência e reforço em divisas, Forças de Segurança do Ceará apreendem mais de oito toneladas de drogas em 2020

O ano registrou um aumento de 67% nas apreensões quando comparado ao ano de 2019

Um aumento de 67% em comparação a 2019. Esse foi o balanço das apreensões de drogas em todo o Estado, durante os doze meses do ano de 2020 em comparação ao ano de 2019. Foram 8,3 toneladas de cocaína, crack e derivados de cannabis apreendidas durante o trabalho ostensivo e investigativos das Polícias Militar do Ceará (PMCE) e Civil do Estado do Ceará (PCCE). Em 2019, foram pouco mais cinco toneladas. Esse resultado é o melhor desde 2006, de acordo com dados compilados pela Gerência de Estatística e Geoprocessamento (Geesp) da Superintendência de Pesquisa e Estratégia de Segurança Pública (Supesp).

Até então, o ano que havia apresentado um resultado superior aos demais havia sido 2017, quando foram apreendidas 7,2 toneladas de drogas. De lá para cá, o Estado realinhou suas ações e fortaleceu sua inteligência, especialmente por se tratar de um estado com posicionamento estratégico. Dessa forma, as forças de segurança buscam se antecipar às investidas criminosas.

“Dentro da estratégia de combate ao crime organizado no Estado do Ceará, uma das principais ações da Secretaria da Segurança Pública, assim como da Polícia Civil e da Polícia Militar, é agir com muita inteligência, com muito planejamento e com foco na estratégia, reprimindo o tráfico de drogas justamente através das grandes apreensões de drogas e também por meio das prisões de traficantes. Também é importante destacar que reprimindo o tráfico de drogas se corta a principal fonte de renda dos grupos criminosos. Com o combate eficiente, uma repressão qualificada ao crime organizado, com a prisão de seus chefes e a descapitalização desses grupos, nós atingimos toda essa estrutura criminal”, ressaltou Sandro Caron, secretário da Segurança Pública e Defesa Social.

Caron aproveitou para falar os pontos de destaque no trabalho das forças de segurança que impactaram nas apreensões de entorpecentes no Estado durante o ano de 2020. “Utilizamos a inteligência para nos guiar, para direcionar melhor os nossos trabalhos e para que consigamos, por meio dela, o máximo de eficiência nas ações policiais de repressão qualificada. Utilizamos também estatísticas criminais para melhor posicionar os efetivos da Polícia Militar, com o policiamento preventivo e ostensivo. É importante destacar ainda o controle nas divisas do Estado para que se possa interceptar essas drogas já nas entradas do Ceará. Então, como já destacado aqui, nós utilizamos inteligência, planejamento, estratégia e muita investigação policial”, disse.

Polícia Militar

Um dos maiores prejuízos aos grupos criminosos em 2020 foi uma ação ocorrida no dia 6 de setembro, quando a Polícia Militar do Ceará (PMCE) apreendeu quatro toneladas de maconha prensada. A ocorrência foi registrada na cidade de Aquiraz, no distrito de Tapuio. O material estava em um caminhão que também foi apreendido.

“As ações da Polícia Militar do Ceará (PMCE) no combate ao tráfico de drogas no estado acontecem basicamente com patrulhamentos e abordagens nas mais variadas regiões do Estado, utilizando-se de todos os processos de policiamento ostensivos disponíveis e levando em consideração também o mapeamento criminal. Com isso, buscamos ter ações mais efetivas nas divisas com outros estados, utilizando tropas especiais da Companhia de Divisas, do Bepi e do CPChoque, sempre com orientações dos setores de inteligência. Isso contribuiu, sem dúvida, para a elevação da quantidade de drogas apreendidas pelo sistema de segurança do Estado, em 2020”, ressaltou o coronel comandante-geral da PMCE, Márcio de Oliveira.

Polícia Civil

Durante todo o ano de 2020, foram realizadas 6.411 prisões e apreensões em flagrante por tráfico de drogas. Inseridas nesses números estão as capturas realizadas pela Polícia Civil do Estado do Ceará, que tem estruturado suas ações especialmente para combater a entrada de ilícitos advindos de outros estados.

“Nós reestruturamos a Delegacia de Narcóticos (Denarc), com novos delegados e efetivos. Também tivemos a criação dos Núcleos de Combate ao Tráfico de Drogas no interior, basicamente nas Regiões Sul e Norte. Esses núcleos já se mostraram muito eficientes nas apreensões de drogas, principalmente na região do Cariri que faz divisa com algumas cidades de Pernambuco, onde existe grande movimentação de entorpecentes”, destacou o delegado geral da Polícia Civil, Marcus Rattacaso.

Em outubro, o Núcleo de Combate ao Tráfico de Drogas (NCTD) da Delegacia Regional de Juazeiro do Norte, no Cariri, apreendeu 250 quilos de maconha. O material estava separado em 266 tabletes, dois mil papelotes de cocaína, dois quilos de pasta base. Também foi apreendida uma arma de fogo e realizada uma prisão em flagrante.

Considerada a maior apreensão de drogas do ano, no Cariri, a ação foi resultado de uma investigação acerca do tráfico de drogas interestadual entre São Paulo e Ceará. Toda a droga era transportada em um ônibus clandestino.

Rattacaso aproveitou para ressaltar sobre o destino das substâncias ilícitas apreendidas, destacando que no ano passado, a Polícia Civil incinerou 6,7 toneladas de drogas. O número é superior ao total de drogas apreendidas pelas Forças de Segurança em todo o ano de 2019.

“Dentro desse contexto também merece comentar a questão da grande quantidade droga que foi incinerada aqui pela Denarc. Fruto, exatamente, do trabalho incansável de todos os operadores do Sistema de Segurança Pública, que deflagram operações que culminam nessas apreensões. Então isso é uma satisfação que se dá para a sociedade, demonstrando que essa droga, depois de apreendida e mediante autorização judicial, é incinerada e se torna imprestável para qualquer uso ou consumo”, disse.

Bombeiros dão dicas de prevenção para praticantes de kitesurf

Visando ressaltar os diversos cuidados para praticantes de esportes aquáticos, em especial os kitesurfistas, o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará (CBMCE) disponibilizou várias dicas para os praticantes do esporte. Como o kitesurf é um esporte que usa o vento como combustível, as praias do Ceará fazem bastante sucesso para os seus atletas. Por ser classificado como um esporte radical, diversas exigências visando à segurança fazem parte do dia a dia dos adeptos da modalidade.

Tecnicamente o kitesurf para ser praticado com segurança, necessita que ocorra o correto cálculo das condições de velejo, levando em consideração o peso do praticante, o tamanho da pipa e a velocidade/direção do vento. Aliás, qualquer alteração nas variáveis velocidade/direção pode trazer risco em potencial aos praticantes. É extremamente importante que cada velejador faça uma análise sobre o nível em que se encontra na prática do esporte e faça uma avaliação precisa das condições climáticas.

Em relação às condições climáticas, os bombeiros orientam que nunca se deve velejar sozinho ou quando o vento estiver off-shore (terral) sem apoio de uma embarcação. Além disso, não se deve velejar quando há a existência de nuvens carregadas.

Prática segura

O primeiro tópico relacionado é verificar o assentamento de risco que consiste em analisar o local, o ambiente e as atividades na área em que se deseja praticar o esporte. Deve-se analisar o distanciamento de obstáculos a barlavento e a sotavento, sendo necessário haver uma área de segurança de pelo menos 100 metros em todas as direções à frente do equipamento. O ambiente está relacionado com a previsão do tempo e atividade está relacionada com as demais práticas no entorno do local, tais como banhistas e embarcações.
Assentamento de risco também está relacionado com a montagem, pouso e decolagem do equipamento. De fato é importante respeitar todos os protocolos de segurança ao executar essas ações e a principal dica consiste em nunca decole/voe seu kite próximo a fios elétricos, postes, árvores ou até mesmo embarcações. Além disso, o praticante sempre deve decolar o kite mais próximo da água possível, ou seja, o velejador deve estar olhando para a água.

Equipamentos de segurança

Em relação aos equipamentos de segurança o praticante de kitesurf deve estar atento aos diversos itens. São recomendados os seguintes:
– Trapézio com alça;
– Leash de segurança;
– Faca de segurança;
– Colete de flutuação classe V (50 Nw);
– Capacete específico para esportes náuticos;

Inspeção preventiva

A inspeção preventiva é um aspecto essencial, pois visa verificar a regularidade das condições do equipamento, tais como a existência de microfuros ou rasgos no velame que possam comprometer a segurança. Além disso, é importante checar linhas e o sistema de segurança da barra, bem como o seu acionamento e devido funcionamento.
O praticante também deve verificar as condições gerais do trapézio, a exemplo das fitas e integridade do gancho e sistema de fechamento. Nas pranchas, o atleta precisa verificar os parafusos e a integralidade de bordas e quilhas, além de ter a atenção especial ao leash que deverá estar conectado na parte da frente do trapézio e em perfeitas condições de acionamento.

Procedimentos de segurança

O velejador praticante de kitesurf deverá estar atento aos procedimentos de segurança do esporte. Dentre eles vale destacar o autorresgate que deverá ser praticado em exercícios simulados regularmente. Este procedimento é de extrema importância e precisa ser incentivado no meio do kitesurf como premissa essencial de segurança. O autorresgate é o procedimento através do qual o velejador aciona o sistema de segurança (ejeta o chickloop) fazendo com que o equipamento pouse sem pressão sobre a água. A partir daí o velador recupera a barra através do leash e da linha de segurança, travando-a e enrolando as linhas na sequência, chegando até a pipa e deitado sobre o bordo de ataque. Com isso, o atleta fará um ângulo com o kite que o trará de volta para a praia em segurança. O litoral do Ceará com a condição padrão de vento lateral possui condições perfeitas para a execução desse procedimento.

O banhista sempre tem prioridade

Importante salientar que o banhista sempre tem prioridade na praia e o kitesurf deve ser praticado a pelo menos 100 metros da linha de arrebentação. O kitesurfista não deve colocar usuários da praia em risco em detrimento da prática do esporte.
Considerações gerais

Em linhas gerais, essas são as dicas e os conceitos básicos para uma prática segura do esporte. É importante dizer que nunca se deve negligenciar as condições geral de saúde e alimentar para realizar a atividade. Não apenas é importante manter boa alimentação e manter-se hidratado, mas também não se deve ingerir bebida alcoólica ou consumir drogas antes de iniciar um velejo.
Contribuição do major QOBM, Carlos André Ribeiro Costa, que é um dos idealizadores e coordenador do Projeto Kitesurf Guarda-Vidas do CBMCE. Atualmente, o oficial é o comandante da 3ª Cia/2º BBM – Quartel de Caucaia e instrutor de Kitesurf ABK e AICT IKO 2020 – Ilha do Farol.

SP confirma os três primeiros casos de contaminação com a variante amazonense do coronavírus

O Instituto Adolfo Lutz confirmou nesta terça-feira (26) as três primeiras pessoas do estado de São Paulo contaminadas com a variante amazonense do coronavírus, que tem sido apontada como um dos motivos para explosão de casos da Covid em Manaus.

O que era uma suspeita, se confirmou: a variante do Amazonas, batizada de P1, está por trás do maior número de casos hoje no estado. Os pesquisadores que estudam a nova linhagem publicaram os resultados da análise de novas amostras colhidas de pacientes de Manaus.

Em dezembro, 52,2% dos casos na capital do Amazonas foram provocados pela variante P1. Em janeiro, o número subiu para 85,4%. A presença de outras linhagens caiu de 96,3%, entre março e novembro, para 8,3%, agora em janeiro.

A imunologista Ester Sabino diz que a nova variante deve ser mais transmissível.

“Tudo indica que essa variante tem uma capacidade replicativa maior, uma capacidade de transmissão maior e, com isso, ela acaba tomando conta da epidemia e sendo a principal variante que está levando aos casos em Manaus”, disse Ester Sabino, imunologista do Instituto de Medicina Tropical-USP.

Os cientistas alertam para um desafio gigante: impedir que a variante do Amazonas se espalhe e seja a predominante no Brasil inteiro. O vírus viaja junto com os infectados. No caso do Amazonas, pelos rios, estradas e aeroportos.

Os pesquisadores do Observatório da Covid no Brasil mapearam os aeroportos do país, com base nos deslocamentos mais frequentes, antes da pandemia, para saber onde é maior o risco da contaminação pela variante do Amazonas.

As rotas mais vulneráveis são para São Paulo, nos três aeroportos do estado – Congonhas, Guarulhos e Viracopos – e também para Brasília.

Risco alto também nos voos de Manaus aos dois aeroportos do Rio: Santos Dumont e Galeão. E também Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte, Vitória, Salvador, Recife, Fortaleza, Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre.

Nesta terça-feira (26), o Instituto Adolfo Lutz confirmou os três primeiros casos em São Pulo da variante do Amazonas. A Secretaria de Saúde informou que os três contaminados tinham histórico de viagem ou residência em Manaus.

Flávia Marquitti, bióloga e matemática que participa do estudo, diz que é urgente aumentar a vigilância e o acompanhamento dos viajantes que partem do Amazonas. E também o sequenciamento genético nos outros estados, para saber aonde a variante já chegou.

“O que a gente precisa fazer agora é aumentar nossa vigilância epidemiológica e genômica. A gente tem que acompanhar quais são as variantes que estão surgindo em cada região do país. Para isso, é preciso investimento. Você não sai de uma pandemia sem investimento em ciência e sem investimento em vigilância, de qualquer forma”, explica Flávia Marquitti.

Jessé Reis, do ambulatório de medicina do viajante do Hospital Emílio Ribas, diz que as pessoas podem ajudar a evitar que a linhagem do Amazonas se espalhe ainda mais.

“Uma vez elas tenham sintomas, elas precisam comunicar rapidamente uma autoridade de saúde, precisam dizer, informar que estiveram na região Amazônica, que estiveram em Manaus, porque isso pode facilitar o isolamento dessa variante e esse indivíduo realmente precisa fazer o máximo de isolamento possível, para que evite o espalhamento do vírus dentro da sua cidade, dentro da sua região”, afirma.

O Instituto Adolfo Lutz confirmou nesta terça-feira (26) as três primeiras pessoas do estado de São Paulo contaminadas com a variante amazonense do coronavírus, que tem sido apontada como um dos motivos para explosão de casos da Covid em Manaus.

O que era uma suspeita, se confirmou: a variante do Amazonas, batizada de P1, está por trás do maior número de casos hoje no estado. Os pesquisadores que estudam a nova linhagem publicaram os resultados da análise de novas amostras colhidas de pacientes de Manaus.

Em dezembro, 52,2% dos casos na capital do Amazonas foram provocados pela variante P1. Em janeiro, o número subiu para 85,4%. A presença de outras linhagens caiu de 96,3%, entre março e novembro, para 8,3%, agora em janeiro.

A imunologista Ester Sabino diz que a nova variante deve ser mais transmissível.

“Tudo indica que essa variante tem uma capacidade replicativa maior, uma capacidade de transmissão maior e, com isso, ela acaba tomando conta da epidemia e sendo a principal variante que está levando aos casos em Manaus”, disse Ester Sabino, imunologista do Instituto de Medicina Tropical-USP.

Os cientistas alertam para um desafio gigante: impedir que a variante do Amazonas se espalhe e seja a predominante no Brasil inteiro. O vírus viaja junto com os infectados. No caso do Amazonas, pelos rios, estradas e aeroportos.

Os pesquisadores do Observatório da Covid no Brasil mapearam os aeroportos do país, com base nos deslocamentos mais frequentes, antes da pandemia, para saber onde é maior o risco da contaminação pela variante do Amazonas.

As rotas mais vulneráveis são para São Paulo, nos três aeroportos do estado – Congonhas, Guarulhos e Viracopos – e também para Brasília.

Risco alto também nos voos de Manaus aos dois aeroportos do Rio: Santos Dumont e Galeão. E também Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte, Vitória, Salvador, Recife, Fortaleza, Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre.

Nesta terça-feira (26), o Instituto Adolfo Lutz confirmou os três primeiros casos em São Pulo da variante do Amazonas. A Secretaria de Saúde informou que os três contaminados tinham histórico de viagem ou residência em Manaus.

Flávia Marquitti, bióloga e matemática que participa do estudo, diz que é urgente aumentar a vigilância e o acompanhamento dos viajantes que partem do Amazonas. E também o sequenciamento genético nos outros estados, para saber aonde a variante já chegou.

“O que a gente precisa fazer agora é aumentar nossa vigilância epidemiológica e genômica. A gente tem que acompanhar quais são as variantes que estão surgindo em cada região do país. Para isso, é preciso investimento. Você não sai de uma pandemia sem investimento em ciência e sem investimento em vigilância, de qualquer forma”, explica Flávia Marquitti.

Jessé Reis, do ambulatório de medicina do viajante do Hospital Emílio Ribas, diz que as pessoas podem ajudar a evitar que a linhagem do Amazonas se espalhe ainda mais.

“Uma vez elas tenham sintomas, elas precisam comunicar rapidamente uma autoridade de saúde, precisam dizer, informar que estiveram na região Amazônica, que estiveram em Manaus, porque isso pode facilitar o isolamento dessa variante e esse indivíduo realmente precisa fazer o máximo de isolamento possível, para que evite o espalhamento do vírus dentro da sua cidade, dentro da sua região”, afirma.

Fonte: G1