Sadio Mané ganha Onze D’Or, prêmio de revista francesa para melhor da temporada na Europa

O atacante senegalês Sadio Mané, do Liverpool, desbancou favoritos e foi anunciado nesta terça-feira como ganhador do Onze D’Or, prêmio dado pela revista francesa Onze Mondialdesde 1976 ao melhor jogador da temporada na Europa. Sucede e supera o argentino Messi, do Barcelona, eleito em 2017/18 pelos leitores e maior vencedor do troféu, em quatro anos – outro que ficou para trás nos mais de 200 mil votos do pleito foi Mbappé, do Paris Saint-Germain. Entre os técnicos, o escolhido foi também do time que levou a Liga dos Campeões, o alemão Jürgen Klopp.

É a primeira vez desde 2004 que um africano leva a premiação. O último ganhador foi o atacante Drogba, na época no Olympique de Marselha.

Cinco brasileiros estão na galeria de vencedores do Onze D’Or: Romário (1994), Ronaldo (1997 e 2002), Rivaldo (1999), Ronaldinho Gaúcho (2005) e Kaká (2007), último do país a aparecer entre os três primeiros.

Fonte: Globo esporte

Jornal: Sporting mostra interesse na contratação de Cristiano Ronaldo… Junior

Formado nas categorias de base do Sporting, Cristiano Ronaldo pode voltar a ter uma relação próxima com o clube português. Segundo o jornal “Correio da Manhã”, a equipe lisboeta está interessada na contratação do Cristiano Ronaldo Junior, de oito anos e que joga nas categorias de base da Juventus, time do pai.

De acordo com a publicação, dirigentes do Sporting já teriam iniciado conversas com Cristiano e Dolores Aveiro, avó do menino e que faz o papel de mãe, uma vez que Cristiano Ronaldo entrou em um acordo com a mãe do garoto para que criasse o filho sozinho e para que a mulher jamais revelasse sua identidade publicamente.

Recentemente, o “Robozinho” marcou 19 gols em cinco partidas num torneio disputado da Ilha da Madeira, em Portugal.

Cristiano Ronaldo jogou 31 partidas e anotou cinco gols com a camisa do Sporting, que o vendeu para o Manchester United em agosto de 2003.

Fonte: Globo esporte

Advogado da modelo que acusa Neymar abandona caso

polêmico caso em que Neymar se viu envolvido depois de ter sido acusado de estupro por Najila Trindade Mendes de Souza continua dando muito que falar. Agora, o advogado Danilo Garcia de Andrade, que representava a suposta vítima, decidiu abandonar o caso.

Em entrevista ao site ‘G1’, Danilo justificou a sua decisão: Jamais advogaria para alguém que colocasse a minha integridade em questão. Jamais participaria de qualquer ilicitude para lograr proveito econômico de quem quer que seja. Acredito na boa advocacia, nos valores da moral e da boa conduta”, disse.

“Como advogado, vezes estamos pela vítima, vezes estamos pelo cliente, contudo, a opinião pública deve ser esclarecida, que a pessoa do advogado não é a pessoa de seu cliente”, completou.

Vale lembrar que no último fim de semana, o advogado já tinha ameaçado tomar esta decisão se a sua cliente não mostrasse o vídeo completo (que consta ter sete minutos) que registra um encontro com Neymar e cuja parte foi entretanto revelada. Najila afirmou não poder mostrar as imagens em questão, uma vez que o tablet onde estaria a gravação teria sido furtado de sua casa em São Paulo. Este foi o segundo advogado a desistir da defesa de Najila.

Fonte: Noticias ao minuto

Aguilar diz que protestos da torcida santista ‘não surpreenderam’

O clima de protesto antes, durante e depois do triunfo do Santos por 3 a 1 sobre o Atlético Mineiro, domingo, na Vila Belmiro, não surpreendeu o zagueiro Felipe Aguilar. No clube desde o início do ano, o zagueiro colombiano citou a sua passagem pelo Atlético Nacional como natural após o time ter sido eliminado da Copa do Brasil pelo mesmo rival, dias antes. Além disso, garantiu o elenco focado na sequência da Série A, independentemente do clima externo.

“Não me surpreendeu. Joguei no maior clube da Colômbia, o Atlético Nacional. A torcida é exigente, protesta, reclama e está no seu direito. Não fomos eliminados porque queríamos, são coisas do jogo, mas já passou. A vitória foi importante para seguirmos na única competição que temos no ano e é nisso que estamos concentrados a partir de agora”, disse.

A expectativa é para que o clima seja mais leve e que as arquibancadas da Vila Belmiro estejam mais cheias na quarta-feira, no clássico contra o Corinthians, após o estádio receber menos de 6 mil pessoas no domingo. Aguilar destacou a importância de o Santos contar com o estádio cheio, mas prometeu que haverá empenho sob qualquer cenário.

“Se os torcedores nos acompanharem, é importante ter apoio, a Vila cheia. Mas se a decisão deles é seguir protestando no estádio, nada muda para nós. Com muita ou pouca torcida, temos obrigação de competir e ganhar”, comentou.

O triunfo sobre o Atlético-MG colocou o Santos na vice-liderança do Brasileirão, com 17 pontos, a dois do Palmeiras, que não teve os pontos de triunfo sobre o Botafogo contabilizados. Após o técnico Jorge Sampaoli declarar que não acredita na conquista do título nacional, Aguilar admitiu quer será mesmo difícil, mas evitou “jogar a toalha” com apenas oito rodadas disputadas.

“Vai ser possível na medida que a equipe se mantenha na ponta da tabela. É um torneio muito competitivo, com sete ou oito equipes que são referências no mundo. Temos de ser constantes durante todo o torneio para sonhar com esse título. Mas que é difícil, é”, concluiu.

Fonte: Noticias ao minuto

Cinco mil argentinos não podem entrar no Brasil para Copa América

Reunião nesta terça-feira entre os responsáveis pela área de segurança da Copa América vai definir detalhes sobre a proibição da entrada de torcedores considerados violentos, os chamados “barra bravas”, nos estádios brasileiros durante o torneio. Uma lista com dados de 5 mil argentinos já foi entregue pelo Ministério da Segurança do país vizinho às autoridades e esses torcedores estão impedidos de entrar no Brasil e, consequentemente, de ir aos jogos da Copa América.

O banco de dados dos torcedores violentos inclui até a biometria dos barra bravas. “Câmeras serão instaladas nas catracas de entrada dos estádios para que a gente possa fazer o monitoramento”, explicou César Saad, delegado de polícia responsável pela segurança da Copa América em São Paulo.

O envio da lista com os dados dos torcedores brigões faz parte de um intercâmbio de informações entre as forças de segurança dos dois países assinado no mês passado. Os barras bravas são considerados um ponto crítico para a segurança da Copa América. Por isso, o policiamento será reforçado nas fronteiras do Rio Grande do Sul com Uruguai e Argentina.

Agentes policiais dos 12 países participantes do torneio ficarão baseados no Centro de Comando e Controle da Polícia Federal. O grupo reunirá especialistas dos setores de Imigração, Repressão a Drogas e Facções Criminosas.

A abertura da Copa América será na sexta-feira, entre Brasil e Bolívia, no estádio do Morumbi. A previsão é de que o presidente Jair Bolsonaro e o governador João Doria assistam à partida nos camarotes ao lado de chefes de Estado e autoridades da Fifa e também da Conmebol.

A Copa América terá 26 jogos em seis estádios de cinco capitais entre 14 de junho e 7 de julho. São Paulo vai receber seis partidas, três no Morumbi e três na Arena Corinthians. Cada jogo deverá ter 800 agentes de segurança (500 da Polícia Militar, 200 da Polícia Civil e 100 da Guarda Civil Metropolitana). O esquema será o mesmo da Copa do Mundo de 2014. Para efeito de comparação, normalmente 400 homens trabalham em dias de clássico entre clubes no Estado.

Fonte: Noticias ao minuto

Lava Jato: Braskem paga R$ 265 milhões para Petrobras

Petrobras informou que recebeu da empresa petroquímica Braskem, braço do grupo Odebrecht, o valor aproximado de R$ 265 milhões, resultado do acordo de leniência firmado com a Controladoria-Geral da União (CGU) e a Advocacia-Geral da União (AGU).  A Brasken é investigada no âmbito da Operação Lava Jato.

A Braskem já devolveu R$ 564 milhões à Petrobras. Desse total, R$ 363 milhões foram pagos no dia 7 de dezembro de 2017 e R$ 201 milhões em 8 de agosto de 2018. Nesse caso, foi em consequência de acordo de leniência firmado com o Ministério Público Federal (MPF). Até agora, as devoluções da Braskem somam aproximadamente R$ 828 milhões.

Segundo a Petrobras, o montante de recursos transferidos em decorrência dos acordos de colaboração, acordos de leniência e repatriações, realizados em decorrência da Operação Lava Jato ultrapassa R$ 3,5 bilhões.

“A Petrobras reafirma seu compromisso de seguir adotando as medidas cabíveis, em busca do adequado ressarcimento dos prejuízos decorrentes dos ilícitos praticados”, informou a estatal em nota.

Com informações da Agência Brasil

Fonte: Noticias ao minuto

Vazamento é para parar reforma, sugere Guedes

ministro da Economia, Paulo Guedes, sugeriu ontem que o vazamento de conversas entre o ministro da Justiça, Sergio Moro, quando ainda era juiz federal e a força-tarefa da Operação Lava Jato foi feito para prejudicar a tramitação da reforma da Previdência. “Não é coincidência que estoura essa bombinha toda hora. Toda hora estoura uma vendo se paralisa a marcha dos eventos”, disse.

Guedes participou da reunião do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) a convite da entidade. O compromisso, porém, não constava na agenda do ministro. Sua presença só foi informada oficialmente perto do fim da palestra.

O ministro falava do excesso de gastos do governo e que a Previdência é hoje o principal componente dessa despesa. Em seguida, ele disse que os gastos previdenciários são o “grande buraco negro” que ameaça engolir o País “antes de terminar essa palestra”.

Guedes começou então a enumerar episódios que ameaçaram as negociações pela reforma da Previdência, entre eles a divulgação de áudios do então presidente Michel Temer com o empresário Joesley Batista (a partir da qual foram acusados de negociar o silêncio do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha sobre atos de corrupção) e as denúncias contra “o filho de Bolsonaro” – o ministro não mencionou qual deles.

O primogênito, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), é alvo de investigação após o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) detectar movimentações suspeitas de recursos na conta de assessores de Flávio, na época deputado estadual no Rio de Janeiro. O caso foi revelado pelo jornal ‘O Estado de S. Paulo’.

Em seguida, Guedes cita que “hoje é o do Moro”, referindo-se ao episódio do vazamento das conversas entre Moro e integrantes do Ministério Público Federal, como o procurador da República Deltan Dallagnol, pelo site The Intercept Brasil.

Encontro. O presidente da Comissão Especial da reforma, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), disse em sua conta no Twitter que dedicará todo o dia de hoje para “tentar blindar a reforma da Previdência dos últimos acontecimentos”. Os governadores devem se reunir hoje na tentativa de manter os Estados ao alcance da proposta. O relator, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), também deve participar do encontro.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Noticias ao minuto

Trump diz que se México não cumprir acordo, ficará sujeito a tarifas

presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou hoje que se o México não cumprir o acordo que fechou com Washington na semana passada, voltará a ficar sujeito a tarifação da Casa Branca.

“Assinamos…outra parte muito importante do acordo de Imigração e Segurança com o México”, comentou Trump em sua conta oficial no Twitter.

Segundo Trump, o acordo será revelado “no futuro não muito distante” e precisará ser votado no Congresso mexicano. “Não esperamos que haja problemas com a votação, mas, se por qualquer motivo não vier a aprovação, as tarifas serão restabelecidas”, alertou o presidente.

O acordo entre Washington e México, anunciado na sexta-feira (07), evitou que os EUA impusessem tarifas de 5% a todos os produtos mexicanos a partir de hoje. O plano de Trump era elevar as tarifas gradualmente nos próximos meses, até o patamar de 25%.

Fonte: Noticias ao minuto

Empresa responsável pela Expocrato esclarece dúvidas sobre o evento durante sessão ordinária, em Crato

Durante sessão ordinária na última segunda-feira (10) os vereadores cratenses receberam a presidente do Instituto Fibra Cariri, Isabel Cristina Moura dos Santos, para falar sobre fibromialgia, síndrome que provoca dores por todo o corpo por longos períodos. A sessão foi presidida pelo vereador Fernando Brasil(PP). Na ocasião, estava em pauta o projeto do vereador Dr. Renan (PATRIOTAS), que concede atendimento prioritário aos pacientes com esta síndrome. 

Os parlamentares também receberam a visita da diretora do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos em Serviços de Saúde no Estado do Ceará (SindSaúde-CE) Márcia Vieira, ela reivindicou o direito a insalubridade aos auxiliares de saúde bucal, ressaltando que na semana passada, os demais profissionais da saúde foram contemplados com 25% de insalubridade e os auxiliares não foram contemplados com a mesma porcentagem.

 Ainda durante a sessão, o Sr. João Carlos Diógenes Parente, coordenador da empresa Multi Entretenimento, organizadora do Festival ExpoCrato, compareceu após convite do vereador Amadeu de Freitas (PT) para esclarecer alguns pontos sobre o evento, em especial, os valores do Imposto Sobre Serviço (ISS) recolhidos em 2018.

João Carlos afirmou que o evento arrecadou diretamente mais de R$230.000 além dos impostos destinados à prefeitura que não passam pela empresa. No setor de hotelaria, segundo ele, foram quase R$400.000. O coordenador afirmou também que será feito um estudo socioeconômico para entender a representatividade do evento para o município. Ele ressaltou a nacionalização que está sendo feita na ExpoCrato com novos atrativos para o público, como a gravação do DVD de Gusttavo Lima, por exemplo.

 

Polícia Rodoviária Estadual divulga balanço positivo de operações durante os Festejos de Santo Antônio

Por Rafael Pereira/Agência News Cariri

A Polícia Rodoviária Estadual (PRE), em parceria com o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-Ce) realizaram operações de blitz em sete dias em que abordaram 764 veículos com notificações em 121 e apreensão de 16 veículos no trecho da Avenida Padre Cícero, que liga Crato a Barbalha.

As apreensões de veículos durante a operação foram realizada entre os dias 31 de maio a 07 de junho (última sexta-feira) nos horários de 20:00 até 2 h da madrugada. O relatório foi feito pelo próprio Dentran e obtido com exclusividade para o site News Cariri.

O relatório mostra que o maior número de infrações cometidas por condutores ocorreu na última terça-feira (04) com 30 infrações, 158 veículos abordados e 6 apreendidos pela operação. O menor número de infrações ocorreu no domingo (02/06) com 22 infrações cometidas por condutores, 150 veículos abordados e somente 2 veículos apreendidos.

Haja vista que esses dias fazem parte do período da Festa de Santo Antônio de Barbalha onde aumentam o fluxo de veículos na Avenida Padre Cícero.

Governo Bolsonaro revê programa de redução de mortes no trânsito

O governo Jair Bolsonaro decidiu rever o Plano Nacional de Segurança do Trânsito (Pnatrans), um programa que foi discutido ao longo de oito anos e foi sancionado, por meio de projeto de lei, em janeiro de 2018. O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) afirma que a revisão se dará para “realinhamento de metas”, sem dar mais detalhes. A decisão de interromper as ações em andamento é anterior à de propor projeto de lei que afrouxa regras do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), apresentado ao Congresso na terça-feira passada, 28.

A partir deste ano, com base em indicadores já colhidos ao longo do ano passado, o governo federal deveria propor metas de redução de acidentes para os 26 Estados e o Distrito Federal. A lei dizia que o País deve reduzir o total de mortes no trânsito em 50% na próxima década.

A presidente da Associação Nacional dos Detrans (AND), Larissa Abdalla Britto, do Departamento Estadual de Trânsito do Maranhão (Detran-MA), destaca que, diferentemente do Pnatrans, que vinha sendo discutido há anos, o projeto do presidente foi enviado à Câmara sem nenhuma discussão com os órgãos estaduais. “Estamos atônitos”, diz. Na sexta, o órgão divulgou nota com críticas às medidas.

O Pnatrans começou a ser discutido em 2010, ainda na gestão Lula, e foi alvo de debates que percorreram a gestão Dilma Rousseff e resultaram em um projeto de lei aprovado e sancionado pela gestão Michel Temer, em janeiro do ano passado. A lei estabelece que o País deveria adotar ações para reduzir as mortes do trânsito em 50% até 2028. Em 2016 (dado mais recente, do Ministério da Saúde), houve 37 mil mortes no trânsito do Brasil.

O destaque é que, para atingir essa meta, o País precisaria primeiro construir ferramentas para quantificar os acidentes de trânsito, o que atualmente não existe, mas chegou a ser feito ainda na gestão Temer. Essa ferramenta, entretanto, não está acessível pelos Detrans.

“O País é uma colcha de retalhos. Temos os dados de cada uma das secretaria de segurança dos Estados, da Polícia Rodoviária Federal e ainda do Ministério da Saúde. Todos eles têm dados sobre acidentes e mortes no trânsito. Mas são dados diferentes, que muitas vezes até se contradizem”, diz Larissa, ao explicar a importância do plano.

As metas a serem estabelecidas seriam acompanhadas a partir da variação das estatísticas que esse mapa iria fornecer.

Larissa aponta ainda que a criação de metas por Estado, individuais, serviria para adequar o plano às realidades das diferentes regiões do País. Elas seguiriam critérios como população e frota de motocicletas (que, estatisticamente, são o meio de transporte mais letal e têm presença maior em relação ao total de habitantes no nordeste).

A ferramenta foi anunciada em outubro passado. Entidades como a fabricante de cervejas Ambev, que reserva verba para ações ligadas ao trânsito (diante da relação entre álcool e acidentes) firmou parceria com o então Ministério das Cidades para a viabilizar a coleta de dados. A consultoria Falconi, que faz a coleta dos dados no Estado de São Paulo (no sistema chamado Infosiga) foi quem criou a metodologia da coleta das informações.

Em janeiro, entretanto, o Ministério das Cidades, que tinha Denatran sob seu guarda-chuva, foi extinto. O órgão foi realocado no novo Ministério da Infraestrutura. A divulgação das metas por Estado e a coleta mensal dos dados não começou a ser feita.

“Há uma série de problemas nessa área no País. Nós ficamos discutindo o tema por oito anos, depois da conferência de Moscou da ONU (Organização das Nações Unidas) para o trânsito, que propôs ações para a redução das mortes no trânsito. Se tivéssemos iniciado isso (ações para redução de mortes) há seis anos, como já estaríamos hoje?”, questiona o diretor-presidente do Observatório Nacional do Trânsito, José Aurelio Ramalho.

Ramalho destaque que o País tem três planos de ação já discutidos, às vésperas de implementação: a educação para o trânsito nas escolas (já há até material didático aprovado para uso nas escolas), melhorias na formação dos condutores e uma agência nacional de trânsito, para padronizar as ações de Detrans e órgãos estaduais de trânsito. Sua entidade, que organiza o chamado Maio Amarelo, mês de conscientização sobre o trânsito, enviou ofícios no fim do ano passado ao então presidente eleito para informá-lo das ações.

“No País, 75% dos municípios não têm o trânsito municipalizado”, diz, ao destacar a criação da agência nacional como outro ponto vital para ações coordenadas para salvar vidas tenham êxito.

O jornal O Estado de S. Paulo pediu entrevista com o diretor presidente do Denatran, Jerry Adriani Dias, mas não teve resposta. Por meio da assessoria de imprensa, o órgão informou que a revisão do plano seria “para realinhamento das metas e ações necessárias para redução do número de mortes decorrentes de acidentes de trânsito”.

A Ambev informou que firmou parceria em 2018 com o Ministério das Cidades e com outras entidades para “fazer um estudo para auxiliar a unificação do diagnóstico da segurança viária no Brasil, identificando as principais causas dos acidentes de trânsito”. “Esse trabalho foi concluído em outubro de 2018”, diz o texto.

Já a consultoria Falconi disse que “poderá se pronunciar assim que tomar conhecimento de possíveis mudanças no projeto”. “A empresa também afirma que está à disposição do Governo Federal para auxiliar em eventuais alterações que reduzam a quantidade de mortos e feridos no trânsito”, afirma o texto.

 Fonte: Noticias ao minuto

Rio está sem inseticida para combater dengue, chikungunya e zika

estado do Rio de Janeiro está com falta de inseticidas utilizados no controle de mosquitos Aedes Aegypti adultos, transmissores da zika, da chikungunya e da dengue. A normalização do estoque depende de repasse dos inseticidas pelo Ministério da Saúde, que são comprados por meio de licitação internacional.

As informações foram divulgadas pelo superintendente de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Mário Sérgio Ribeiro, durante audiência pública da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). “Nossa expectativa é que os números de casos diminuam com a chegada do inverno para não termos que depender tanto dos inseticidas”, disse.

Ribeiro apresentou dados atualizados da Secretaria de Estado de Saúde das arboviroses. Entre janeiro e 4 de junho deste ano, houve 41.888 casos de chikungunya, 20.622 casos de dengue e 1.005 pessoas infectadas por zika. Ao todo, 13 pessoas morreram, todas vítimas da chikungunya, sendo 10 no município do Rio.

A presidente da Comissão de Saúde da Alerj, deputada Martha Rocha (PDT), declarou estar preocupada com a situação. “Temos um diagnóstico alarmante. Já foram 13 mortes por chikungunya este ano, sendo que os especialistas ainda afirmam que a doença não é totalmente conhecida. Também há constantes falhas no diagnóstico e agora a notícia do desabastecimento de inseticidas. Vejo dias muito difíceis no setor de saúde estadual”, disse.

O deputado Márcio Gualberto (PSL) disse ser necessária uma melhor campanha de conscientização da população. “É preciso mudar a cultura para que a população faça a prevenção contra o mosquito dentro de casa, não deixando água parada, entre outras ações. Também acho que deva ter uma maior integração entre os poderes públicos municipais, estadual e federal para superarmos as epidemias”, disse.

Em uma nota informativa divulgada no dia 30 de maio, o Ministério da Saúde informou que a  Secretaria de Vigilância em Saúde está trabalhando na tentativa de minimizar os problemas causados pela falta do inseticida. Segundo a nota, devido ao desabastecimento, que atingiu não apenas o Rio de Janeiro mas também outras unidades da Federação, houve a tentativa de empréstimo do inseticida com outros países da América do Sul, mas não havia disponibilidade do produto.

“Dessa forma, devido o desabastecimento, reforça-se a necessidade da intensificação das ações de rotina visando diminuir a transmissão de casos, com a realização de visita casa a casa, resgate de imóveis pendentes, mobilização da população e mutirões de limpesa. As ações de controle vetorial devem ser planejadas para serem executadas de forma permanente, promovendo a articulação sistemática com todos os setores do município (educação, sanemaneto, limpeza urbana, etc)”, informa a nota.

De acordo com dados divulgados pelo ministério, o estado do Rio recebeu 17.800 litros de inseticida para combater o Aedes Aegypti  ao longo do ano de 2018 e 4.800 litros até o dia 30 de abril.

Com informações da Agência Brasil

Fonte: Noticias ao minuto