Programação especial comemora os 119 anos de Campos Sales

Por Ronuery Rodrigues / Papo Reto

O aniversário de 119 anos de Emancipação Política de Campos Sales, comemorado neste domingo dia 29, promete movimentar o Cariri Oeste, nesse final de semana. Para celebrar a data, a Prefeitura Municipal preparou uma programação especial que conta com diversas atrações musicais.  O Camp Fest, ocorre de 26 a 29 de julho e é uma oportunidade para reencontrar parentes e amigos na cidade.

DESTAQUE HISTÓRICO

No município se encontra o túmulo de D. Bárbara Pereira de Alencar, revolucionária da Revolução Pernambucana de 1817 e da Confederação do Equador. A ” Heroína” é  mãe do político Tristão Gonçalves e avó do escritor José de Alencar.

Para Nathan Lima,campossalesense que reside em Crato, o Campfest é um momento de reencontro com familiares e conterrâneos vindos dos mais diversos lugares, e acima de tudo um momento de celebração pelos 119 anos do nosso querido município que vem mostrando o seu potencial e se consolidando como cidade pólo do Cariri Oeste”, destaca.

PROGRAMAÇÃO

*Nessa quinta-feira, 26 – subiu ao palco Vicente Nery; Devinho Novaes;  Avine Vinny  e Thales Lessa.

Sexta-feira,27– Leonel do Acordeon; Fernando Alencar; Opção Musical ; Taty Girl  e Fábio Carneirinho

Sábado,28 – Orquestra Lauro Honorato; Luan Estilizado; Érica Diniz e  Namoro Novo

Domingo, 29–  Forró de Ouro; Eric Land ;Gil Mendes;  Forró Real e Italo e Renno

Produtores de algodão lucram com a venda de oito toneladas de pluma em Várzea Alegre

Na última quinta-feira, 27, o secretário de Desenvolvimento Agrário e Econômico de Várzea Alegre, Cícero Izidório, e os técnicos da secretaria, Hugo Fiúza e Francisco Junior, estiveram viabilizando a logística para carregamento de dois caminhões com algodão, pertencente a usina Rufino de Acopiara.

Segundo o Secretário, foram vendidas as primeiras toneladas de algodão produzidas em Várzea Alegre a partir do projeto de revitalização da cotonicultura neste município, através do Projeto Ouro Branco, em parceria com Universidade Federal do Cariri – UFCA, EMBRAPA Algodão e parceiros municipais.

Segundo Cícero Izidório, ainda serão realizados os cálculos finais da produção. “Os cálculos finais ainda serão fechados, porém, podemos afirmar a viabilidade econômica com a produção de algodão, vendo como parâmetro o plantio de três tarefas pelos agricultores Valdivan Bezerra de Oliveira e Chico de Senhor, no sítio Vacaria que produziu 145 arrobas, 2.175 quilos em menos de um hectare”, disse.

O prefeito Zé Helder (MDB), garantiu apoio ao projeto de revitalização da cultura do algodão através da secretaria de Desenvolvimento Agrário com assistência técnica aos agricultores, distribuição gratuita de sementes e preparo do solo através do programa Terra Trabalhada.

Venda do produto

O algodão produzido em Várzea Alegre foi vendido à Algodoeira e Agropecuária Rufino LTDA (Usina Rufino), do município de Acopiara.

A usina compra o produto ao preço de R$ 28,00 a arroba de 15 quilos e ainda fornece aos agricultores os sacos de estopa para embalagem e transporte do produto.

Assessoria de Comunicação

Nova Olinda-CE pode receber instalação de Caixa 24 horas para beneficiar população

Por Agência News Cariri

Em breve a cidade de Nova Olinda-CE pode estar recebendo um Caixa 24 horas para beneficiar a população. O Prefeito Afonso Sampaio esteve em uma reunião nesta última quarta-feira, dia 25,  com várias outras autoridades a fim de discutir sobre essa instalação.

Na ocasião estiveram presentes a Chefe de gabinete Tereza Cristina, os secretários, Amoniza Miranda, Ana Carolina Leite e  Alberto Calisto, além do gerente do Banco do Brasil com agencia em Nova Olinda, Messias Chaves e a representante Regional do  Banco do Brasil Cristina Sampaio.

Em um ato de responsabilidade, o gestor mostrou que quer que essa instalação ocorra logo. “Temos que ser breve e trabalharmos em parceria para que possamos, em um menor tempo possível, beneficiar as famílias Novolindenses com esse equipamento”, disse ele.

 

Prefeitura de Juazeiro do Norte se prepara para recepcionar o Rally dos Sertões

O Prefeito de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra, reuniu-se na manhã desta quinta-feira, 26, com os Secretários Municipais, representante da Guarda Civil Municipal, Departamento Municipal de Trânsito e Corpo de Bombeiros, para discutir propostas de acolhimento do Rally dos Sertões. O evento terá início no dia 15 de agosto, em Goiânia – GO, e chegará em Juazeiro do Norte no dia 24, seguindo até Fortaleza CE, onde se encerra a prova no dia 25.

O projeto de recepção do Rally dos Sertões foi apresentado pelo Secretário Turismo e Romaria (Setur), Junior Feitosa, que está na coordenação da ação. “Para este evento acontecer de forma bem-sucedida será necessário o apoio de todas as pastas, haja vista que o Rally precisa de reforço na segurança pública, que a cidade esteja bem iluminada para a prova, que seja feito uma coleta de resíduos de forma intensificada, e deve haver ambulância e equipe médica de plantão”, explica.

Uma programação cultural diferenciada foi sugerida pelo Prefeito Arnon Bezerra, com cantores locais, feira de artesanato ou de comidas típicas, para valorizar nossa identidade durante o Rally dos Sertões. Como a Rua São Pedro, está dentro do percurso da prova, será feito um trabalho junto ao comércio, para auxiliar na acolhida à caravana.

Esta será a 26ª edição do Rally dos Sertões, uma das maiores provas da categoria no mundo. Oito dias de desafio, percorrendo ao todo 3.530km. Juazeiro do Norte se prepara para recepcionar a caravana. Nos próximos dias cada secretaria organizará um plano de ações para o evento. “O comprometimento de todos é necessário para que o evento fortaleça o Município, e tornando Juazeiro do Norte referência para o Brasil e o mundo”, acrescenta Junior Feitosa.

Reunião com o Sistema S

Na tarde desta quinta-feira, 26, representantes do Sesc e Senac participaram de reunião na Setur, onde foi apresentado o projeto de recepção do Rally dos Sertões. Na oportunidade, as entidades firmaram parceria, para apoiar a Prefeitura Municipal na recepção dos competidores.

Com Informações da Assessoria de imprensa

Vigilância Sanitária do Crato auxilia trabalho de vistoria do Conselho Regional de Educação Física

O setor de Vigilância Sanitária e Ambiental (VISA) do Crato acompanhou durante o dia de ontem, 26, uma fiscalização junto com o Conselho Regional de Educação Física da 5ª Região (Cref-5/CE). Tal inspeção do Cref-5/CE se propõe a checar se as academias desportivas do município, verificando a documentação, a atuação de profissionais habilitados, bem como normas e procedimentos de acordo com a lei.

Segundo a Tecnóloga de Saneamento Ambiental, Yunara Leal, a VISA avalia as condições higiênico sanitárias e também a questão do alvará de funcionamento. “Caso o alvará não esteja em dia e as condições do local estejam adequadas, faremos o termo de liberação da licença sanitária”, destaca.

O profissional da área de Educação Física tem por objetivo promover a saúde das pessoas através da prática de atividades físicas. Seu trabalho consiste em acompanhar e orientar as pessoas durante a prática de esportes ou exercícios físicos.

O trabalho da vigilância sanitária é garantir a promoção da saúde à população, por meio de ações capazes de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde, intervindo em todo tipo de problema sanitário que possa afetar a relação entre meio ambiente, produção e circulação de bens e prestação de serviços à comunidade.

Na oportunidade, os fiscais do Cref-5/CE agradeceram a parceria com o município, e que segundo eles, está sendo bastante construtiva para as instituições. Durante a fiscalização, foram visitadas cerca de 25 academias desportivas.

Com Informações da Assessoria de imprensa

Estradas vazias favorecem ataques a carros-fortes no Nordeste, diz associação

O Nordeste concentra o maior número de ataques a carros-fortes nos últimos três anos no Brasil. Foram 34 casos na região em 2016, 56 ações em 2017 e 46 ocorrências apenas nos seis primeiros meses de 2018.

Os números são de um levantamento feito pelo G1com base em dados da Associação Brasileira de Transporte de Valores (ABTV) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores de Segurança Privada (Contrasp).

Nordeste do Brasil é região com maior número de ataques a carro-forte em 2018

Nordeste do Brasil é região com maior número de ataques a carro-forte em 2018

Essa modalidade criminosa, de atacar carros-fortes no Nordeste, está sendo chamada de “novo cangaço”, numa alusão ao histórico bando de Lampião, que levava o terror a algumas cidades do sertão nordestino (leia mais abaixo).

Os estados da Bahia, do Ceará e de Pernambuco são os que mais concentraram ataques neste ano.

Ataques a carros-fortes no Nordeste ao longo de três anos (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)

Ataques a carros-fortes no Nordeste ao longo de três anos (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)

A Associação Brasileira de Transporte de Valores informa que a explicação para o Nordeste registrar a maior parte dos ataques está nas estradas esburacadas em regiões inóspitas, praticamente sem fiscalização. Tendo de percorrer grandes distâncias em velocidades mais baixas, os carros-fortes se tornam alvos fáceis para quadrilhas que bloqueiam rodovias e explodem os veículos para roubar dinheiro.

“Há dez anos havia ataques em grandes centros urbanos. Hoje em dia, eles estão ocorrendo especialmente no interior do Nordeste e nas estradas do sertão nordestino, que têm más condições de rodagem, e os carros têm de circular numa velocidade mais baixa”, diz Ruben Schechter, presidente da ABTV. “Isso fragiliza a ação de transportes de valores e facilita a ação dos criminosos”.

Ainda segundo Schechter, as empresas têm de atender locais a grandes distâncias porque “não contam com bases operacionais”.

De acordo com José Vicente da Silva Filho, consultor em segurança pública, o principal motivo para esse aumento no Nordeste “é que o criminoso quer o dinheiro vivo, e o dinheiro vivo está nos veículos de transporte de valores”. E por isso a “ação é um pouco mais espetaculosa, em termos de armamento pesado”.

“É fácil pegar o dinheiro, é fácil encurralar um veículo de transporte de valores, é fácil retirar os vigilantes, ameaçando”, ressalta Silva Filho

João Soares, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores de Segurança Privada, reforça a mesma visão: de que o valor transportado chama a atenção dos criminosos. “O valor é muito alto que transportam nos carros-fortes, e isso desperta a atenção do bandido. A gente precisa diminuir isso, negociar com as empresas “, fala Soares.

Armas de grosso calibre apreendidas com suspeitos de integrar quadrilha especializada em assalto a carros-fortes e instituições financeiras (Foto: Divulgação/PM)

Armas de grosso calibre apreendidas com suspeitos de integrar quadrilha especializada em assalto a carros-fortes e instituições financeiras (Foto: Divulgação/PM

Já Gilberto Santos, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Carro Forte, Transporte de Valores e Escolta Armada do Estado da Bahia, também relata que a situação da segurança nas estradas, principalmente a do seu estado, não é a ideal.

“Percorremos longos trajetos e, em muitos deles, não encontramos sequer um agente. Saímos para as estradas com medo, pois não sabemos se vamos retornar”, conta Santos.

‘Novo cangaço’

Para o consultor em segurança Silva Filho, as quadrilhas conhecidas como “novo cangaço” se baseiam em ações com “grupos criminosos que atacam cidades pequenas” no sertão nordestino.

Segundo ele, que já foi secretário Nacional de Segurança Pública e é ex-coronel da Polícia Militar (PM) de São Paulo, esse é um problema que é muito antigo no Nordeste.

De acordo com relatos policiais e de testemunhas, as ações ocorrem de forma extremamente violenta: mais de dois veículos interceptam o carro-forte e deles saem criminosos carregando armas de grosso calibre e explosivos – fuzis, submetralhadoras, pistolas, coletes balísticos e grande quantidade de munições.

Às vezes, os bandidos só abrem o porta-malas do veículo, ainda em movimento, e começam a atirar contra o carro-forte. Em outras ações, fazem furos nos vidros, onde apoiam as armas.

Carro forte explodido entre Campina Grande e João Pessoa (Foto: Walter Paparazzo/G1)

Carro forte explodido entre Campina Grande e João Pessoa (Foto: Walter Paparazzo/G1)

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) da Bahia informa que essa modalidade de ataques, conhecida por ‘novo cangaço’, começou há mais de 15 anos, primeiramente contra bancos.

“No novo cangaço, a forma de atuar muda: os bandidos pararam de assaltar as instituições com armas, rendendo pessoas, e passaram a usar explosivos”, informa a SSP da Bahia.

Segundo o órgão, em algumas situações desta mesma modalidade, uma parte do grupo segue até a uma base mais próxima da PM e atira contra o prédio e viaturas no local, “transformando a polícia em refém”.

O secretário-executivo de Defesa Social de Pernambuco, Humberto Freire, diz que é comum a participação de pessoas de outros estados nos assaltos. “Todos os componentes têm atividades precisas: a pessoa que aluga a arma, a que financia a ação criminosa, a que fornece os veículos, a que trabalha com os explosivos, entre outras.”

Onde se concentram os casos

Os principais ataques registrados nesse primeiro semestre na região demonstram características dessa quadrilha: ação com vários criminosos e mais de dois veículos envolvidos, violência e armamento pesado. E a maioria ocorreu em rodovias: dos 46 ataques, 33 foram nas estradas.

Ataques a carros-fortes na Bahia no 1° semestre de 2018 (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)

Ataques a carros-fortes na Bahia no 1° semestre de 2018 (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)

Na Bahia foram dez ataques a carros-fortes e um contra uma base operacional. Na ação contra empresa de valores em Eunápolis, um vigilante morreu e seis ficaram feridos.

Alvo de ataque, empresa de segurança de valores ficou destrúda na cidade de Eunápolis (Foto: Taísa Moura/ TV Santa Cruz)

Alvo de ataque, empresa de segurança de valores ficou destrúda na cidade de Eunápolis (Foto: Taísa Moura/ TV Santa Cruz)

Outro caso emblemático ocorreu na BR-407, em trecho da rodovia que liga os distritos de Juremal e Massaroca, na Zona Rural de Juazeiro. Cerca de 20 homens em três carros interceptaram e explodiram um carro-forte. A explosão foi tão forte que pedaços do carro-forte ficaram espalhados pela pista. Além de explodir o veículo, os criminosos ainda bloquearam um trecho da rodovia com uma carreta e espalharam “miguelitos”, objetos pontiagudos feitos com pregos, no local. Veja todos os ataques no estado.

Ataques contra carros-fortes no Ceará no 1° semestre de 2018 (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/ G1)

Ataques contra carros-fortes no Ceará no 1° semestre de 2018 (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/ G1)

O Ceará teve nove casos de roubos e tentativas de assalto a carros-fortes. Em uma das ações, criminosos trocaram tiros com seguranças do carro-forte e depois explodiram o veículo na BR-222 em São Luís do Curu. O grupo também fez pessoas que estavam em um ônibus na rodovia reféns e usou elas como “escudo-humano”.

Em outra ação, na CE-176 em Santa Quitéria, a quadrilha abordou o veículo, os seguranças foram ameaçados, houve a explosão do carro-forte e na fuga os bandidos fizeram reféns pessoas que estavam no local. Veja todos os ataques no estado.

Ataques contra carros-fortes em Pernambuco no 1° semestre de 2018 (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)

Ataques contra carros-fortes em Pernambuco no 1° semestre de 2018 (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)

Já em Pernambuco, a Associação Brasileira de Transporte de Valores informou que contabilizou quatro ataques nos três primeiros meses de 2018, mas a Secretaria de Segurança Pública alega ter registro de apenas três. A divergência, segundo a pasta, pode ocorrer por conta de outras entidades contabilizarem tentativas de ataques. Já nos outros três meses, a Confederação Nacional dos Trabalhadores de Segurança Privada aponta mais quatro, totalizando oito ataques no primeiro semestre de 2018.

Em um dos casos, criminosos atacaram e explodiram um carro-forte na rodovia BR-232 em Moreno e três vigilantes ficaram feridos. Em outro, na PE-60 em Ipojuca, o grupo chegou em dois veículos e fez dois vigilantes reféns. Veja todos os ataques no estado

Carro-forte é explodido na BR-343 entre Altos e Campo Maior

Carro-forte é explodido na BR-343 entre Altos e Campo Maior

No Piauí, dois dos quatro ataques registrados aconteceram no mesmo dia e na mesma rodovia: a BR-343. Assaltantes roubaram R$ 1,5 milhão de um carro-forte, mataram um dos vigilantes e feriram o outro no limite entre os municípios de Altos e Campo Maior do Norte. 

Já no outro ataque, entre Estaca Zero e Lagoinha do Piauí, um vigia da foi atingido e ficou ferido.

Carro-forte é explodido na BR-343 próximo a Estaca Zero

Carro-forte é explodido na BR-343 próximo a Estaca Zero

O que dizem os órgãos de segurança

A Secretaria de Segurança Pública da Bahia alega a maior parte das estradas por onde os carros-fortes passam não tem fiscalização policial porque as empresas não informam as rotas e horários de trânsito dos seus veículos. “Elas se negam a dar as informações, com a alegação de que a polícia pode vazar para bandidos.” A Polícia Rodoviária Federal (PRF) da Bahia não quis se manifestar sobre o assunto.

Já a PRF em Pernambuco informa que os patrulheiros só fazem fiscalizações específicas mediante pedido de empresas do setor. Segundo o secretário-executivo de Defesa Social de Pernambuco, Humberto Freire, o importante é saber onde ficam as principais rotas para poder “fortalecer a presença das polícias.”

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, foram presos 19 suspeitos de envolvimento nos crimes. A pasta ainda informa que reforçou o efetivo de policiais para combater esses grupos. Já a PRF no Ceará afirmou que está “muito sensível a esse problema dos assaltos a carros-fortes” e que atua em duas frentes: com o policiamento ostensivo nos locais e com um Núcleo de Inteligência, que mapeia esses dados.

* Colaboraram Itana Alencar e Luana Almeida (G1BA), Verônica Prado (G1CE), Bruno Marinho, Pedro Alves e Ricardo Novelino (G1PE)

Fonte: G1