Feira de Santana recebe 1º Simpósio Baiano de Avicultura em agosto; inscrições estão abertas

A cidade de Feira de Santana, a 100km de Salvador, vai receber o I Simpósio Baiano de Avicultura nos dias 21 e 22 de agosto. O evento, voltado para produtores, técnicos, estudantes e outras pessoas interessadas no assunto, busca proporcionar interação entre o público e o setor, oferecendo formação técnica por meio de palestras com especialistas. [Confira abaixo a programação]

Os interessados podem fazer as inscrições pela internet no site da Associação Baiana de Avicultura (ABA), responsável pela organização. Até o dia 30 de julho, a taxa é de R$ 50 para estudantes, de R$ 60 para docentes e de R$ 70 para profissionais da área. Os valores das inscrições serão alterados a partir desta data.

O simpósio quer discutir a a avicultura na Bahia, nos aspectos técnicos, gerenciais, sociais e econômicos, tratando de assuntos relacionados à situação do mercado, inovações técnicas. O evento é realizado pela Associação Baiana de Avicultura (ABA), em parceria com o Curso de Veterinária da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Em toda a Bahia, segundo a ABA, há 12 frigoríficos de frangos e 485 granjas, que abastecem o mercado baiano, o de estados vizinhos e até importam para outros países.

A programação do simpósio acontece no Cajueiro Convenções, que fica na Avenida Eduardo Fróes da Mota, no bairro Subaé. Os palestrantes do simpósio são pesquisadores e/ou profissionais da área, conforme a organização do evento.

A programação será aberta às 18h do dia 21 de agosto com o palestrante e treinador comportamental André Kaercher, que vai abordar o tema “Liderança no Agro Negócio”. O público também poderá conferir, no evento, palestras sobre novas tendências do mercado de consumo de proteína animal, produção de frango de corte sem uso de antimicrobianos, influenza aviária, utilização de galpões sustentáveis, entre outros.

Confira a programação

Programação do I Simpósio Baiano de Avicultura. (Foto: Divulgação)Programação do I Simpósio Baiano de Avicultura. (Foto: Divulgação)

Programação do I Simpósio Baiano de Avicultura. (Foto: Divulgação)

Fonte: G1

Pernambuco fecha mais de 10 mil postos de trabalho no primeiro semestre de 2018

Nos primeiros seis meses de 2018, Pernambuco teve 184.595 demissões e 173.840 admissões, o que resultou em 10.755 postos de trabalho encerrados. No acumulado do primeiro semestre deste ano, o Brasil gerou 392.461 empregos com carteira assinada. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) foram divulgados nesta sexta-feira (20) pelo Ministério do Trabalho.

No estado, a indústria de transformação foi a principal responsável por causar a variação negativa de empregos, já que houve 15.747 vagas fechadas de janeiro a junho deste ano. Em segundo lugar, está a agropecuária, com o fechamento de 5.418 postos de trabalho.

O comércio vem em terceiro lugar, com o encerramento de 2.346 vagas no primeiro semestre deste ano, seguido pela construção civil, que teve saldo negativo de 1.016 empregos no período citado.

Dados de junho

Em junho de 2018, Pernambuco fechou 431 vagas de emprego com carteira assinada. Ao todo, foram registrados 26.335 admissões e 26.766 desligamentos no estado, gerando uma variação negativa de 0,04%. No Brasil, houve 661 desligamentos no referido mês.

O setor mais impactado em Pernambuco foi o da construção civil, que fechou 747 vagas em junho deste ano. O comércio, outro setor impactado no estado, teve 190 postos de trabalho encerrados. Nesse segmento, o único subsetor impactado foi o do comércio varejista, que teve decréscimo de 333 vagas. Houve acréscimo de 215 vagas no setor de serviços.

Entre os municípios pernambucanos com mais de 30 mil habitantes, Santa Maria da Boa Vista, no Sertão, foi a cidade que teve o pior saldo de empregos. Houve dez admissões e 51 fechamentos de postos de trabalho no referido mês. A variação negativa foi de 4,64%.

O melhor saldo foi registrado em São Bento do Una, no Agreste, que teve 149 contratações e 69 demissões, com saldo positivo de 80 vagas, o que representa variação de 2,37%.

Fonte: G1

INSS convoca 178 mil segurados para perícia

 

o dia da perícia, o beneficiário deve apresentar documentação médica disponível, como atestados, laudos, receitas e exames. Quem não agendar a perícia até 13 de agosto terá o benefício cancelado. Do total de convocados, 168.523 são de aposentados por invalidez e 10.412 são beneficiários do auxílio-doença.

Segundo a publicação oficial, a convocação foi feita porque o INSS não conseguiu encontrar alguns dos beneficiários no endereço informado no cadastro do Sistema Único de Benefícios (SUB), ou porque, no próprio cadastro, não havia informações suficientes para o envio da correspondência. Com informações da Agência Brasil.

Fonte: notícias ao minuto

Dólar fecha abaixo de R$ 3,80 com Trump e apoio de centrão a Alckmin

O dólar despencou ante o real nesta sexta-feira (20) e fechou abaixo dos R$ 3,80 pela primeira vez em dias 10.

A queda foi resultado de uma combinação improvável de notícias do cenário externo e da conjuntura política atual. A Bolsa brasileira destoou do exterior e avançou mais de 1%.

Nesta sexta, e pelo segundo dia consecutivo, o presidente Donald Trump criticou a alta da taxa básica de juros dos EUA.

Se na véspera ele havia comentado o tema em entrevista, dessa vez recorreu ao Twitter. Trump afirmou que os EUA “não devem ser penalizados” porque sua economia está indo bem. “O aperto [monetário] agora fere tudo o que fizemos”, escreveu.

“Os Estados Unidos deveriam poder recapturar o que foi perdido devido à manipulação ilegal de moedas e a acordos comerciais ruins. As dívidas perto de vencer e nós estamos aumentando juros -sério?”, disse na mensagem.

As manifestações do presidente americano colocam em xeque a independência do Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA). A taxa americana está no intervalo entre 1,75% e 2% ao ano, e a expectativa é de que os membros do Fed promovam mais dois aumentos neste ano apoiados pela recuperação da economia do país.

Quando as taxas de juros americanas sobem, a tendência é que investidores migrem recursos antes aplicados em países emergentes, considerados mais arriscados, para títulos da dívida dos Estados Unidos. O movimento tende a fazer o dólar se valorizar.

No entanto, as manifestações de Trump têm tido o efeito de derrubar o dólar ante os emergentes. Nesta sexta, a moeda americana perdeu para 17 de 24 divisas emergentes.

O dólar fechou o dia em queda de 1,87%, a R$ 3,7740, no menor valor em um mês.

Para analistas, o novo patamar do dólar não deve se manter daqui pra frente.

“É difícil imaginar que tenhamos muitos dias favoráveis como os de hoje. Tudo pela frente indica que a gente ainda vai ter dólar forte no exterior, que esses alívios são temporários”, disse Ignacio Crespo, da Guide Corretora.

Entre os emergentes, o real foi a moeda que mais se valorizou nesta sexta.

Investidores atribuíram o movimento ao cenário político. Na quinta, partidos do chamado centrão –DEM, PP, PR, PRB e SD– fecharam um acordo para apoiar Geraldo Alckmin (PSDB) à presidência. Não há acordo formal selado.

Para o mercado financeiro, o maior tempo de TV que viria da coligação ajudaria a aumentar a exposição do tucano, elevando as chances de ele crescer na preferência dos eleitores.

Segundo a pesquisa Datafolha mais recente, publicada em 10 de junho, Alckmin tem entre 6% e 7% das intenções de voto, conforme o cenário. Sem Lula (PT), preso desde abril, a corrida eleitoral é liderada por Bolsonaro (PSL), Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede).

Entre eles, Alckmin é visto pelo mercado financeiro com o mais propenso a conduzir reformas, como a da Previdência, que eles consideram essenciais para a economia do país.

“A notícia mostra para o mercado que candidatos que não vinham apresentando um programa de reformas estruturantes, um discurso de que o investidor gosta, podem perder força”, diz Alvaro Bandeira, economista-chefe da Modalmais.

O otimismo do mercado com a possibilidade de Alckmin avançar fez a Bolsa brasileira descolar do exterior e subir mais de 1%.

O Ibovespa, principal índice acionário do país, ganhou 1,40%, a 78.571 pontos. A alta foi impulsionada pelos papéis da Petrobras e do setor financeiro, com maior peso no índice. Na semana, a alta de 2,6%.

No exterior, os índices americanos fecharam perto da estabilidade, enquanto a maioria das Bolsas europeias fecharam no vermelho.

A animação poderá ceder mais uma vez espaço para as incertezas típicas do período eleitoral, que devem deixar o mercado financeiro volátil na próxima semana.

Após o fechamento do mercado, Paulinho da Força (SD), um dos líderes do centrão, ameaçou o acordo e reabriu negociações com Ciro.

“O acordo está sendo dado como certo, mas a oficialização é uma questão”, disse Crespo antes mesmo da oposição de Paulinho da Força. Com informações da Folhapress.

Fonte: notícias ao minuto

Temer assina MP que cria fundo para obras de ferrovias

O presidente Michel Temer assinou nesta sexta-feira (20) Medida Provisória (MP) que institui o Fundo Nacional de Desenvolvimento Ferroviário.

A medida foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União e tem vigência imediata, mas precisa ser aprovada pelo Congresso em até 120 dias para continuar valendo.

O projeto define que o fundo será vinculado ao Ministério dos Transportes e terá como finalidade a destinação de recursos ao sistema ferroviário.

A medida estabelece como prioritários investimentos no Pará, direcionados à obra de ligação do Complexo Portuário de Vila do Conde à ferrovia Norte-Sul. O início da aplicação dos recursos será feito no município de Barcarena (PA).

Pelo texto da MP, os recursos do fundo serão constituídos por dotações do orçamento da União e doações, além de valores arrecadados com a outorga de concessão de trechos da ferrovia Norte-Sul. Com informações da Folhapress.

Fonte: notícias ao minuto