Dia de Corpus Christi: saiba a origem da solenidade católica

Uma quinta-feira diferente das outras. A solenidade do Corpo e Sangue de Cristo — ou Corpus Christi, como popularmente se chama — é conhecida como o único dia em que o Santíssimo deixa o Sacrário para estar em meio ao povo. Neste dia, os fiéis confeccionam tapetes com os mais variados materiais, formatos, desenhos e temas para festejar o corpo de Cristo.

A festa é considerada festa de guarda dos católicos, ou seja, de participação obrigatória dos fiéis para celebrar o corpo e o sangue do filho de Deus.

Tem sua origem no século XIII, e por uma iniciativa da santa belga Juliana de Mont Cornillon. “Ela percebia que nas festas da Igreja faltava uma que exaltasse ou reconhecesse o Corpo e o Sangue de Cristo”, é o que explica o padre Kleber Chevi, da paróquia Cristo Rei, na Aldeota.

“Então com o papa Urbano IV, a devoção se estendeu para toda a Igreja e virou uma festa, que celebramos na primeira quinta-feira depois da festa da Santíssima Trindade”, conta o padre.

A festa conclui o tempo pascal, que começa com o domingo da ressurreição e finda na festa do Corpo e Sangue de Cristo. “Cada celebração litúrgica revela um momento importante da relação de Jesus conosco”, diz o padre Francisco Junior, reitor do Santuário Arquidiocesano de Adoração, na paróquia São Benedito, no Centro.

“Após a Páscoa, Jesus aparece, volta ao pai e envia seu espírito santo. Com isso, se cria uma nova presença e ela se realiza pela Eucaristia que alimenta a Igreja com o seu Corpo Místico. Corpus Christi é a festa desse alimento e nesta festa, os católicos saem às ruas com o senhor Jesus, queremos dizer ao mundo que amamos o amor que nos amou”, explica.

Assim como a Páscoa, Corpus Christi não tem data fixa. Esta é uma das solenidades da Igreja que não possui data fixa, ou seja, todos os anos é celebrada em uma data diferente, seja no fim do mês de maio ou durante o mês de junho, mas sempre em uma quinta-feira.

“A festa de Corpus Christi se realiza 60 dias depois do domingo de páscoa, concluindo as festividades pascais. A tradição dos tapetes vem de Portugal e remete a entrada de Cristo em Jerusalém, que entra triunfante na cidade santa. E por isso, se enfeitam as ruas para que a procissão com o corpo de Cristo possa passar”, complementa o reitor do santuário de adoração.