Aração de terras beneficiará mais de 400 agricultores no Crato

O início da quadra chuvosa na região do Cariri, que ocorre entre os meses de dezembro e janeiro, é o período em que os agricultores familiares cratenses se preparam para o plantio de seus alimentos. Pensando nisso, a Prefeitura Municipal do Crato, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Agrário e Recursos Hídricos (SMDARH), tem executado o Programa de Aração de Terras (Proara) safra 2020/2021, que beneficiará mais de 450 famílias da zona rural do município. O programa, tem investimento na ordem de R$100 mil, voltados à aração e o preparo de duas tarefas de terra para cada família de agricultores.

A aração da terra é uma etapa importante no processo produtivo, pois descompacta e prepara o solo para que as sementes cresçam com raízes mais fortes. Quando se ara a terra, ela fica mais fofa e permeável, beneficiando a troca de nutrientes presentes nos adubos, um processo que ajuda na proliferação das minhocas e na retirada de raízes mortas.

O Secretário de Desenvolvimento Agrário do Município, Carlos Freires, ressalta que o Proara tem como principal objetivo incentivar e fortalecer a agricultura familiar em Crato. “Nós vamos preparar a terra de forma mecanizada para facilitar o trabalho do produtor rural. Uma ação 100% financiada pela gestão municipal, sem custos para o agricultor, que tendo recebido as sementes do programa do Governo do Estado, Hora de Plantar, distribuídas pela Ematerce, poderão ter mais êxito nas suas safras”, afirma o Secretário, destacando a importância da junção das políticas públicas para o fortalecimento da agricultura familiar.

De acordo com o gestor da SMDARH, Carlos Freires, as atividades do Proara se desdobrarão em outros programas que apontam a promoção da agricultura, dando melhores condições de trabalho e qualidade para a produção familiar. “Para melhorar a produtividade, nós pretendemos, através do Proara, distribuir mudas, adquirir sementes crioulas produzidas no Crato e corrigir e enriquecer os nutrientes do solo”, destaca.

Vacinação no Brasil começa na quarta-feira, diz Pazuello a prefeitos

Ministro da Saúde teve um encontro com mais de 130 prefeitos para tratar do programa de imunização contra a Covid-19. Data depende de aprovação da Anvisa para uso emergencial das vacinas Coronovac e da Astrazeneca.

 

Após uma reunião com o Ministério da Saúde nesta quinta-feira (14), prefeitos disseram que, de acordo com o ministro Eduardo Pazuello, a vacinação contra a Covid-19começará em todo o país na quarta-feira (20) da semana que vem. A data depende de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberar o uso emergencial das vacinas Coronovac e Astrazeneca. A decisão da Anvisa sai no domingo (17).

“De acordo com @ministropazuelo, próxima segunda chegam as 2 milhões de doses da Astrazeneca para estados. Há também as 6 milhões da Coronavac. Anvisa liberando domingo, distribuem na terça para iniciar na quarta, dia 20. Ou seja: 8 milhões de doses para janeiro”, escreveu o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (DEM), em uma rede social.

Algumas outras prefeituras que saíram da reunião informando que o governo marcou a data do dia 20 foram as de: Salvador, Curitiba, Cuiabá, Maringá, Ribeirão Preto, Aracaju e Araucária (PR).

“Em Curitiba, vamos vacinar primeiro os grupos prioritários. Os 70 mil profissionais de saúde, e todos os idosos de Curitiba, que são perto de 300 mil pessoas”, afirmou o prefeito Rafael Greca (DEM). “Será em 20 de janeiro”.

Procurado pelo G1, o Ministério da Saúde ainda não confirmou a data. Pazuello recebeu mais de 130 prefeitos. A maioria participou virtualmente.

O presidente da Frente Nacional dos Prefeitos, Jonas Donizete, ex-prefeito de Campinas, afirmou que eventual atraso no voo que vai buscar doses de vacina na Índia pode alterar a data.

“Embora tenha sido mencionado a data do dia 20, às 10h da manhã, essa data está pendente deste dois fatores: da logística de voo e da aprovação da Anvisa”, afirmou.

O presidente da Frente Nacional de Prefeitos, Jonas Donizete, falou com jornalistas após reunião com o ministro Eduardo Pazuello, da Saúde — Foto: Luiz Felipe Barbiéri/G1

O presidente da Frente Nacional de Prefeitos, Jonas Donizete, falou com jornalistas após reunião com o ministro Eduardo Pazuello, da Saúde — Foto: Luiz Felipe Barbiéri/G1

5 milhões de vacinados

 

Donizette explicou que cinco milhões de brasileiros serão vacinados neste primeiro momento, de acordo com a explicação dada pelo ministério.

Desses, dois milhões receberão a primeira dose da vacina da farmacêutica Astrazeneca, produzida pela Fiocruz. Outras três milhões de pessoas receberão duas doses da vacina Coronavac, produzida pelo instituto Butantan. A primeira na semana que vem e a segunda 21 dias depois.

“São 2 milhões da Astrazeneca e dois milhões de brasileiros vacinados. A Coronavac, tem mais produzidas, mas o pedido de autorização emergencial foi para 6 milhões de doses. Na Coronavac, as prefeituras receberão as doses, mas se receber mil doses, vai aplicar 500 e guardar as outras 500 porque depois de 21 dias vai ter que aplicar a segunda dose”, explicou.

Ele ressaltou, como já vinha dizendo o governo, que alguns grupos serão prioritários no início da vacinação.

“Não é verdade que serão apenas capitais. As vacinas serão distribuídas com três critérios. Primeiro idosos em instituições de longa permanência. A segunda [fase], devem ser imunizados 70% dos profissionais de saúde que trabalham na linha de frente. E os prefeitos pediram profissionais da educação. Eles devem receber até abril”, afirmou.

Doses

 

A Frente Nacional dos Prefeitos disse ainda que, na reunião, Pazuello apresentou a seguinte previsão de quantas doses de vacina o país terá nos próximos meses. O valor é cumulativo, ou seja, a quantidade dos meses anteriores também é contabilizada nos seguintes:

  • Janeiro: 8 milhões
  • Fevereiro: 30 milhões
  • Abril: 80 milhões

 

Equipamento

 

Jonas Donizete também disse que a maioria das cidades tem quantidade suficiente de agulhas e seringas para iniciar a vacinação.

“A gente vai passar para o ministro uma ideia de como estão as cidades. E para isso eu fiz uma conversa antes com os prefeitos. A notícia boa para a população é que a maioria das cidades está preparada para a vacinação, com seringas, agulhas”, afirmou.

Fonte: G1

Jornalista Roberto Crispim assume Coordenação de Comunicação da Assembleia Legislativa do Ceará

O Jornalista Roberto Crispim foi nomeado, nesta quinta-feira (14), para a Coordenação da Assessoria de Comunicação da Assembleia Legislativa do Ceará (Alece). A portaria foi assinada na tarde de hoje pelo presidente da casa, Fernando Santana (PT), que estava acompanhado dos três prefeitos do Crajubar (Glêdson Bezerra, Zé Aílton Brasil e Guilherme Saraiva).

O novo coordenador tem experiência em diversos veículos de comunicação do Ceará (Diário do Nordeste), Brasil (Folha de SP) e do Cariri (Tempo FM e Iracema FM e FM Gospel). Na nova função, Crispim vai atuar no atendimento das demandas da imprensa de todo o Ceará relacionadas a Alece.

Crato: prefeitura adia prazo para entrega de residências do programa Casa Verde e Amarela

Realizada na tarde desta quarta-feira, 13, reunião para tratar dos prazos relacionados à previsão de entrega das casas do Programa Habitacional Casa Verde e Amarela do Governo Federal. São 982 moradias que serão entregues ainda no primeiro semestre deste ano, previstas inicialmente para o dia 5 de março, nos conjuntos São Bento I e II.

A reunião foi realizada na Caixa Econômica Federal, em Juazeiro do Norte, com a presença da Secretária do Trabalho e Desenvolvimento Social do Crato, Ticiana Ferreira Cândido França; representante do Gabinete, Mauro Silvestre, o Secretário de Infraestrutura, Ítalo Gonçalves, além do engenheiro civil representando a gerência executiva de habitação da Caixa, José Costa Júnior, e contempladas pelas casas, Michele Bento da Silva e Maria Aparecida Siebra Alves, representando as pessoas beneficiadas pelo Programa.

Um dos pontos debatidos esteve relacionado à continuidade de regularização de cadastros, que passam pela revisão e aprovação da CEF e consequentemente encaminhamento da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social, para que os beneficiários que tiveram problemas com a documentação regularizarem a sua situação. Toda a parte de infraestrutura, passando pelo saneamento, iluminação e abastecimento, estão na fase de testagens.

Além disso, é importante destacar que a fase de pandemia foi decisiva para ampliação dos prazos de entrega, tendo em vista a paralisação de alguns serviços por falta de materiais necessários para conclusão das obras.

Novo reitor da Uece é nomeado pelo governador Camilo Santana

Foi nomeado nesta quarta-feira, 13 de janeiro, pelo governador do Ceará, Camilo Santana, o novo reitor da Universidade Estadual do Ceará (Uece), professor Hidelbrando dos Santos Soares, que estará à frente na gestão Uece nos próximos quatro anos.

A nomeação ocorreu no Gabinete do governador, no Palácio da Abolição, com a presença do agora reitor Hidelbrando, de seu vice Dárcio Ítalo Teixeira, e do secretário de Ciência e Tecnologia do Ceará, Inácio Arruda.

O governador Camilo Santana destacou, em suas redes sociais, a preferência da comunidade universitária na escolha dos gestores. “Eles obtiveram maioria na consulta prévia realizada pela comunidade acadêmica, com 32,5% dos votos. Desejo boa sorte e bom trabalho ao reitor e ao vice-reitor nesses próximos quatro anos a frente da instituição”.

O secretario Inácio Arruda ressaltou a decisão do governador em nomear o mais votado, “ato que consolida um caminho de fortalecimento da universidade”. E completou: “O reitor Hidelbrando Soares assume o cargo com o total respaldo e respeito do meio universitário. A Uece é a segunda maior universidade do Estado e uma das mais importantes do país. Hidelbrando e Dárcio farão um grande mandato”.

Para o novo reitor, “a Universidade Estadual do Ceará é um grande patrimônio do povo cearense. Sua missão precípua é servir a esse povo, contribuindo para o desenvolvimento de nosso Estado, com inclusão e justiça social. Nossa tarefa na gestão universitária é garantir a realização dessa função social e pública de nossa Universidade”, destacou Hidelbrando.

Antes de ser nomeado, professor Hidelbrando e seu vice-reitor Dárcio Italo passaram por consulta prévia realizada com a comunidade universitária, em que obtiveram o maior número de votos, totalizando o percentual global de 32,58%.

A cerimônia de transmissão de cargo será realizada na próxima sexta-feira (15), às 16h, restrita à Administração Superior da Uece e aos familiares dos recém-nomeados. O evento acontecerá na Sala dos Órgãos de Deliberação Coletiva (SODC), no campus Itaperi, e será transmitida ao vivo pelo Facebook da instituição.

Sobre os novos gestores

Professor Hidelbrando Soares foi vice-reitor da Uece por oito anos, no período de 2012 a 2020. É Bacharel em Geografia pela Universidade Estadual do Ceará, Especialista em Geografia pela Universidade Federal do Ceará e Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto da Uece, com experiência na área de Geografia Humana. Na gestão, atuou também por oito anos consecutivos, 2004 a 2012, como Diretor da Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos (Fafidam/Uece).

Professor Dárcio Ítalo Teixeira possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal da Paraíba, Mestrado e Doutorado em Ciências Veterinárias pela Universidade Estadual do Ceará e Pós-Doutorado em Biotecnologia pela Universidade de Buenos Aires. Atualmente é Diretor do Hospital Veterinário Prof. Sylvio Barbosa Cardoso, Vice-Diretor da Faculdade de Veterinária e professor associado da Uece.

 

Maracujá e ameixa em oferta no entreposto da Ceasa no Cariri

O mercado agrícola segue a semana bem abastecido com os preços do maracujá e da ameixa em queda no entreposto da Ceasa no Cariri. No comparativo mensal, o preço do maracujá caiu -52,2% e é vendido a R$2,20/kg, enquanto a ameixa sofreu retração de 47,5% e chega à mão do consumidor por R$ 10,59/kg. Também em queda o valor da laranja pêra (-16,7%), comercializado por R$ 3,00/kg; e do abacate grande (-11,4%), a R$ 6,20. As maiores altas da manga tommy (53,2%), custando R$ 4,70/kg; e da acerola (40%), a R$ 2,80/kg.

No setor das hortaliças, as principais retrações de preço são do coentro, com o maço do coentro de 3,6 kg vendido a R$ 10,00 (-33,3%); e do repolho híbrido, a R$ 2,50/kg. Preço bom também para o chuchu, a R$ 1,40/kg (-12,5%); e para pimenta de cheiro, R$ 3,50/kg (-12,5%). O tomate cajá também é outra boa oferta do entreposto localizado em Barbalha, a R$ 2,40/kg (-7,7%); enquanto o valor da batata doce roxa dispara, indo para R$ 3,80/kg (+137,5%).

Aporte hídrico garante abastecimento humano para 2021

O ano de 2021 iniciou com o melhor volume nos açudes dos últimos sete anos, segundo dados da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh). Ainda segundo os dados, o ano de 2020 terminou com 25,8% de volume médio nos 155 reservatórios monitorados pelo órgão. A quadra chuvosa de 2020, terminada em 31 de maio, teve o volume médio dos reservatórios em 34,8%, o melhor dos últimos 7 anos. Os últimos bons volumes foram nos ano de 2013, com 46,6% e 2012, com acumulado de 64%.

Apesar do número ainda ser considerado baixo, é o cenário mais favorável dos últimos sete anos e a expectativa é que de o volume acumulado nos açudes supra as necessidades da população durante todo o ano de 2021, o que não significa que não se precise de uma boa quadra chuvosa para garantir ainda mais a segurança hídrica do Estado.

O secretário dos Recursos Hídricos, Francisco Teixeira, comemora os números mas solicita cautela da população no uso da água. “Precisamos de uma boa quadra chuvosa para garantirmos a total segurança hídrica do nosso Estado. O abastecimento humano está garantido com os bons números de aporte de 2020 e com todo o processo de diversificação da matriz hídrica utilizado pela gestão hídrica. Mas, mesmo com essa garantia temos que ter cautela no uso da água e esperar que 2021 tenha uma quadra chuvosa ainda melhor que o ano que se passou”.

Atualmente, a região Norte apresenta o quadro mais favorável. As quatro bacias hidrográficas com maiores aportes se encontram lá: Acaraú (72,5%), Litoral (70,8%), Ibiapaba (68,4%) e Coreaú (67,2%). A situação mais crítica verifica-se no Médio Jaguaribe (10,7%) e no Banabuiú (11,0%).

Os três maiores açudes do Estado Castanhão, Orós e Banabuiú apresentam 10,87%, 20,43% e 11,87% respectivamente. Os dados são do Portal Hidrológico da Cogerh, que monitora 155 reservatórios e pode ser acessado no link.

Para o diretor de operações da Cogerh, Bruno Rebouças, mesmo o volume do Castanhão ser considerado baixo o cenário é mais favorável do que em anos anteriores. “A água acumulada no primeiro semestre vai sendo consumida no segundo, mesmo com as restrições de uso”.

Jati registra a maior chuva da região sul do Ceará nas últimas 24h

A região sul do Ceará registrou precipitações chuvosas em ao menos 20 municípios. A maior chuva, segundo os dados parciais da Fundação Cearense de Meteorologia (FUNCEME), foi na cidade de Jati, onde choveu 40,4 milímetros, seguida de Brejo Santo com 23 mm e Barbalha com 15,4.

A previsão do tempo para o restante desta quinta-feira (14) e sexta-feira (15)  é de tempo nublado com possibilidade de chuva para toda a região do Cariri.

VEJA LISTA DAS PRECIPTAÇÕES:

Jati – 40,4 mm

Brejo Santo – 23 mm

Barbalha – 15,4 mm

Altaneira – 10 mm

Crato – 8 mm

Juazeiro do Norte – 7 mm

Lavras da Mangabeira – 5,6 mm

Porteiras – 5 mm

Ipaumirim – 4 mm

 

 

Prefeitura de Barbalha informa que gestão passada deixou mais de R$ 43 mi em dívidas

A Prefeitura de Barbalha informou que mais de R$ 43 mi (quarenta e três milhões de reais) em dívidas foram deixados pela gestão passada. Os valores são referentes à folha salarial de dezembro, que está em atraso, tributos trabalhistas (INSS, FGTS e Pasep) e despesas de manutenção. O débito pode ser ainda maior, quando a prestação de contas for totalizada. O balanço financeiro parcial foi divulgado nesta quarta-feira, 13, em coletiva de imprensa.

O prefeito, Guilherme Saraiva, afirmou que não pretende aumentar impostos para equilibrar as contas da Administração. “Não podemos aumentar tributos em um momento de crise. O que vamos fazer é baixar as despesas, fazer uma contenção dentro da Prefeitura”, declarou.

O secretário de Finanças, Aquiles Soares, comunicou que o pagamento dos servidores municipais atrasou porque os bancos ainda não forneceram todas as chaves de acesso das contas bancárias do Município. Sendo assim, ainda não foi possível saber quanto a Prefeitura ainda tem de saldo total disponível.

O prefeito anterior havia afirmado que deixou R$ 30 milhões no caixa do Município, porém esse valor ainda não foi confirmado. Além disso, mais de R$ 17 milhões desse valor é destinado ao precatório; R$ 4,4 milhões são do recurso vinculado ao Covid/SUS; quase R$ 2 milhões são do Fundeb e outros quase R$ 3 milhões são de contas vinculadas. Assim, sobrariam, de fato, apenas R$ 3 milhões, insuficiente para pagar sequer a folha salarial, que está calculada em R$ 4.722.153,17.

 

Débitos
 

 

 

Tributos

Dívida Contribuição Previdenciária (INSS)

 

Contribuição Previdenciária (Out/Nov/Dez/13º)

 

FGTS

 

 

Pasep:

Parcelamento 1

Parcelamento 2

Competência Novembro

R$ 19.703.763,80
R$ 4.513.920,86
R$ 4.749.642,78
 

R$ 20.223,45

R$ 6.371,80

R$ 171.889,36

Restos a pagar R$ 14.419.041,10
Total (Parcial) R$ 43.584.853,15

 

A Administração Municipal deu total prioridade ao pagamento dos servidores, que começaram a receber a remuneração, conforme calendário divulgado na semana passada. O secretário relembra que a folha salarial em atraso é referente ao mês de dezembro, ou seja, deveria ter sido paga pela gestão anterior.

Uma parte dos servidores públicos não recebeu o pagamento que deveria cair em conta bancária no 5º dia útil de janeiro, na última sexta-feira, 8. Apenas os funcionários das secretarias de Saúde e Finanças, cargos comissionados e alguns pontuais foram pagos.

O recolhimento previdenciário dos meses de abril, maio, outubro, novembro, dezembro e do 13º salário não foi repassado ao Instituto Nacional de Seguridade Social, INSS. Já o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, FGTS, está com pendências para os meses de janeiro, março, abril, maio, junho, julho, agosto, novembro, dezembro e 13º salário. Em relação ao Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público, Pasep, novembro e dezembro de 2020 não foram pagos.

Restos a pagar são as despesas de manutenção, como tarifa de água, energia elétrica, internet, fornecedores etc. Além do valor total, esses custos ainda acarretam juros, multas e correção monetária.

Rússia enviará 150 mi de doses da Sputnik V ao Brasil este ano

Agência russa firmou acordo com uma farmacêutica brasileira e promete 10 milhões de doses já no primeiro trimestre

O presidente do Fundo Russo de Investimentos Diretos (FIDR), Kirill Dmitriev, anunciou nesta quarta-feira (13) que a Rússia fornecerá ao Brasil ao longo deste ano 150 milhões de doses da Sputnik V, a vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo país.

O acordo foi firmado com o presidente da farmacêutica brasileira União Química, Fernando de Castro Marques, segundo informou o próprio fundo em redes sociais.

As primeiras 10 milhões de doses da vacina russa serão fornecidas ainda no primeiro trimestre, começando em janeiro.

O FIDR também informou que o Brasil já iniciou a produção da Sputnik V em seu território, para o qual o fundo soberano russo transferiu a tecnologia necessária, incluindo documentação e biomateriais.

Além disso, a União Química solicitará “esta semana” autorização para o “uso urgente” da vacina russa entre sua população, algo que Argentina e Bolívia já fizeram.

“O FIDR e a União Química começaram a vacinar a população brasileira com a Sputnik V. Os primeiros 20 brasileiros que trabalham na embaixada (do Brasil) na Rússia já estão sendo vacinados”, afirma.

“Vários países da América Latina já estão vacinando cidadãos com a Sputnik V e esperamos que o Brasil se junte a eles nas próximas semanas”, completou Dmitriev.

Fonte: R7