Educação pública é tema de discussão na Câmara, em Crato

Na sessão ordinária de segunda-feira (13/05), os vereadores estiveram reunidos no plenário Paulo Bezerra sob a presidência do vereador Florisval Coriolano (PRTB), onde o principal tema de discussão foi a educação pública do município.

 

O Professor Gilson, que esteve presente, lamentou o anúncio de bloqueio nos investimentos da educação feito pelo governo federal. Segundo ele, vários alunos tiram o seu sustento de bolsas que poderão ser extintas. Já o vereador Amadeu de Freitas (PT) declarou que faltam materiais básicos nas escolas municipais como: papel, lápis de cor, giz de cera, cola e tesoura. O parlamentar chegou a afirmar que professoras usam recursos próprios para repor estoque. Ele apresentou um requerimento para que “esses problemas sejam superados pela gestão municipal”, destacou. 

 

No momento das votações um requerimento de autoria do vereador Jales Veloso (PSB) foi tema de discussão. Ele solicitou a realização de uma audiência pública para tratar das obras realizadas pela empresa Constam no município, e a respeito das licitações dos transportes públicos, além de cobrar esclarecimentos sobre a ameaça ao secretário municipal de infraestrutura José Muniz. Os demais vereadores argumentaram que o assunto não caberia em uma audiência e os representantes poderiam ser convidados para uma sessão ordinária. Também foi exposto que as ameaças ao secretário José Muniz são de ordem pessoal, e não seria adequada a discussão na casa. Jales retirou o requerimento para que sejam feitas as devidas alterações no texto.

70 milímetros de chuva foram registrados em Missão Velha na última quarta

Por Rafael Pereira/Agência News Cariri

As chuvas relativas nas últimas 24 horas dessa quarta-feira (15) foram registrados 70 mm em Missão Velha. Os números são das atualizações da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) que ocorreu entre a terça e quarta. O município ficou em 1º lugar no Estado e o 3º maior volume acumulado até agora no ano de 2019.

No Estado, em segundo lugar, e mais próximo volume, ficou no município de Potiretama com 68 mm. Na Região do Cariri, o município de Barro obteve 41,6 milímetros segundo a Funceme.

O volume de chuva foi registrado no posto pluviométrico localizado no Sítio Saco, próximo a sede do município de Missão Velha. Depois de mais de um mês, as precipitações deram trégua na região, pois, após o mês de março não foram registrados grandes volumes de chuva como aconteceu em Missão Velha.

Ex-prefeito de Crateús é condenado por superfaturamento em licitação para obras

O juiz da 2ª Vara da Comarca de Crateús, Bruno dos Anjos, determinou, no dia 3, a indisponibilidade dos bens do ex-prefeito de Crateús, José Almir Claudino Sales; da ex-secretária de Infraestrutura, Maria de Fátima de Melo Torres; José Coelho Matos; e da empresa M. A. Engenharia Ltda., cada um até o montante de R$ 121.018,75, por ato de improbidade administrativa tipificado no artigo 10, I, da Lei nº 8.429/92. A sentença atende a uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), através do promotor de Justiça Lázaro Trindade de Santana, com base em denúncia formal e vasta documentação emitida, em meados de 2006, pelo então Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

Conforme o relatório dos fatos, o ex-prefeito de Crateús homologou, em 10/05/2004, um processo licitatório, sob a modalidade carta-convite, para a recuperação e manutenção das estradas vicinais, ruas, avenidas da sede e dos distritos daquele município, cujo valor dos serviços foram estimados em R$ 149.700,00. Segundo o relatório de vistoria técnica realizado pelo Departamento de Edificações Rodovias e Transportes (DERT), até 16/12/2004 a empresa vencedora do certame, M. A. Engenharia Ltda somente havia concluído 47,4% dos serviços para os quais fora contratada. Contudo, recebera ainda naquele ano de 2004 pagamentos que totalizaram R$ 103.717,17.

O texto da ação salienta que, embora não tenha realizado quaisquer serviços de recuperação e manutenção das estradas vicinais, ruas, avenidas da sede e dos distritos de Crateús no ano de 2005, naquele ano a referida empresa recebeu mais dois pagamentos que totalizaram R$ 121.018,75. O somatório de todos os pagamentos feitos em favor de M. A. Engenharia Ltda corresponde a R$ 224.735,90, superando em R$ 75.765,92 o valor total do contrato celebrado com o município de Crateús.

Para o promotor de Justiça, a ausência de execução de quaisquer serviços por parte da empresa vencedora no ano de 2005 foi confirmada não apenas pelos servidores municipais, como também pela própria secretária de Infraestrutura de Crateús, à frente daquela pasta no período de 2005 a abril de 2008 e, apesar disso, não explicou porque o erário municipal suportou pagamentos de R$ 121.018,75 em favor da empresa naquele ano. Ainda em 03/03/2006, os técnicos de fiscalização do DERT emitiram relatório de vistoria nas estradas vicinais de Crateús e constataram que somente 62% dos serviços adjudicados pela empresa M. A. Engenharia Ltda haviam sido concluídos.

Além disso, de acordo com o representante do MPCE, a estranha coincidência aponta para indícios veementes de que o procedimento licitatório sob investigação tenha sido uma fraude, uma licitação de cartas marcadas na qual já se sabia previamente quem seria a licitante vencedora, a qual adjudicaria o objeto do contrato e pagaria comissão às concorrentes fantasmas.

Fonte: MPCE

Ceará se destaca como polo produtor de flores no Brasil

Mesmo encravado no semiárido brasileiro, o Ceará conseguiu identificar microclimas que são favoráveis à produção de flores e acabou se tornando, nas últimas duas décadas, em um dos principais polos produtores do setor no Brasil. Estudos recentes mostram que o estado é considerado o terceiro na oferta de produtos de floricultura para o mercado interno. No período de 2006 a 2017, o número de produtores locais saltou de 295 para 730, crescimento de aproximadamente 148% da cadeia produtiva, de acordo com levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esse protagonismo no mercado tomou corpo após o Governo do Ceará, ao longo das últimas décadas, passar a incentivar a produção por meio de políticas públicas para investimento em tecnologia e treinamento. Silvio Carlos Ribeiro, secretário-executivo de Agronegócio da Secretaria do Desenvolvimento do Trabalho (Sedet), explica que “a demanda externa e interna aquecida, microclima favorável e a gestão governamental fizeram com que o Ceará iniciasse sua produção naquela época com uma inserção forte nas exportações”.

Márcio dos Santos, mestre em economia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e coautor do estudo publicado pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), que avaliou os efeitos das políticas públicas locais na exportação de flores no período de 1997 a 2014, também destacou o papel fundamental do Estado no crescimento do setor. “Várias ações através de políticas públicas estimularam o desenvolvimento dessa atividade específica. Até o final da década de 1990 a participação do Ceará era pequena, tanto na exploração como na participação em relação às exportações do Estado. A gente viu que os resultados obtidos foram condicionados a todo um leque de políticas públicas, que vão desde políticas de estímulo, como de irrigação, até políticas de pesquisa biológica e geológica, de qual o solo mais propício para se plantar determinado tipo de flor”, enfatizou Márcio.

IMAGENS DA REGIÃO PRODUTORA DE FLORES EM SÃO BENEDITO, SERRA GRANDE, REGIÃO NORTE DO ESTADO DO CEARÁ;ECONOMIA;FLORES;PRODUÇÃO;© TIAGO STILLE/ GOV. DO CEARA

Dentre as iniciativas do Governo para alavancar a produção de flores e atração de produtores estavam a implementação dos programas “Cearense de Agricultura Irrigada” e de “Desenvolvimento do Agronegócio da Floricultura”, além da contratação de consultores estrangeiros para qualificar os floricultores sobre técnicas de cultivo mais adequadas. Outros projetos também passaram a auxiliar a cadeia, como a Escola de Floricultura do Ceará (Tecflores), Centro Agroflores de Inovação Tecnológica, Projeto Florescer, Produção de Cactus no Semiárido, Flores Tropicais e o Projeto Caminhos de Israel de Flores.

Novos voos

A produção de flores brasileiras, inclusive a local, já teve como um dos principais destinos o mercado exterior. O Ceará, entre 1997 e 2014, chegou a crescer mais de 300 vezes seu volume de exportação de flores e plantas ornamentais. De 1997 a 2017, o valor exportado somou US$ 44,23 milhões e o importado US$ 5,61 milhões, gerando um superávit de US$ 38,62 milhões.

Com a crise mundial no final da década passada, o mercado internacional sofreu uma desaceleração. Porém, o Brasil caminhava na contramão da queda de consumo, o que fez que com o passar dos anos o volume de produção enviado para fora do Brasil acabasse sendo negociado internamente, como detalha Silvio Carlos Ribeiro. “De 2014 para cá, o volume de exportações diminuiu devido a dois fatores: mercado externo desfavorável e o interno bem favorável, então o setor focou muito no mercado interno”.

Márcio Maradona, gerente geral da empresa Reijers, instalada no município de São Benedito e uma das maiores produtoras de flores e plantas ornamentais do Ceará, confirmou essa migração do mercado e a necessidade de adquirir novas áreas para o cultivo. “Hoje, nosso produto fica todo no mercado nacional. Nosso foco maior é o Norte e o Nordeste. Chegamos via terrestre a todas as capitais entre Belém-PA e Maceió-AL. Hoje, são 504 pessoas trabalham aqui. Temos 48 hectares plantados nessa fazenda e, recentemente, adquirimos outra fazenda a 30 quilômetros daqui, onde já estamos com 20 hectares plantados”.

Com a implantação do hub aéreo em Fortaleza, a tendência é que os produtores voltem a enviar parte da produção para o mercado exterior. Márcio Maradona informou que a fazenda deixou de exportar há algum tempo, mas com os novos voos para a Europa já estão se preparando para retomar os negócios. “Essa fazenda nasceu em 2001 com o projeto de exportação. De 2008 para 2009 acabaram os voos de Fortaleza para Amsterdã, o que complicou a logística. Agora, com a volta dos voos, vamos reiniciar o projeto de exportação. Temos que fazer um novo projeto, nos adequar à nova realidade. Isso leva tempo. Só devemos estar prontos daqui algum tempo. Não podemos deixar na mão nossos parceiros brasileiros para vender para fora” confidenciou Maradona.

Segundo Silvio Carlos Ribeiro, as expectativas são positivas para um novo crescimento nas exportações. “Com a vinda do hub (aéreo), isso vai abrir uma alternativa boa para os produtores de flores que estão prevendo no segundo semestre o aumento dessas exportações. É uma cadeia produtiva forte. O estado do Ceará tem essa liderança a nível de Nordeste nesse setor e a gente espera um crescimento para os próximos anos muito bom”.

Thomas Reeves é membro da Câmara Temática das Flores da Agência de Desenvolvimento Econômico do Ceará (Adece) e acredita que aliar o potencial de negócios aberto pelo centro de conexões aéreas com um trabalho junto às empresas fortalece a possibilidade de levar os produtos cearenses em grande escala para fora do país. “O hub aéreo veio atender uma necessidade não só do nosso setor, mas acredito que de vários outros em relação a você conseguir novos mercados. Isso abre um leque para que você se torne uma empresa mundial. Alinhando a capacitação para a exportação, com as rotas e um melhor desenvolvimento das empresas para que atuem no mercado internacional, acho que a gente consegue usar o hub de uma forma melhor em benefício do estado”, disse.

Mudando a realidade local

O Ceará possui seis polos produtores de flores, sendo o maior deles o da Serra da Ibiapaba, por contar com fatores geográficos favoráveis. O clima tropical úmido, altitude de 900 metros em relação ao nível do mar e temperatura média anual de 21°C são pontos positivos para o cultivo de flores. Quase três mil horas de sol por ano, ausência de granizo e geadas e a proximidade com a Linha do Equador também contribuem.

Cleidiane Azevedo trabalha há 17 anos na empresa Reijers. Ela começou como cortadora, passando para supervisora de estufa e atualmente está no setor de classificação como supervisora de embalamento. A funcionária conta que construiu sua vida dentro da empresa e tudo que conquistou materialmente foi graças à produção de flores. “Quando iniciei aqui meu filho tinha um ano. Hoje ele está com 18 anos e já deixou o currículo para trabalhar na empresa. Minha filha está com 10 anos e eu a tive aqui. Minha casa e tudo o que tenho saiu daqui. Não me imagino em outro emprego porque amo trabalhar aqui. Isso é tudo para mim”, disse Cleidiane, que chegou à empresa com apenas 19 anos de idade.

Quando jovem, Cleidiane não teve a oportunidade de se qualificar para trabalhar na área, tendo que aprender no dia a dia. Hoje, os jovens da região já contam com a Escola de Flores do Ceará (Tecflores), equipamento do Governo do Ceará administrado pelo Instituto Agropolos do Ceará (IACe). O espaço foi idealizado em 2008 para desenvolver e socializar o conhecimento sobre o cultivo de flores e plantas ornamentais no Estado.

Anualmente é ofertado um curso gratuito para jovens da comunidade que têm entre 18 e 25 anos. São 192 horas/aula divididas em 17 módulos e estágio profissional. As disciplinas abordam temas como Introdução à Floricultura, Produção de Flores Temperadas de Corte, Produção de Rosas, Produção de Folhagens Ornamentais, Agricultura Orgânica, Economia Solidária, Segurança do Trabalho, dentre outros.

Fonte: assessoria Governo do Estado

Corte do Pau da Bandeira de Santo Antônio acontecerá nesta sexta-feira

Um dos momentos mais emblemáticos da Festa de Santo Antônio, em Barbalha, acontecerá nesta sexta-feira, 17. Trata-se do corte do Pau da Bandeira dos festejos deste ano, que ocorrerão de primeiro a 13 de junho próximo. A mobilização dos participantes começa cedinho, com a concentração, por volta das 6h30min, no Mercado Central, de onde saem para a derrubada do mastro, que terá 26 metros e pesará cerca de duas toneladas. O mastro será retirado do angico, árvore conhecida pela boa qualidade de sua madeira.
Agora, a madeira extraída passará por um processo de secagem até o dia dois de junho, data em que será realizada a Festa do Pau da Bandeira. Este é um dos eventos mais esperados e reúne milhares de pessoas, entre moradores e visitantes. Há um ritual, que começa por volta das 6 horas da manhã, com uma oração feita pelos carregadores mais antigos, antes mesmo de colocarem o mastro sobre os ombros. Já em caminhada, um sacerdote dará a bênção. Durante o percurso, entoam músicas tradicionais sobre o tema “Pau da Bandeira”, acompanhados por um carro de som.
A Festa do Pau da Bandeira de Santo Antônio, em Barbalha, tem reconhecimento como Patrimônio Cultural de natureza imaterial do Ceará. A decisão do IPHAN ocorreu no dia 13 de dezembro do ano passado. O ato permite ao governo estadual implementar uma política efetiva voltada para o evento, com ações que salvaguardem todo o seu valor histórico, cultural e religioso. Em 2015, a Festa entrou no livro das celebrações registradas como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, a primeira no Ceará a ter esse reconhecimento no âmbito nacional.

Fernando Santana protocola requerimentos solicitando CNH Popular para 16 municípios

O Deputado Estadual Fernando Santana (PT) protocolou na ultima quarta-feira (15/05) 16 requerimentos solicitando a CNH Popular para os municípios de Barbalha, Juazeiro do Norte, Crato, Mauriti, Salitre, Jardim, Farias Brito, Caririaçu, Missão Velha, Assaré, Altaneira, Saboeiro, Aurora, Palhano, Antonia do Norte, e Russas.

A CNH Social é um benefício oferecido pelo Governo Federal em parceria com o Projeto Incluir, DETRAN ou o SEST/ SENAT de alguns estados do país. Com o auxílio do programa CNH Social, pessoas de baixa renda podem ter acesso a sua Carteira Nacional de Habilitação gratuitamente.

Haddad: ‘Onde já se viu escolher a educação como inimiga do País?’

Para Haddad, a dimensão das manifestações é uma resposta à “provocação” feita pelo governo

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, candidato derrotado do PT à Presidência, disse que os atos desta quarta-feira, 15, em defesa da educação marcam o início do questionamento popular ao governo Jair Bolsonaro.

“É o começo do questionamento desse projeto. Não é um projeto inclusivo, não é para todos os brasileiros. Esperamos que todos os brasileiros, inclusive quem não votou nele, sejam ouvidos”, disse Haddad.

De acordo com Haddad, a dimensão das manifestações é uma resposta à “provocação” feita pelo governo que segundo ele, elegeu a educação pública como adversária. “É uma resposta à altura da provocação. Onde já se viu escolher a educação como inimiga do País?”, questionou.

Haddad ficou no ato das 15h30 às 18h e foi ovacionado por manifestantes. Acompanhado da mulher, Ana Estela, ele foi agarrado, abraçado e puxado por manifestantes que se acotovelaram para tirar selfies com o ex-presidenciável.

Fonte: Notícias ao Minuto