Empresas de Feira de Santana têm vagas para garçom, cabeleireiro e gerente de produçãoEmpresas de Feira de Santana têm vagas para garçom, cabeleireiro e gerente de produção

Empresas localizadas na cidade de Feira de Santana, a cerca de 100 km de Salvador, divulgaram as vagas disponíveis para o município no sábado (10). Há oportunidades para encarregado de produção, cabelereiro, garçons e projetista.[Confira a lista abaixo]

Encarregado de produção

Experiência comprovada

Enviar currículo para o e-mail rh01deltarefrigeracao@gmail.com

1 vaga

Garçom

Enviar currículo para o e-mail taboosteakbar@hotmail.com

2 vagas

Garçonete

Enviar currículo para o e-mail taboosteakbar@hotmail.com

2 vagas

Caixa de lanchonete

Enviar currículo para o e-mail taboosteakbar@hotmail.com

1 vaga

Cabeleireiro

Experiência comprovada

Ligar para 75 3483-7376 ou 75 99173-2517

1 vaga

Gerente de produção

Experiência comprovada na área de metalurgia

Ligar para 75 99270-6778 ou 75 99111-6503

1 vaga

Projetista

Experiência comprovada na área de metalurgia

Ligar para 75 99270-6778 ou 75 99111-6503

1 vaga

Orçamentista

Experiência comprovada na área de metalurgia

Ligar para 75 99270-6778 ou 75 99111-6503

1 vaga

Fonte: G1

Bandidos explodem caixas eletrônicos e cofre de agência na BA; grupo incendiou carros durante fuga

Cerca de 30 homens fortemente armados explodiram caixas eletrônicos e o cofre de uma agência do Banco do Brasil, na cidade de Conceição da Feira, a 120 quilômetros de Salvador, na madrugada deste sábado (10).

Testemunhas relataram à polícia que o grupo chegou por volta das 2h e dispararam tiros pela cidade. Além disso, um carro foi explodido na frente da agência bancária, segundo informou a polícia.

Banco ficou destruído após ação — Foto: Madalena Braga/TV SubaéBanco ficou destruído após ação — Foto: Madalena Braga/TV Subaé

Banco ficou destruído após ação — Foto: Madalena Braga/TV Subaé

Em seguida, os bandidos usaram explosivos na agência para acessar o dinheiro o cofre e caixas eletrônicos. Não há informações sobre a quantia levada.

Após atacar a agência, o grupo colocou fogo em carros e fizeram barricadas nas ruas para evitar a chegada da polícia durante a fuga. Com a explosão, a agência ficou destruída.

Esta é a única agência bancária da cidade. Além dela, tem só um posto do Bradesco com caixa eletrônico para autoatendimento e uma lotérica.

Nenhum suspeito havia sido preso até a publicação desta reportagem.

Agência é a única da cidade de Conceição da Feira — Foto: Madalena Braga/TV SubaéAgência é a única da cidade de Conceição da Feira — Foto: Madalena Braga/TV Subaé

Agência é a única da cidade de Conceição da Feira — Foto: Madalena Braga/TV Subaé

Fonte: G1

IFPE prorroga inscrições com mais de 4,5 mil vagas para o vestibular 2019.1

Foram prorrogadas até o dia 19 de novembro as inscrições para o Vestibular 2019.1 do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE). Ao todo, são oferecidas 4.538 vagas para 65 cursos técnicos e superiores em 16 campi no Grande Recife, na Zona da Mata, Agreste e Sertão do estado.

A inscrição pode ser feita pela internet, no site da Comissão de Vestibulares e Concursos do IFPE. Na página, o candidato deve preencher a ficha de inscrição e emitir o boleto da taxa, que custa R$ 30 para cursos técnicos e R$ 55 para cursos superiores.

O valor pode ser pago até 20 de novembro, exclusivamente em agências do Banco do Brasil. O edital do processo seletivo também está disponível na internet.

As provas acontecem no dia 16 de dezembro e têm duração de três horas para cursos técnicos e de quatro horas para cursos superiores. A divulgação do listão dos aprovados está prevista para 7 de janeiro de 2019.

Quem tem algum tipo de deficiência física, intelectual ou sensorial pode solicitar condições especiais para responder as questões da prova até o dia 20 de novembro. É preciso apresentar, no campus em que pretende concorrer à vaga, o requerimento disponível no edital que regulamenta o processo seletivo junto com o atestado médico contendo diagnóstico e Código Internacional de Doenças (CID).

Candidatos enfermos e impossibilitados de comparecer ao local de prova também podem solicitar realização de prova em ambiente hospitalar ou em sua residência.

Fonte: G1

Congresso já armou bomba fiscal de R$ 259 bilhões para Bolsonaro

No último ano do atual mandato, deputados e senadores armaram para o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), uma bomba fiscal de ao menos R$ 259 bilhões, mostra levantamento da Folha de S.Paulo.

O valor refere-se ao impacto nas contas públicas, nos próximos quatro anos, causado por dez projetos aprovados ou que avançaram no Congresso em 2018.

Apesar de o Orçamento estar sob regência de um teto que barra a expansão de gastos, os parlamentares aceleraram propostas que vão na direção contrária, seja com matérias de autoria do Legislativo, pressão por concessões em projetos editados pelo governo ou derrubada de vetos presidenciais.

 

As eleições deste ano, que vão deixar a maior parte dos atuais parlamentares sem vaga no Congresso a partir do ano que vem, não impediram a aprovação da chamada bomba fiscal. O resultado das urnas vai promover uma renovação de 51% da Câmara e de 85% das vagas disputadas no Senado.

Nesta semana, os senadores aprovaram aumento de 16% nos salários dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). O reajuste provoca um efeito em cascata que leva a aumentos salariais em todas as esferas do serviço público.

O impacto anual da medida chegou a ser estimado em R$ 4 bilhões, mas novo cálculo da consultoria de Orçamento do Senado diz que o custo será de R$ 5,3 bilhões ao ano.

Aplicada aos quatro anos de mandato de Bolsonaro, essa conta somará R$ 21,2 bilhões. Utilizando a mesma lógica aos outros projetos analisados que geram impactos anuais diversos, essa fatura chega a R$ 259 bilhões.

Também nesta semana, os parlamentares aprovaram a medida provisória do Rota 2030, que estabelece incentivos fiscais a montadoras de veículos. O projeto contraria as ideias da equipe de Bolsonaro, que critica a concessão de benefícios setoriais.

O custo anual será de R$ 2,1 bilhões, mas o texto foi alterado para incluir penduricalhos que vão elevar o impacto.

Benefícios do Reintegra, regime que dá crédito tributário a exportadores, foram ampliados e novos setores foram desonerados. Não há estimativa de custo dessas alterações.

Também foi incluída a prorrogação do regime que concede benefícios a montadoras instaladas no Nordeste. O programa tem custo anual de R$ 4,6 bilhões e terminaria em 2020. Agora, irá até 2025.

Após a aprovação, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), negou que o Congresso esteja produzindo bombas para estourar no governo Bolsonaro.

“Para evitar manchetes de jornal de que estamos produzindo pautas-bombas, quero evitar esse discurso fácil de pauta-bomba. Ao mesmo tempo que se prorroga o prazo [dos benefícios], faz uma redução dos incentivos hoje existentes em 40%”, disse na quinta-feira (8).

Entre as medidas aprovadas pelos parlamentares neste ano, está o refinanciamento de dívidas para pequenos produtores rurais. Na tramitação, houve ampliação dos benefícios e do número de agricultores aptos a aderir ao programa, elevando o custo ao Orçamento de R$ 1,6 bilhão para R$ 5,3 bilhões. O texto foi parcialmente vetado e será novamente analisado pelo Legislativo.

O Congresso também entrou em Confronto com o governo depois que Temer editou um decreto que reduziu a alíquota de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) de concentrado de refrigerantes de 20% para 4%. Quanto menor a alíquota, menos créditos fiscais são gerados pelo setor.

Primeiro, o Senado aprovou uma medida para derrubar o decreto. O texto aguarda análise da Câmara. Depois, com pressão do setor e de parlamentares, o governo editou novo decreto restabelecendo parte do benefício. O recuo vai custar cerca de R$ 700 milhões aos cofres púbicos em 2019.

A lista da pautas-bomba tem a liberação da venda direta de etanol das usinas aos postos de combustível (custo R$ 2,4 bilhões ao ano), benefícios para transportado- ras (R$ 9 bilhões ao ano) e a derrubada de vetos para autorizar o refinanciamento de dívidas de pequenas empresas (R$ 7,8 bilhões em dez anos) e reajuste salarial a agentes comunitários de saúde (R$ 4,8 bilhões).

O governo ainda tenta adiar reajustes de servidores de 2019 para 2020, o que poderia gerar uma economia de R$ 4,7 bilhões. Apresentada em setembro, a medida que trata do tema nem sequer teve comissão instalada pelo Congresso. O texto precisa ser aprovado até 10 de fevereiro de 2019, ou perderá a validade.

Parlamentares pressionam também pela compensação da União aos estados pela desoneração de ICMS na exportação. Projeto sobre o tema, com custo anual de R$ 39 bilhões, foi aprovado em comissão mista e precisa ser votado nos plenários da Câmara e do Senado. Com informações da Folhapress.

Fonte: notícias ao minuto

Mourão se diz ‘impressionado’ após reunião com cúpula da Petrobras

O vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão, disse ter ficado “muito bem impressionado” após reunião com a cúpula da Petrobras na manhã desta sexta (9). Ele elogiou a gestão da estatal, ao afirmar que o processo de recuperação financeira da companhia pode servir de exemplo para o governo Jair Bolsonaro.

Foi o primeiro encontro de representante da equipe de transição com a direção da estatal, que vive a expectativa de mudanças com o novo governo. Mourão diz que ainda não há definição sobre novos nomes para a diretoria e não descartou a permanência de executivos da gestão atual.

“Tem muita gente boa no mercado e dentro da empresa, na própria equipe que está aí.”

 

Na reunião, que teve a participação do presidente da estatal, Ivan Monteiro, e de seus sete diretores, Mourão ouviu uma apresentação sobre a situação financeira e os planos de investimentos futuros.

“Saí muito bem impressionado”, escreveu o vice-presidente eleito em uma rede social logo após o encontro. Mais tarde, afirmou à reportagem ter ficado “satisfeito com o processo de recuperação da empresa, que foi destruída pelos governos anteriores”.

Ao ser questionado se achava que o modelo de gestão atual poderia ser mantido, disse que ele “serve de exemplo para o próprio governo”, que terá de lidar com a crise fiscal.

Na terça (6), a Petrobras anunciou lucro de R$ 6,6 bilhões no terceiro trimestre, abaixo do esperado pelo mercado para o período, mas 25 vezes maior do que no mesmo trimestre do ano anterior.

O resultado teve o impacto negativo de acordo de R$ 3,5 bilhões para encerrar investigações sobre corrupção nos Estados Unidos. A companhia anunciou ainda a distribuição de R$ 1,3 bilhão aos acionistas pelo resultado do trimestre.”

O mandato da atual direção da companhia vence em março de 2019, mas há no mercado a expectativa de mudanças já no início do governo. Com informações da Folhapress.

Fonte: notícias ao minuto

Bolsa zera perdas no dia, mas termina semana com queda de 3%

A Bolsa brasileira fechou praticamente estável nesta sexta-feira (9), após um pregão de volatilidade em que o mercado brasileiro chegou a cair quase 2%. A influência negativa veio do exterior, que mostrou perdas nos principais países.

O Ibovespa, principal índice acionário avançou 0,02%, a 85.641 pontos nesta sexta, com giro financeiro foi de R$ 16 bilhões.

 

Com a recuperação no final da sessão, o mercado interrompeu três dias de baixa que fizeram a Bolsa voltar aos 85 mil pontos depois de ter atingido o recorde de 89.598 pontos na segunda.

Na semana, a perda acumulada é de 3,14%, a primeira queda semanal do Ibovespa desde setembro.

O desempenho da sexta foi liderado pela queda de mais de 4% nos papéis da Vale. A companhia sofre com temores de menor crescimento da China, que teria impacto na demanda por produtos de mineradoras.

Foi o receio de uma desaceleração econômica mundial que elevou a aversão a risco nos mercados nesta sexta. As perdas foram ecumênicas, se espalharam pela Ásia, Europa e Estados Unidos.

No mercado local, o dia foi esvaziado de notícias sobre medidas econômicas do governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). Investidores aguardam sinalizações mais concretas sobre a reforma da Previdência, considerada prioritária para o equilíbrio das contas públicas.

O dólar fechou perto da estabilidade pelo segundo pregão consecutivo, a R$ 3,7370. Com informações da Folhapress.

Fonte: notícias ao minuto