Estacionamento de Aeroporto de Juazeiro do Norte-CE agora tem livre acesso determinado por Juiz

Por Agência News Cariri

Foi determinado nesta terça-feira, dia 16, que o estacionamento privativo no aeroporto Orlando de Menezes seja desmontado e que os motoristas agora possam ter livre acesso ao local. A ordem partiu do Juiz Federal,  Fabrício de Lima da 16° vara Federal.

Por  determinação, as duas empresas terão que desfazer a construção  que faz com que o local fique privado e liberar o acesso em um trecho da Avenida Virgílio Távora e da  praça Capitão Aviador Samuel  Wagner Almeida.  

 

CANDIDATA DE JUAZEIRO DO NORTE FICA EM SEGUNDO LUGAR EM CONCURSO MISS PLUS SIZE CEARÁ

A juazeirense Sanucia Pereira, de 28 anos, garantiu o segundo lugar na disputa do Miss Plus Size Ceará, disputado na última terça-feira (16) em Fortaleza, no Ceará. 

Sanucia Pereira é natural do município de Juazeiro do Norte, passou 7 meses se preparando para o concurso, recebendo aulas de passarela, moda e maquiagem, se dividindo entre sua terra natal e a capital cearense para participar dos compromissos de misses e eventos de patrocinadores. Para o grande evento ela teve seu vestido assinado pela estilista Cássia Filgueira, do Ateliê de Alta Custura. Cabelos feito por Cleide, técnica da empresa Sabariz Produção de Beleza com produtos Maxiline. Maquiagem assinada por Linda Siaria, sandálias patrocinadas pela Frio System Refrigeração e acessórios por Adriana Jóias.

“Gostaria de agradecer ao povo do meu Cariri por todo apoio e carinho. Só tenho a agradecer por tudo que está acontecendo em minha vida e dizer que continuarei com meu objetivo, que é incentivar outras mulheres a realizar seus sonhos.”, disse a Miss Plus Size Juazeiro do Norte.

 

Banco do Nordeste oferece capital de giro a partir de 0,5% ao mês

A chegada dos últimos meses do ano historicamente aquece a economia e aumenta a procura por capital de giro para formação de estoques entre comerciantes e prestadores de serviços. O Banco do Nordeste oferece o recurso para empresas de todos os portes com taxa de juros a partir de 0,5% ao mês. O pagamento das parcelas pode começar só em 2019: no BNB a carência é de até três meses, com prazos de até 18 meses para quitar o empréstimo.

 

O capital do giro do Banco do Nordeste financia aquisição de mercadorias destinadas à constituição de estoques de empresas comerciantes, aquisição de matérias-primas e insumos utilizados no processo produtivo por prestadoras de serviços e indústrias e gastos gerais para o funcionamento do empreendimento.

 

O crédito também está disponível para agroindústrias e empresas turísticas. A garantia da operação pode ser aval, fiança ou hipoteca.

 

Para empreendimentos que faturam até R$ 16 milhões por ano, 100% do capital de giro oferecido pelo BNB vêm do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), operado exclusivamente pela instituição. Para empresas de maior porte, pelo menos 80% dos recursos são do FNE.

 

As condições de financiamento podem ser simuladas pela internet no endereçowww.bnb.gov.br/simuladores/fnegiro. A rede de atendimento aos clientes do BNB é composta por 292 agências distribuídas em todo o Nordeste, norte de Minas Gerais e norte do Espírito Santo. Informações sobre crédito podem ser obtidas também por telefone, pelo número 0800 728 3030

Contagem regressiva para o show mais esperado do ano no Cariri com Wesley Safadão em Juazeiro do Norte-CE

Por Agência News Cariri

E faltam apenas três dias para que um dos maiores artistas da música brasileira leve toda a sua alegria para o  Cariri Garden Shopping em Juazeiro do Norte-CE. No próximo sábado, dia 20, Wesley Safadão, é uma das atrações da noite do evento que foi organizado por Yuri do Paredão entretenimento.

 Na ocasião, mais dois talentos, sendo Gabriel Diniz e Jonas Esticado  também realizam shows no local. Para adquirir o ingresso, basta ir até Espaço Salão de beleza Belarus, Garden Shopping, no Escritório Yury Paredão, (Rua Horácio Campelo N° 500) ou nas Farmácias Gentil, (Crato e Juazeiro).

 A estrutura do local foi pensada de forma a deixar os presentes confortáveis,  com três entradas ( Gold-inteira e estudante, Gold e Premium) , Bar, área de beleza e alimentação e  banheiros dos dois lados do Palco.

 Veja abaixo a estrutura completa do local:  

Serviço:

ONDE: Garden Shopping

QUANDO: 20 de Outubro

ATRAÇÕES: Wesley Safadão, Gabriel Diniz e Jonas Esticado 

INGRESSOS: Espaço Salão de beleza Belarus, Garden Shopping

Escritório Yury Paredão, (Rua Horácio Campelo N° 500)

Farmácias Gentil, (Crato e Juazeiro)

Vendas Online, Bilhete Certo, https://www.bilhetecerto.com.br/

INFORMAÇÕES: (88) 35122683

 

Operação busca suspeita de aplicar golpes em aposentados e pensionistas em Teotônio Vilela

A Polícia Civil realizou, nesta quarta-feira (17), uma operação contra uma suspeita de aplicar golpes em idosos em Teotônio Vilela, no Agreste de Alagoas. Segundo a polícia, ela fazia empréstimos sem o conhecimento das vítimas.

Durante a operação, foram cumpridos mandados de prisão, busca e apreensão em duas empresas da Nobre Empréstimos, que fica no centro da cidade, onde foram apreendidos contratos antigos, formulários novos e computadores.

A suspeita, identificada como Ivana Nobre dos Santos, é proprietária da empresa e está foragida.

De acordo com o delegado Arthur César, do 79º Distrito Policial do município, mais de 30 pessoas registraram boletim de ocorrência desde 2011. Ele afirma que a média de empréstimos feitos pela empresa foi de R$ 2 mil, o que ocasionou um prejuízo entre R$ 500 mil e R$ 1 milhão.

“Essas pessoas, que são aposentados e pensionistas, vêm relatando que são feitos empréstimos e seguros nos seus nomes, sem o consentimento. Ao analisar, percebemos que todas as vítimas já tinham realizado empréstimo com eles [da Nobre Empréstimos]. Então, chegamos a conclusão de que eles pegavam os documentos das vítimas que já tinham cadastrados e realizavam novos empréstimos”, explicou o delegado.

Ainda segundo o delegado, algumas das vítimas só percebiam o golpe muito tempo depois do desconto.

“São pessoas idosas, que já têm outros empréstimos. Então geralmente descontava em média R$ 35 por mês e elas nem percebiam. Quando iam perceber já vinha sendo descontados há meses”, disse.

De acordo com Arthur César, o marido da suspeita, identificado como Rogério Alves da Silva, foi preso há 15 dias pelo mesmo crime.

A polícia pede que as pessoas que já realizaram empréstimo no estabelecimento, verifiquem se foram vítimas do golpe e procurem a delegacia do município para registrar o crime.

Fonte: G1

Investigação policial conclui que morte de Moa do Katendê foi motivada por briga política; inquérito foi enviado ao MP

O inquérito policial que apurou oassassinato de Romualdo Rosário da Costa, conhecido como Moa do Katendê, foi concluído pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e encaminhado ao Ministério Público do Estado (MP-BA), na segunda-feira (15). A informação foi divulgada nesta quarta-feira (17) pela Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA).

Conforme a SSP-BA, o inquérito concluiu que o crime, ocorrido na madrugada de 8 de outubro, foi motivado por uma discussão político-partidária entre Moa e Paulo Sérgio Ferreira de Santana, de 36 anos, que está preso. Moa, conforme apontam as investigações, disse a Paulo Sérgio que era contra o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL).

Além do depoimento de Paulo Sérgio, que continua preso, o dono do bar onde aconteceu o crime, entre outras testemunhas, confirmaram que posições políticas adversas iniciaram a discussão.

As investigações apontam ainda que, após Moa ter dito que votou em Fernando Haddad (PT), Paulo pagou a conta no bar, foi até a casa onde morava, voltou ao estabelecimento e atacou o mestre de capoeira com 12 facadas pelas costas. Um primo de Moa do Katendê também acabou ferido.

Homenagens

Familiares, amigos e admiradores prestam homenagem a mestre Moa do Katendê

Familiares, amigos e admiradores prestam homenagem a mestre Moa do Katendê

Um grupo com dezenas de pessoas participou de um ato em homenagem a Moa do Katendê, na noite de terça-feira (16), no Largo do Pelourinho, Centro Histórico de Salvador.

Vestidos de branco, grupos de coletivos de identidades negras e capoeiristas participaram da mobilização após a tradicional missa celebrada às terças-feiras, na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, no Centro Histórico. Integrantes dos grupos Ilê Aiyê, Olodum e Filhos de Gandhy marcaram presença.

Uma faixa grande com a hashtag “Moa vive” foi colocada na fachada do Museu da Cidade.

O compositor, dançarino, capoeirista, ogã-percussionista, artesão e educador na propagação da cultura afro-brasileira completaria 64 anos de vida no dia 29 deste mês de outubro.

Na manhã do sábado (13), familiares e amigos já tinham se reunido na missa de sétimo dia de Moa do Katendê. O ritual religioso também foi realizado na Igreja de Nossa Senhora do Rosários dos Pretos.

Dezenas de pessoas participam de ato em homenagem a Moa do Katendê no Pelourinho — Foto: Giana Matiazzi/TV Bahia Dezenas de pessoas participam de ato em homenagem a Moa do Katendê no Pelourinho — Foto: Giana Matiazzi/TV Bahia

Dezenas de pessoas participam de ato em homenagem a Moa do Katendê no Pelourinho — Foto: Giana Matiazzi/TV Bahia

Fonte: G1

Mães de bebês com microcefalia lutam contra a pobreza e o desespero

Aproximadamente três anos depois de o surto de Zika no Brasil causar milhares de casos de microcefalia e outras anormalidades devastadoras em recém-nascidos, a agência Reuters voltou para observar as mães e seus filhos.

O Zika, primeiro vírus de um mosquito conhecido por afetar fetos em desenvolvimento, desapareceu das manchetes dos jornais, mas órgãos mundiais de saúde temem a disseminação para novas populações. Em Angola, vários bebês nascidos com microcefalia desde 2017 parecem relacionados à mesma tensão que atingiu a América Latina.

Rosana Vieira Alves, de 28 anos, sorri com a filha de dois anos Luana Vieira, que nasceu com microcefalia, durante uma avaliação com um fisioterapeuta na Fundação Altino Ventura, no Recife — Foto: Ueslei Marcelino/ReutersRosana Vieira Alves, de 28 anos, sorri com a filha de dois anos Luana Vieira, que nasceu com microcefalia, durante uma avaliação com um fisioterapeuta na Fundação Altino Ventura, no Recife — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Rosana Vieira Alves, de 28 anos, sorri com a filha de dois anos Luana Vieira, que nasceu com microcefalia, durante uma avaliação com um fisioterapeuta na Fundação Altino Ventura, no Recife — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

No Nordeste do Brasil, a reportagem conversou com aproximadamente 30 mães que contraíram o Zika vírus durante a gravidez. A maioria delas foi abandonada pelos maridos e cuida sozinha das crianças.

Muitas das mulheres já se habituaram após o choque inicial da deficiência das crianças, abrindo mão dos sonhos das próprias carreiras para a realidade de cuidado integral de uma criança que pode nunca andar ou falar.

Muitas delas lutam para conseguir uma ajuda mensal de R$ 954, que deve cobrir despesas de casa, comida, medicações e transporte pare frequentes visitas a médicos.

Muitas procuram conforto entre as mães cujas crianças dividem a mesma aflição. Outras expressam gratidão a membros da família ou amigos que oferecem um descanso da rotina cansativa. Muitas delas confessaram ter desespero e depressão, e algumas consideraram suicídio. Mas elas têm em comum o amor forte pelas crianças e a esperança de uma vida melhor.

Quatro delas nos mostraram um pedaço de suas rotinas em casas simples nas periferias do Recife e de Olinda, duas cidades no estado de Pernambuco.

Gabriela Alves de Azevedo, 22, segura a filha de dois anos Ana Sophia, que nasceu com microcefalia, na casa delas em Olinda — Foto: Ueslei Marcelino/ReutersGabriela Alves de Azevedo, 22, segura a filha de dois anos Ana Sophia, que nasceu com microcefalia, na casa delas em Olinda — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Gabriela Alves de Azevedo, 22, segura a filha de dois anos Ana Sophia, que nasceu com microcefalia, na casa delas em Olinda — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Gabriela Alves de Azevedo, 22, mora na periferia de Olinda com a filha, Ana Sophia, atualmente com três anos de idade.

Ana Sophia tem microcefalia, uma anomalia rara marcada pelo tamanho pequeno da cabeça, que significa que o cérebro se desenvolveu parcialmente durante a gestação. Antes do Zika, anomalias como essa nunca haviam sido relacionadas a doenças transmitidas por um mosquito. Além dos problemas no desenvolvimento, Ana Sophia tem problemas de visão, audição e para engolir.

Gabriela Alves de Azevedo dá banho na filha com quatro meses Ana Sophia, que nasceu com microcefalia, na casa delas em Olinda, em março de 2016 — Foto: Ueslei Marcelino/ReutersGabriela Alves de Azevedo dá banho na filha com quatro meses Ana Sophia, que nasceu com microcefalia, na casa delas em Olinda, em março de 2016 — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Gabriela Alves de Azevedo dá banho na filha com quatro meses Ana Sophia, que nasceu com microcefalia, na casa delas em Olinda, em março de 2016 — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Gabriela planejava terminar o ensino médio e estudar fisioterapia. Agora, ela passa os dias cuidando da filha. O marido a abandonou pouco depois do nascimento de Ana Sophia. Ele não podia aceitar a condição da filha, diz Gabriela, e não paga pensão

“Eu fiquei em depressão e minha família me ajudou”, disse. “Se não fosse por eles, eu teria ficado louca”.

Gabriela Alves de Azevedo, 22, segura a filha de dois anos Ana Sophia, que nasceu com microcefalia, na casa delas em Olinda — Foto: Ueslei Marcelino/ReutersGabriela Alves de Azevedo, 22, segura a filha de dois anos Ana Sophia, que nasceu com microcefalia, na casa delas em Olinda — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Gabriela Alves de Azevedo, 22, segura a filha de dois anos Ana Sophia, que nasceu com microcefalia, na casa delas em Olinda — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Hoje, alguns parentes dão apoio moral e a avó paterna de Ana Sophia ajuda com os cuidados do dia-a-dia.

Gabriela faz exercícios de fisioterapia em casa com a filha e acredita que a saúde dela melhorou.

“Hoje em dia eu trato minha filha como uma criança normal. Eu sei que ela tem a deficiência, mas eu finjo que ela não tem.”

Gleyse Kelly da Silva, de 28, segura a filha de dois anos Maria Giovanna, na casa onde moram no Recife — Foto: Ueslei Marcelino/ReutersGleyse Kelly da Silva, de 28, segura a filha de dois anos Maria Giovanna, na casa onde moram no Recife — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Gleyse Kelly da Silva, de 28, segura a filha de dois anos Maria Giovanna, na casa onde moram no Recife — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Gleyse Kelly da Silva, 28, recebe ajuda do marido e da mãe para cuidar da filha de três anos, Maria Giovanna da Silva, “Gigi”. Mas o fardo ainda é pesado e obrigou-a a abandonar o cargo de atendente de pedágio.

Depois que Gigi nasceu, foram feitas várias consultas com equipes médicas para tentar entender os efeitos do Zika. A frequências das visitas diminuiu, mas os desafios médicos de Gigi são grandes.

Maria Giovanna "Gigi" da Silva, que tem dois anos e nasceu com microcefalia, sentada na casa em que mora, no Recife — Foto: Ueslei Marcelino/ReutersMaria Giovanna "Gigi" da Silva, que tem dois anos e nasceu com microcefalia, sentada na casa em que mora, no Recife — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Maria Giovanna “Gigi” da Silva, que tem dois anos e nasceu com microcefalia, sentada na casa em que mora, no Recife — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

“As pessoas não respeitam os direitos da minha filha”, diz. Outras mães contaram histórias semelhantes a ela, como a de um passageiro de ônibus que se recusou a seguir viagem com “esse demônio”, referindo-se a um bebê com microcefalia.

Lutas como essa incentivaram Gleyse a ajudar a criar a União de Mães de Anjos, que fornece apoio moral e logístico para mães de crianças com microcefalia. Atualmente, o grupo ajuda mais de 250 famílias em Pernambuco.

Gleyse diz que algumas mães abandonaram os filhos devido aos vários desafios, deixando as crianças com avós ou outros familiares. Ela está determinada a criar um lugar no mundo para crianças como Gigi. O conselho para outras mães: “nunca desistam”.

Jackeline Vieira de Souza (de vermelho), 28, mãe de Daniel Vieira, que tem dois anos de idade e nasceu com microcefalia, durante uma sessão de fisioterapia na APAE, no Recife — Foto: Ueslei Marcelino/ReutersJackeline Vieira de Souza (de vermelho), 28, mãe de Daniel Vieira, que tem dois anos de idade e nasceu com microcefalia, durante uma sessão de fisioterapia na APAE, no Recife — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Jackeline Vieira de Souza (de vermelho), 28, mãe de Daniel Vieira, que tem dois anos de idade e nasceu com microcefalia, durante uma sessão de fisioterapia na APAE, no Recife — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Há alguns anos, Jackeline Vieira de Souza, 28, de Olinda, lutou para superar uma complicação rara de uma gravidez e sobreviver a um câncer.

“Meu sonho era ser mãe outra vez”, diz ela.

Jackeline Vieira de Souza,  então com 26 anos, segurando o filho de quatro meses Daniel, em Olinda, em 2016 — Foto: Ueslei Marcelino/ReutersJackeline Vieira de Souza,  então com 26 anos, segurando o filho de quatro meses Daniel, em Olinda, em 2016 — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Jackeline Vieira de Souza, então com 26 anos, segurando o filho de quatro meses Daniel, em Olinda, em 2016 — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Em 2015, o desejo se realizou. Mas durante a gestação, ela descobriu que o filho, Daniel Vieira de Oliveira, tinha microcefalia.

“Quando ele nasceu, eu me apaixonei por ele porque eu sabia que ele seria uma coisa boa na minha vida, mesmo com as dificuldades que eu teria que enfrentar.”

Daniel Vieira, que tem dois anos e nasceu com microcefalia, é abraçado pelo irmão na casa em que moram em Olinda — Foto: Ueslei Marcelino/ReutersDaniel Vieira, que tem dois anos e nasceu com microcefalia, é abraçado pelo irmão na casa em que moram em Olinda — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Daniel Vieira, que tem dois anos e nasceu com microcefalia, é abraçado pelo irmão na casa em que moram em Olinda — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

O pai de Daniel se separou de Jackeline logo depois de saber que o filho tinha microcefalia. Ele paga mensalmente um valor para ajudar a família, além de uma ajuda de custo mensal que Jackeline ganha do governo.

São necessárias algumas horas para ir de ônibus de sua casa, em Olinda, até o Recife, onde Daniel faz tratamentos. Ultimamente, essas viagens são menos frequentes e Jackeline acredita que a saúde de Daniel está mais estável.

Ela não acredita que o filho vai andar, comer sozinho ou ter uma vida normal. Ainda assim, ela é grata pelo “milagre” de ter um filho, que faz com que ela se sinta “feliz e mais realizada”.

Luana Vieira, que tem dois anos de idade e nasceu com microcefalia, deitada no sofá após tomar banho, em casa, em Olinda — Foto: Ueslei Marcelino/ReutersLuana Vieira, que tem dois anos de idade e nasceu com microcefalia, deitada no sofá após tomar banho, em casa, em Olinda — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Luana Vieira, que tem dois anos de idade e nasceu com microcefalia, deitada no sofá após tomar banho, em casa, em Olinda — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Rosana Vieira Alves, 28, tem três filhas, mas praticamente toda a atenção vai para a caçula, Luana Vieira da Silva, de três anos.

“É difícil lidar com as meninas. Algumas são ciumentas, mas Luana precisa de mais cuidado. Algum dia elas vão entender.”

Luana Vieira, que tem dois anos e nasceu com microcefalia, é empurrada na cadeira de rodas pela irmã Vitoria Evillen, próximo a quadra do condomínio em que moram, em Olinda — Foto: Ueslei Marcelino/ReutersLuana Vieira, que tem dois anos e nasceu com microcefalia, é empurrada na cadeira de rodas pela irmã Vitoria Evillen, próximo a quadra do condomínio em que moram, em Olinda — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Luana Vieira, que tem dois anos e nasceu com microcefalia, é empurrada na cadeira de rodas pela irmã Vitoria Evillen, próximo a quadra do condomínio em que moram, em Olinda — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Rosana não tem ajuda da família e tem que arcar com os custos de aluguel e dos remédios de Luana. Ela conta que foi uma vitória ter conseguido uma cadeira de rodas para a filha e se preocupa com as quatro cirurgias que a menina precisa fazer para corrigir problemas de visão, intestino e a posição dos quadris e dos pés.

As necessidades levaram Rosana a lugares escuros, e ela confessa ter pensado em suicídio. Mas ela ainda sonha com um futuro melhor e espera conseguir um diploma em contabilidade ou engenharia civil.

“Tenho certeza que algum dia eu vou chegar lá”, disse.

Rosana Vieira Alves, de 28 anos, alimenta a filha de dois anos Luana Vieira, que nasceu com microcefalia — Foto: Ueslei Marcelino/ReutersRosana Vieira Alves, de 28 anos, alimenta a filha de dois anos Luana Vieira, que nasceu com microcefalia — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Rosana Vieira Alves, de 28 anos, alimenta a filha de dois anos Luana Vieira, que nasceu com microcefalia — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Fonte: G1

Olinda abre seleção simplificada para 48 profissionais de saúde com salários de até R$ 7 mil

A Secretaria de Saúde de Olinda abriu inscrições para uma seleção simplificada para 48 profissionais. Há vagas para os níveis médio, técnico e superior, com salários de até R$ 7 mil. As inscrições podem ser feitas até 30 de outubro, na sede da Secretaria de Saúde de Olinda, na Rua do Sol, nº 311, no Carmo.

Além da ficha de inscrição preenchida, o candidato deve anexar cópias dos documentos de identidade, CPF, comprovante de residência e certificado de conclusão de escolaridade de uma instituição reconhecida oficialmente pelo Ministério da Educação.

Caso o candidato opte pela inscrição por via postal, o envelope com a ficha e os documentos exigidos deve ser enviado para a sede da Secretaria de Saúde de Olinda, até o dia 30 de outubro. Nos dois casos, a seleção simplificada não cobra taxa de inscrição.

O processo é feito em uma única etapa de avaliação curricular, que consiste na análise da experiência profissional e dos títulos dos candidatos. O edital está disponível no Diário Oficial dos Municípios do dia 16 de outubro.

Os contratos têm prazo de vigência de até 12 meses, podendo ser prorrogados pelo mesmo período conforme a necessidade dos serviços executado.

A divulgação do resultado da seleção está prevista para o dia 12 de novembro, no site da Prefeitura de Olinda, no Diário Oficial dos municípios de Pernambuco e na sede da Secretaria de Saúde de Olinda.

Vagas

Nível médio

  • Cuidador de residência terapêutica

Nível técnico

  • Auxiliar de Consultório Dentário
  • Técnico em enfermagem diarista
  • Técnico em enfermagem plantonista

Nível superior

  • Cirurgião dentista
  • Enfermeiro (ESF)
  • Enfermeiro plantonista
  • Médico (ESF)
  • Médico clínico
  • Médico clínico plantonista
  • Médico pediatra plantonista
  • Médico psiquiatra
  • Técnico de nível superior CAPS – Assistente social
  • Técnico de nível superior CAPS – Fonoaudiólogo
  • Técnico de nível superior – Fisioterapeuta
  • Técnico de nível Superior – Referência para residência terapêutica
  • Técnico de nível superior CAPS – Terapeuta ocupacional

Fonte: G1