Cesta básica nordestina ficou 2,8% mais barata em 2017

Fortaleza, 19 de janeiro de 2018 – O custo da cesta básica nordestina caiu 2,8% em 2017, após ter registrado um expressivo incremento de 20,3% no ano anterior, segundo levantamento do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), que analisa dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Considerando as capitais do Nordeste, as maiores reduções em 2017 foram verificadas em Salvador (-5,6%), São Luis (-4,2%), João Pessoa (-3,6%) e Recife (-3,0%). Seguiram Aracaju (-2,6%), Maceió (-1,6%), Natal (-0,6%) e Fortaleza (-0,3%). Atualmente, a pesquisa não está sendo realizada em Teresina.

O Nordeste continua com a cesta básica mais barata do país. Na Região, o conjunto dos alimentos essenciais (carne, pão, banana, tomate, leite, manteiga, feijão, arroz, farinha, batata, açúcar, café e óleo) pode ser adquirido ao preço de R$ 338,05, em média. Em termos de valores monetários, Fortaleza (R$ 367,45), Maceió (R$ 349,40) e Aracaju (R$ 340,02) possuem as cestas mais caras da Região. Seguem São Luis (R$ 334,13), Recife (R$ 332,15) e Natal (R$ 331,18). João Pessoa (R$ 329,52) e Salvador (R$ 316,65) finalizaram 2017 com as cestas mais baratas do Nordeste.

Especificamente no Nordeste, os produtos da cesta com as maiores variações em 2017 foram: banana (+11,7%) em Fortaleza; pão (+4,5%) em Salvador; leite (+1,6%) em Fortaleza; e carne (+1,0%) em Natal. Os maiores recuos do ano foram verificados no preço do feijão (-40,2%) em Salvador; tomate (-17,0%) em João Pessoa; leite (-12,1%) em Recife; banana (-10,6%) em Salvador; pão (-5,1%) em Aracaju; e carne (-4,5%) em Salvador.

Temer recorre ao STF para manter posse de Cristiane Brasil

Decisão foi tomada nessa quinta-feira (18), após reunião com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e com o subchefe de assuntos jurídicos da pasta, Gustavo Rocha

Após conversa com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e com o subchefe de assuntos jurídicos da pasta, Gustavo Rocha, nessa quinta-feira (18), o presidente da República, Michel Temer, decidiu recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para tentar reverter a suspensão da posse da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) no Ministério do Trabalho.

Coube à ministra da Advocacia-Geral da União (AGU), Grace Mendonça, protocolar o pedido na Corte, o que já teria sido feito, o blog da Andreia Sadi, no portal G1.

Esta é a quarta vez que a AGU recorre à Justiça para garantir a posse de Cristiane Brasil. Na última segunda-feira (15), o juiz do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) Vladimir Vitovsky decidiu que a 4ª Vara Federal de Niterói, na região metropolitana do Rio, tem competência para avaliar a ação popular que pede a suspensão da posse da deputada no cargo.

Com a decisão, o magistrado negou um recurso da AGU, sustentando que a questão caberia à 1ª Vara Federal de Teresópolis, na região serrana fluminense. As informações são da Agência Brasil.

O juiz ainda resolveu juntar na 4ª Vara todas as outras ações, com o mesmo tema. Com isso, as ações ajuizadas na 1ª Vara Federal de Magé, na 1ª Vara Federal de Teresópolis, na 14ª Vara Federal do Rio de Janeiro, na 1ª Vara Federal de Nova Friburgo, na 1ª Vara Federal de Campos dos Goytacazes e na 1ª Vara Federal de Macaé ficarão com na 4ª Vara, com o juiz Leonardo da Costa Couceiro.

A decisão do magistrado é em segunda instância. As ações populares que tramitam na primeira instância ainda terão o julgamento do mérito marcado.

4ª Vara Federal

No mesmo dia, mais cedo, o juiz Leonardo da Costa Couceiro negou um pedido de reconsideração da AGU para que ele revisse a decisão em que suspendeu a posse de Cristiane.

Assim, Couceiro rebateu o argumento do órgão de que ele não seria o juiz competente para atuar no caso, uma vez que uma outra ação, com o mesmo tema, havia sido protocolada um dia antes, na Vara Federal de Magé. O magistrado afirmou que a ação de Magé não atrairia a competência para julgar o caso, pois foi feita no dia 7 de janeiro, ainda sob o regime de plantão judicial.

“Assim, não obstante o referido processo de Magé tenha sido registrado no plantão do dia 07/01/2018, com decisão pelo não conhecimento do requerimento de medida de urgência, o mesmo foi distribuído (Distribuição por Dependência), no dia 08/01/2018, às 12h58, conforme Termo de Autuação, ora anexado, logo após autuação do presente processo (Niterói), que foi distribuído às 12h07”, escreveu Couceiro, na decisão de segunda-feira.

Recursos anteriores

Outros dois recursos, protocolados no Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), foram negados pela segunda instância.

No primeiro, o vice-presidente do TRF-2, desembargador Guilherme Couto de Castro, disse que não poderia revogar a liminar, pois a decisão da primeira instância não representava “grave lesão à ordem econômica, à saúde, à segurança e à economia pública”.

Em seguida, novo recurso encaminhado ao juiz substituto Vladimir Vitovsky foi negado. O magistrado alegou que o atraso na posse não tinha o potencial de “acarretar risco de dano grave, de difícil ou impossível reparação”.

Liminar

Ao suspender a posse, o juiz federal Leonardo da Costa Couceiro atendeu a pedido feito em ação popular pelo Movimento dos Advogados Trabalhistas Independentes. A entidade alegou que a nomeação de Cristiane Brasil “ofende a moralidade administrativa”.

Segundo o movimento dos advogados, a deputada “praticou pessoalmente graves violações das leis trabalhistas, flagradas e comprovadas em, pelo menos, duas demandas judiciais”.

Depois que seu nome foi anunciado como ministra do Trabalho, surgiram informações de que Cristiane tem dívidas trabalhistas com ex-funcionários. Ela foi condenada na Justiça Trabalhista a pagar mais de R$ 60 mil em indenização a um ex-motorista que alegou trabalhar sem carteira assinada.

Fonte: Notícias ao Minuto

IX Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa tem apoio da Sedest

Com apoio da Prefeitura de Juazeiro do Norte, através da Secretaria de Desenvolvimento Social e Trabalho (Sedest), o Comitê Impulsionador realiza nesta sexta-feira, 19, a IX Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa. A concentração acontecerá a partir das 15h, na Praça da Prefeitura, e segue em cortejo até a Praça do Memorial.

Este ano, a caminhada vem com o tema ‘Pelo respeito à diversidade e o direito à liberdade de crença. O ato acontece todos os anos no intuito de promover a importância do diálogo entre as diversas manifestações religiosas e mostrar que independente do credo, o respeito e o bom convívio são possíveis.

Assessoria de imprensa

Campanha recebe por WhatsApp denúncias de assédio no carnaval do Recife e de Olinda

A revolta e o descontentamento com as experiências de assédio no carnaval motivaram três organizações da sociedade civil a criar uma ferramenta independente para ouvir e acolher vítimas desse tipo de crime no Recife e em Olinda. A iniciativa #AconteceuNoCarnaval existe desde 2017, mas, em 2018, a ferramenta ganhou um WhatsApp para receber relatos de foliões que presenciaram ou sentiram na pele a violência de gênero, por meio do número (81) 99140-5869.

De acordo com a advogada Madalena Rodrigues, mobilizadora da Rede Meu Recife, uma das organizações criadoras da iniciativa, a campanha surgiu diante da experiência das participantes em outros carnavais.

“Esse é um problema que o poder público ainda não olha da maneira que deveria porque, muitas vezes, as próprias mulheres deixam de denunciar, então os casos não entram nas estatísticas. Queremos mudar isso para cobrar as ações do governo e da prefeitura”, explica.

A adoção do aplicativo de mensagens teve o objetivo de potencializar o alcance da campanha. “Virou o nosso principal canal, porque todo mundo está com o celular para se encontrar com os amigos, para ir às festas e voltar para casa, então a nossa ideia foi criar um canal para denunciar que está na palma da mão”, afirma Madalena. Mete a Colher e Women Friendly, organizações da sociedade civil que buscam proteger e valorizar o público feminino, também assinam a iniciativa.

Além das denúncias feitas por celular, a #AconteceuNoCarnaval também tem o objetivo de “marcar” casas no Sítio Histórico de Olinda em que haja foliões dispostos a ajudar vítimas de assédio, seja nas prévias carnavalescas ou nos dias de Momo propriamente ditos.

“A gente não tem uma casa de apoio, mas temos casas apoiadoras da campanha, onde o respeito às mulheres é uma bandeira levantada”, comenta a advogada. Os espaços serão sinalizados com frases como “Nesta casa, se respeitam as minas”.

A distribuição de pulseiras que identificam mulheres dispostas a ajudar em casos de assédio também é uma das ações previstas pela campanha. Denominados “fitinhas da sororidade”, os adereços contêm o número de telefone para denúncias sobre assédio.
“São fitas como aquelas do Senhor do Bonfim, para que as mulheres possam encontrar as que estão disponíveis para ajudar em caso de uma emergência”, explica.

Denúncias formalizadas

Segundo Madalena, os foliões que procurarem a iniciativa vão receber uma lista com os endereços e telefones das delegacias próximas da localidade em que ocorreu o assédio. “Vamos te informar sobre as ações que vão acontecer nos dias de folia, onde procurar ajuda e te dizer onde vais poder pegar a nossa fitinha da sororidade”, diz o texto encaminhado a quem procura ajuda através do celular.

Fonte: G1

Jovem com mandado de prisão em aberto é preso com farda de PM no carro; ele alegou que iria usar roupa como fantasia

Danilo Almeida Paixão, de 28 anos, foi abordado no Pelourinho, em Salvador. Segundo ele, o uniforme seria usado para seduzir mulheres.

Um taxista foi preso em flagrante na quarta-feira (17), com fardamento da Polícia Militar escondido no porta-malas do carro, no Largo do Terreiro de Jesus, que fica no bairro do Pelourinho, em Salvador.
De acordo com a Polícia Civil, Danilo Almeida Paixão, de 28 anos, tem mandado de prisão preventiva em aberto, contra ele, por receptação e extorsão mediante sequestro, onde ele se passava por policial militar.
Apesar disso, ele alegou que usava o uniforme como fantasia para seduzir mulheres. Segundo Danilo, o material foi entregue por um PM aposentado.
Entre o material apreendido estavam uma camisa preta bordada com o nome de Danilo, calça caqui, um par de coturnos, camisa da Superintendência de Telecomunicações (Stelecom), um rádio comunicador, coldre e uma faca.
Danilo foi autuado por uso de documento falso, falsificação de símbolos identificadores de orgãos da administração pública e usurpação de função pública. O taxista está à disposição da Justiça. Ele foi levado para a Delegacia de Proteção ao Turista (Deltur).

Fonte: G1