Tradicional Romaria ao Caldeirão do Beato José Lourenço acontece neste domingo (17)

Neste domingo (17), as comunidades eclesiais de base de toda Diocese de Crato e até de outros estados do Nordeste irão participar da 18ª Romaria ao Caldeirão do Beato José Lourenço, que fica na localidade de Caldeirão a pouco mais 25km da sede de Crato. O Tema da Romaria este ano é “Cultivar e guardar a criação (Gn 2,15) ”, inspirado na campanha da Fraternidade vivido pela Igreja.

 

A programação conta com acolhida das comunidades, por volta das 07horas, seguido de Missa Solene presidida pelo Bispo Diocesano Dom Gilberto Pastana, a programação tem seu fechamento com apresentação cultural de grupos folclóricos a partir das 10horas.

Aluguel de imóveis residenciais cai em agosto, diz Fipezap

preço médio de locação dos imóveis residenciais no País teve queda nominal de 0,33% em agosto na comparação com julho. No acumulado do ano, os aluguéis tiveram baixa de 0,08%, enquanto nos últimos 12 meses, houve uma retração de 0,51%.

Os dados fazem parte de pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) com base nos anúncios do site Zap Imóveis. O levantamento abrange dados de 15 cidades e incorpora em seu cálculo apenas os novos contratos, sem considerar a correção dos aluguéis nos contratos vigentes.

Em agosto, sete das 15 regiões cobertas pela pesquisa mostraram aumento no preço médio de locação na comparação mensal. Entre as principais altas estão Belo Horizonte (0,72%), Salvador (0,36%), Florianópolis (0,26%) e Distrito Federal (0,14%). Na contramão, oito cidades tiveram recuo nos preços de locação, como é o caso de Rio de Janeiro (-1,38%), São Paulo (-0,28%), Niterói (-0,86%) e Santos (-0,55%).

O valor médio de locação no País atingiu o patamar de R$ 28,46 por metro quadrado. São Paulo tem o aluguel mais elevado do País, em R$ 35,76/m2, seguido por Rio, com R$ 33,92/m2, e Distrito Federal, com R$ 29,70/m2.

O preço de locação tem sido afetado pelo excesso de imóveis disponíveis para comercialização. Como muitos proprietários não têm conseguido efetivar uma venda, decidiram direcionar o imóvel para aluguel, repassando custos como condomínio e IPTU para os inquilinos. Além disso, muitos consumidores estão reticentes em fechar negócios devido ao desemprego elevado e ao cenário econômico adverso, diminuindo a liquidez do mercado imobiliário. Com informações do Estado Conteúdo.

Programa de Demissão Voluntária: será que vale a pena?

Para diminuir as despesas com a folha de pessoal, o Governo Federal anunciou, na última quinta-feira (15), o Programa de Demissão Voluntária. A dúvida entre os candidatos à adesão, que pretende contemplar 5 mil pessoas até o final deste ano, é se o pedido de desligamento compensa em relação ao benefício. Os funcionários públicos terão direito a ganhar como incentivo uma indenização equivalante a 1,25 salário por cada ano trabalhado.

“Há desemprego no país inteiro, uma recuperação econômica medíocre e recomposição de renda baixa. E um grande adiamento na programação de novos concursos públicos. Ou seja, quem está dentro não deve querer sair e quem está fora está desesperado para entrar”, disse Istvan Kasznar, professor da Escola Brasileira de Administração Pública (Ebap) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em entrevista ao G1.

Ainda assim, o programa pode beneficiar que tem mais de 20 anos de casa e um novo projeto no papel. Devido à experiência, esses podem conseguir uma melhor posição no mercado privado, salários mais altos, ou mesmo investir a indenização em um novo empreendimento. “Uma pessoa que tem 25 anos de casa, por exemplo, terá direito a continuar recebendo o salário por 2 anos e meio após sua saída”, afirma a reportagem.

Já para a parcela do funcionalismo que está insatisfeita e tem menos de 10 anos de serviço, a jornada reduzida ou a licença não remunerada, também oferecidas pelo Governo, pode ajudar. Isto porque na primeira teria direito a um pagamento adicional de meia hora diária, enquanto nesta última receberia, supostamente, três remunerações no momento de concessão da licença, com a chance de manutenção dos planos previdenciário e assistenciais, contanto que assuma os custos.

Aqueles em fase intemediária dos anos de serviço são orientados a levar em conta quanto tempo terão direito a receber a indenização e se o futuro projeto se encaixa nesta oferta. O pessoal em estado probatório (referente aos três primeiros anos) não serão beneficiados pelo Programa. Quem estiver próximo de se aposentar poderá aderir, o que não é aconselhado pelos especialistas pelo fato de não ter que esperar muito para receber um benefício integral pelo resto da vida.

fonte: Noticias ao Minuto