Cagece retira mais de uma tonelada de lixo do esgoto do bairro João Cabral

POR AGÊNCIA NEWS CARIRI

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) retirou cerca 1,5 tonelada de resíduos sólidos em um serviço de limpeza na rede coletora de esgoto do bairro João Cabral, em Juazeiro do Norte. Técnicos da companhia estiveram em diferentes ruas do bairro para executar o serviço, a fim de evitar ocorrências de obstrução e extravasamento de esgoto nas vias.

Ao todo, foi percorrido cerca de 1,5km de tubulação da rede coletora localizada nas ruas Padre Nestor, Virgínia de Mendonça, Rua Perpetuo Carneiro da Cunha e na avenida Paraíba. Na rua Capitão Coimbra o serviço encontra-se em fase de conclusão. Entre os materiais encontrados na tubulação estão areia, sacos plásticos, copos descartáveis, entre outros.

De acordo com a supervisora de tratamento de esgoto e meio ambiente da Cagece em Juazeiro, Juliana Filgueiras, esta ação tem o objetivo de evitar a ocorrência de extravasamento de esgoto, já que a presença de sólidos prejudica o bom funcionamento do sistema. “Trata-se de uma manutenção preventiva na rede de esgoto, para evitar extravasamento, mas é importante que as pessoas não joguem resíduos sólidos na rede de esgoto, realizem limpezas quinzenais nas caixas de gorduras e deixem as caixas de inspeção sempre acessíveis. O lixo também deve ser disponibilizado para a coleta e não destinado à rede de esgoto. Isso ajuda a evitar o assoreamento da rede e dos equipamentos”, explica.

Cuidados com a rede

A rede coletora de esgoto da Cagece é responsável por recolher o esgoto das residências e direcioná-lo para a estação de tratamento e não deve receber resíduos sólidos, nem água de chuva. Para evitar transtornos, a orientação é não jogar restos de comida e óleo na pia, não jogar lixo na rua e nem rede de esgoto e não levantar a tampa dos Poços de Visita (Pvs), que devem ser manuseados apenas por técnicos da companhia.
Em períodos chuvosos, a água deve ser destina para a rede drenagem, que é de responsabilidade das prefeituras municipais e é utilizada para escoamento de água pluvial.

Ana Ruth encanta o público e vai à semifinal do “The Voice”

POR AGÊNCIA NEWS CARIRI

A representante de Juazeiro do Norte no  “The Voice Brasil” da rede Globo, Ana Ruth, avançou à semifinal do programa na noite de ontem após mais uma apresentação de encher os olhos do público. Na votação do público, a jovem de apenas 18 anos foi a preferida de 44% dos telespectadores, o maior percentual de votos depositados os candidatos da noite.

Na sua apresentação, Ana Ruth interpretou a música “Uma Brasileira”, da banda Paralamas do Sucesso. Ela concorreu com outros três participantes do seu time, o da cantora Iza.

Agora, a grande expectativa é que a juazeirense faça bonito na próxima etapa e consiga chegar à grande final. A mobilização pelos votos à ela já acontece em todo o Ceará, pois Ana é a única cearense a estar na semifinal.

Portos brasileiros têm queda na movimentação de cargas no semestre

movimentação no setor portuário brasileiro apresentou uma queda de 3,29% no primeiro semestre na comparação com o mesmo período do ano passado, quando foram movimentados 513 milhões de toneladas, contra 530,5 milhões em igual período de 2018. O balanço com os números do setor foi apresentado hoje (26) pela Agência Nacional de Transportes Aquáticos (Antaq).

No primeiro semestre de 2019, os terminais de uso privado responderam pela movimentação de 337 milhões de toneladas, registrando queda de 4,04%. Já os portos públicos movimentaram 176 milhões de toneladas, com decréscimo de 1,83%.

Segundo a Antaq, das nove principais instalações portuárias do país, oito tiveram retração na movimentação de cargas no primeiro semestre, na comparação com o mesmo período de 2018.

Nos terminais de uso privado, a maior queda foi no Porto de Ilha Guaíba (SC), com queda de 37,83%; seguido pelo Porto de Tubarão (ES), com recuo de 25,48%; depois vem o terminal da Ponta da Madeira (MA), com queda de 7,06%; e São Sebastião (SP), que apresentou uma pequena queda de 0,55%.

Já entre os portos públicos, a maior queda na movimentação foi registrada no Porto de Itaguaí (RJ), com 11,05%; seguido do Porto de Paranaguá (PR), com recuo de 5,93%; depois vem o terminal de Rio Grande (RS), com 3,93%; e o de Santos (SP), com queda de 3,36%. Apenas o Terminal Aquaviário de Angra dos Reis (RJ) apresentou variação positiva de 11,40%.

As cargas mais movimentadas no primeiro semestre foram os graneis sólidos, que somaram 314,6 milhões de toneladas, representando queda de 6,80% em comparação com o primeiro semestre de 2018. Depois foram os graneis líquidos com 115,9 milhões de toneladas, o que representou incremento de 2,58% em relação a igual período do ano passado.

Também houve aumento, na comparação com o mesmo período do ano passo, na movimentação de contêineres, de 3,72% e de carga geral, com 2,76%. No primeiro semestre de 2019, as movimentações foram, respectivamente, de 55 milhões e 27,3 milhões de toneladas.

Entre as mercadorias mais movimentadas o destaque ficou com o milho. Nos primeiros seis meses do ano, o setor portuário nacional movimentou 9,2 milhões de toneladas de milho, 116,53% a mais do que no mesmo período de 2018. O petróleo (combustíveis) também merece destaque com 102,8 milhões de toneladas movimentadas, aumento de 4,22% em comparação ao primeiro semestre do ano passado.

As principais quedas foram registradas na movimentação de minério de ferro cujo recuo foi de 8,90%, com 16,5 milhões de toneladas a menos do que no primeiro semestre de 2018, e soja com menos 5,3 milhões de toneladas em comparação ao primeiro semestre do ano passado, uma redução e 8,09%.

De acordo, a agência, o resultado reflete o fraco desempenho da economia brasileira e a retração da economia mundial. “A queda da movimentação no primeiro semestre de 2019 foi motivada de forma direta pelo recuo nos embarques de minério de ferro, que é a mercadoria de maior peso bruto movimentado. O granel sólido de minério de ferro vem enfrentando problemas desde a ponta inicial da cadeia produtiva, devido ao rompimento de barragens e a um período atípico de chuvas intensas na região norte do país”, disse o gerente substituto de Estatística e Avaliação de Desempenho da Antaq, Leopoldo Kirchner.

Fonte: Noticias ao minuto

Montadoras darão férias coletivas mais longas

continuidade da crise argentina, que derrubou as exportações de carros brasileiros em quase 40%, e sinais de que o mercado interno pode não ser tão bom quanto o esperado levam montadoras a preverem férias coletivas mais longas para o fim do ano e até a volta do lay-off (suspensão temporária de contratos), medida que não vinha mais sendo adotada pelo setor.

 A Volkswagen informou ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC que cerca de 3 mil trabalhadores de dois turnos da fábrica Anchieta terão férias coletivas de um mês, a partir de 2 de dezembro. Já cerca de 1,4 mil funcionários de um turno ficarão em casa só nas semanas de Natal e ano-novo, assim como os empregados das fábricas em Taubaté e São Carlos (SP) e em São José dos Pinhais (PR).

A empresa não descarta a adoção do lay-off em janeiro na fábrica do ABC, mas afirma que “dependerá principalmente da retomada do mercado argentino”. A Volkswagen também prevê que as vendas locais crescerão 6% em 2020, ante alta de 11% prevista para este ano.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos, se for adotado, o lay-off deve ter duração de seis meses e envolverá os 1,4 mil trabalhadores que terão folgas de duas semanas no fim do ano.

A entidade afirma que o motivo seria “a conjuntura do mercado e o fato do pátio estar cheio”. De sua parte, a Volkswagen informa que o período de recesso vai possibilitar adequações na linha de montagem para a chegada de um novo carro previsto para 2020, por enquanto conhecido como CUV (de veículo cupê urbano). A produção do modelo foi confirmada pela matriz alemã do grupo no mês passado.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano do Sul, Aparecido Inácio da Silva, diz estar preocupado com a redução do ritmo de produção na fábrica da General Motors. “O pessoal trabalhava 45 horas semanais, mas neste mês caiu para 40 horas e a perspectiva é de cair ainda mais em outubro.” Ele acredita que a empresa poderá adotar férias coletivas e lay-off, mas ressalta não ter sido ainda procurado pela GM para discutir o tema. A montadora informa que só estão previstas as paradas tradicionais de fim de ano.

A Renault dará férias de dez dias a cerca de 300 operários da produção de vans a partir de 21 de outubro, informa Ezequiel Pereira, do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba. Em junho, a empresa deu folga de dez dias a outro grupo em razão da queda da exportação para a Argentina. A Renault não comentou o assunto.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Fonte : Noticias ao minuto

Sindicato ignora TST em negociação com Petrobras e convoca greve

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – A três dias do fim do prazo para aprovação de proposta de acordo coletivo no TST (Tribunal Superior do Trabalho), a FUP (Federação Única dos Petroleiros) afirmou ao tribunal nesta quinta (26) que não levará os termos a votação da categoria e pediu mais prazo para negociar.

 Na mesa de negociação, existe a preocupação de que o impasse em relação a temas trabalhistas esteja sendo usado para justificar uma greve política contra a venda de ativos da Petrobras. É a primeira vez que sindicatos se recusam a levar a proposta da mediação a assembleias e o caso foi levado para apreciação do Ministério Público do Trabalho.

Petrobras e sindicatos iniciaram processo de mediação no STF no fim de agosto, a pedido da estatal. A proposta do TST foi apresentada na semana passada, mantendo o percentual de reajuste oferecido pela empresa mas garantindo aos trabalhadores direitos sociais que a empresa pretendia cortar.

No dia 30, as partes terão que informar ao tribunal se aceitam a proposta. Caso contrário, as negociações vão a dissídio. A Petrobras afirma que o acordo atual, que perde a vigência no dia 1º de outubro, não será prorrogado.

O caso vem sendo acompanhado pelo GSI (Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República), diante do risco de greve. Este ano, as negociações foram dificultadas pela abertura de processos de vendas de refinarias da estatal, que enfrentam resistência dos sindicatos.

Em assembleias, os sindicatos já aprovaram indicativo de greve em caso de suspensão unilateral dos direitos estabelecidos no acordo vigente. As preocupações sobre a realização de greve independente do resultado das negociações foram reforçadas após divulgação esta semana de vídeos em que dirigentes da FNP (Federação Nacional dos Petroleiros) convocam paralisação em protesto contra a venda das refinarias e o fechamento de unidades no Nordeste, independente do resultado da negociação do acordo coletivo.

“Essa semana é a semana zero da maior batalha da nossa geração. Nós vamos ter que organizar uma greve tão ou mais forte do que a de 1995”, afirma em um deles o secretário-geral da FNP, Eduardo Henrique Soares da Costa, referindo-se à última paralisação de petroleiros que afetou o abastecimento de combustíveis no país.

Geralmente antagônicas, FUP e FNP estabeleceram um fórum conjunto de negociações e se reuniram esta semana para debater a proposta. Nesta quinta, a FUP enviou ofício ao TST pedindo a prorrogação do prazo e destacando questões que considera não atendidas pela proposta de acordo.

Dentre elas, está a não inclusão de subsidiárias nas negociações, o regime de horas extras e o modelo de promoções por antiguidade. A entidade reclama ainda que não houve reuniões entre todas as partes durante o processo de mediação e diz que só levará a assembleias proposta assinada pela companhia.

“Entende a FUP que a continuidade da negociação coletiva de trabalho é necessária, e que daria às partes a oportunidade de eliminar divergências”, diz o texto. “Conquistaremos um acordo à altura da categoria petroleira”, afirmou, em vídeo divulgado nesta quinta, o coordenador da FUP, José Maria Rangel.

A Petrobras diz que vai se posicionar no prazo determinado pelo tribunal. Mas reforçou em nota que não prorrogará novamente a vigência do acordo coletivo atual, que venceu no inicio de setembro e foi mantido durante as negociações no TST.

As relações entra sindicatos e a estatal se deterioraram este ano, após o início da gestão Roberto Castello Branco, indicado para o comando da companhia pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Entre os pontos de conflito, além da privatização de ativos, estão o novo programa de participação nos lucros -que garante bônus maiores para executivos do alto escalão- e mudanças significativas no relacionamento da empresa com lideranças sindicais.

No último dia 16, a direção da estatal foi à Justiça pedir indenização a sindicalistas que propuseram ações contra a venda de ativos. A empresa acusa oito sindicalistas de ir mover ações com motivação política em locais diferentes, causando prejuízos financeiros e de imagem.

Pede R$ 100 mil de cada um deles, além de ressarcimento por custos com advogados, hospedagem e deslocamentos. Entre os sindicalistas citados, cinco são ligados à FUP e quatro à FNP. Eles defendem que a ação da Petrobras tem o objetivo de intimidar a atuação sindical.

Fonte: Noticias ao minuto

FGTS deve passar a ser isento de tarifa de transferência bancária

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O saque de recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) deve ser isento de tarifa bancária caso o trabalhador opte por receber o dinheiro em outro banco.O governo permitiu que essas transações da Caixa para outra instituição financeira fossem taxadas, mas há um movimento dentro do Congresso, que analisa a proposta de liberação de saques do fundo, para barrar as cobranças.

O relator, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB), considera abusiva a tarifa, principalmente porque, de 254 milhões de contas ativas e inativas do FGTS, 214 milhões têm saldo médio de cerca de R$ 100.”Uma taxa, por exemplo, de R$ 15 [valor possível de uma transferência] faz muita diferença para a população de baixa renda”, disse.

Em 2017, a transferência do FGTS inativo, autorizada por Temer em 2017, não sofreu cobrança de tarifas.

Para tentar aquecer a economia, o governo editou uma medida provisória que libera o saque imediato de até R$ 500 por conta do fundo. Isso vale para os trabalhadores que tenham saldo na conta ativa (emprego atual) e nas inativas (empregos anteriores).

De acordo com calendário definido pela Caixa, esse dinheiro será liberado em diferentes datas de acordo com a data de aniversário do trabalhador. Esse processo será concluído em março de 2020.

A medida provisória, que tende a ser modificada pelo Congresso, permite que as transferências para outras instituições financeiras seja tarifadas.

A brecha foi aberta tanto para o saque de até R$ 500 como na liberação de recursos pela modalidade saque-aniversário, criada pelo governo e que começa a vigorar no próximo ano.Esse sistema permite que o trabalhador saque uma parte do dinheiro do FGTS todos os anos.

Parlamentares de partidos aliados, independentes e de oposição ao governo apresentaram pedidos para que a proposta original seja alterada.

Emendas do PSL, PSB e PT vedam a cobrança de taxas bancárias nas transferências em qualquer hipótese de saque do FGTS, mesmo para as modalidades existentes antes da medida provisória. Motta estuda atender a essas propostas.

O deputado avalia permitir que trabalhadores com renda de até um salário mínimo (R$ 998) possam receber todo o valor depositado nas contas do fundo -uma exceção ao limite de R$ 500 por conta no saque imediato. O Ministério da Economia calcula o impacto disso.

O relator busca ainda uma forma de reduzir a taxa de administração cobrada pela Caixa para operar os recursos do FGTS.

Ele considera elevada a taxa de 1% ao ano sobre ativo total do fundo. No ano passado, a Caixa recebeu R$ 5,1 bilhões do FGTS. Com uma taxa menor, o lucro seria maior, o que beneficiaria o trabalhador na hora da distribuição dos recursos.

Entre as opções, Motta pode permitir que outros bancos concorram pela administração do fundo, e não apenas a Caixa.

O relatório deve ser apresentado na próxima semana à comissão mista -formada por deputados e senadores para analisar o projeto.

Depois, a medida provisória ainda precisa passar pelos plenários da Câmara e do Senado para se tornar lei.

Fonte: Noticias ao minuto