Ex-catador de latinhas receberá título de cidadão juazeirense

POR AGÊNCIA NEWS CARIRI

Notabilizado por vencer as dificuldades da vida e conseguir a façanha de ser aprovado em Harvard, o professor Ciswal Santos, de 31 anos, será homenageado com título de cidadania juazeirense no dia 15 de outubro. A cerimônia ocorrerá no memorial Padre Cícero, às 18h30.

Natural de Palmares (PE) e residente em Juazeiro desde sua infância, o professor é autor de um projeto que tem o objetivo de fornecer energia, internet e água a baixo custo para famílias em vulnerabilidade socioeconômica.

A homenagem a Ciswal é fruto do requerimento apresentado na Câmara de Vereadores pela vereadora Jaqueline Gouveia (PRB). A propositura foi aprovada por unanimidade na casa legislativa na sessão do último dia 22 de setembro.

Mostra “Valise: Rastros Evolutivos” apresenta acervos da história do Homem

A origem da humanidade apresenta diversas curiosidades e fenômenos que despertam o interesse em crianças e adultos nos dias atuais. Pensando nisso, a Escola Educar Sesc de Juazeiro do Norte recebe a mostra Valise: Rastros Evolutivos, do Departamento Nacional do Sesc, que acontece de 5 de setembro a 15 de dezembro, na Sala de Ciências. A entrada é gratuita.

Com formato lúdico e interativo, a mostra traz acervos de gavetas que apresentam a história da evolução do Homem, através da representação de habitats, sítios arqueológicos, mapas, ilustrações, jogos e utensílios que reproduzem diferentes etapas do processo evolutivo.

As ações consistem em visita mediada, roda de conversas, oficinas e palestras de acordo com a faixa etária do público. A duração da visitação é entre 40 minutos à 1 hora. As palestras “Desajustes evolutivos na história biológica dos seres humanos” e “A evolução da alimentação: da pré-história aos dias atuais” são destaques para o mês de setembro. A classificação é livre.

O agendamento para visitação da mostra pode ser feito através do contato (88) 3511 8217 ou pelo link https://forms.gle/hQeaxe53E7zMURMc9.

Programação

Infantil

Roda de Conversa:  A diferença do Homo Erectus e Homo Habilis;

Visita mediada: Roupas, máscaras, objetos e utensílios que retratam a evolução do homem;

Oficina: “Pintura Rupestre” – Deixar a marca da mão na caverna;

Juvenil

Roda de Conversa: Os Seres Vivos – Teorias da evolução;

Oficina: Jogo da trilha – Rastros Evolutivos;

Visita mediada: Roupas, máscaras, objetos e utensílios que retratam a evolução do homem;

Oficina: Fóssil de folhas usando a técnica da decoupage.

Oficina:  Experimento da Evolução

Adultos/Idosos

Oficina:  Jogo da trilha: Rastros Evolutivos;

Roda de Conversa: “Árvore da evolução”;

Visita mediada: Roupas, máscaras, objetos e utensílios que retratam a evolução do homem.

Serviço

Mostra Valise: Rastros Evolutivos

Data: 5 de setembro a 15 de dezembro

Local: Sala de Ciências – Educar Sesc Juazeiro (Rua. José Marrocos, 2265, Santa Tereza).

Agendamentos para visitação: (88) 3511 8217 ou pelo link https://forms.gle/hQeaxe53E7zMURMc9

Evento: Gratuito

Classificação: livre

Iniciada venda de ingressos para show de Pe Fábio de Melo no Crato; saiba os valores

Começou nesta quinta-feira, 26, a venda oficial dos ingressos para o show de Padre Fábio de Melo no Crato, programado para acontecer no dia 17 de novembro no parque de exposição Pedro Felício Cavalcante.

O valor das entradas varia de R$ 50 a R$ 160, dependendo da área escolhida. Confira:

Pista meia: R$ 50

Pista social: R$ 65

Vip meia: R$ 80

Vip social: R$ 95

Pista inteira: R$ 100

Vip inteira: R$ 160

Os bilhetes podem ser adquiridos no parque de exposição Pedro Felício ou no link https://www.bilheteriavirtual.com.br/evento/2472/Padre_Fbio_de_Melo. O show terá a participação especial de Padre Monteiro, da comunidade Filhos Amados do Céu, que será beneficiada com os valores obtidos na venda dos ingressos sociais.

Capitão Vieira determina suspensão da sessão desta quinta-feira na Câmara de juazeiro; saiba o motivo

POR AGÊNCIA NEWS CARIRI

O presidente em exercíco da Câmara de Vereadores de Juazeiro do Norte, Capitão Vieira Neto (Patriota), determinou a suspensão da sessão ordinária que seria realizada na tarde desta quinta-feira, 26, no legislativo municipal. O motivo é o falecimento da mãe do vereador Nivaldo Cabral (DEM), ocorrido na noite de ontem.

Os edis irão prestar solidariedade ao colega na missa de corpo presente de Rosália Cabral de Moura, que ocorrerá às 16h na capela de Santa Clara, rua da Paz,  bairro João Cabral, número 100. O sepultamento está previsto para acontecer logo após a celebração.

O presidente titular do legislativo, Darlan Lobo (MDB), publicou nota na manhã de hoje na qual manifesta condolências pelo falecimento da genitora do parlamentar.

Juros do cheque especial caem e do cartão de crédito sobem em agosto

Os clientes de bancos pagaram juros menores no cheque especial e taxas mais altas no rotativo do cartão de crédito, de acordo com dados divulgados hoje (25) pelo Banco Central (BC).

 A taxa de juros do cheque especial caiu 11,8 pontos percentuais em agosto, comparada a julho, e chegou a 306,9 % ao ano. Em 2019, os juros do cheque especial caíram 5,7 pontos percentuais. Apesar de estar menor, a taxa do cheque especial é a mais cara entre as modalidades de crédito para as famílias e a recomendação do BC é que só seja usado em situações emergenciais.

No ano passado, os bancos anunciaram uma medida de autorregulamentação do cheque especial. Com as novas regras, os correntistas que utilizam mais de 15% do limite do cheque durante 30 dias consecutivos passaram a receber a oferta de um parcelamento, com taxa de juros menores que a do cheque especial definida pela instituição financeira.

A taxa média do rotativo do cartão de crédito subiu 6,9 pontos percentuais em relação a julho, chegando a 307,2% ao ano. A taxa média é formada com base nos dados de consumidores adimplentes e inadimplentes.

No caso do cliente adimplente, que paga pelo menos o valor mínimo da fatura do cartão em dia, a taxa chegou a 289% ao ano em agosto, aumento de 5,3 pontos percentuais em relação a julho. A taxa cobrada dos clientes que não pagaram ou atrasaram o pagamento mínimo da fatura (rotativo não regular) subiu 7,7 pontos percentuais, indo para 319,6% ao ano.

O rotativo é o crédito tomado pelo consumidor quando paga menos que o valor integral da fatura do cartão. O crédito rotativo dura 30 dias. Após esse prazo, as instituições financeiras parcelam a dívida.

Em abril de 2018, o Conselho Monetário Nacional definiu que clientes inadimplentes no rotativo do cartão de crédito passem a pagar a mesma taxa de juros dos consumidores regulares. Essa regra entrou em vigor em junho deste ano. Mesmo assim, a taxa final cobrada de adimplentes e inadimplentes não será igual porque os bancos podem acrescentar à cobrança os juros pelo atraso e multa.

Na modalidade de parcelamento das compras pelo cartão de crédito, a taxa chegou a 177,3% ao ano em agosto, com aumento de 2,1% ponto percentual.

A taxa de juros do crédito pessoal não consignado chegou a 116,6% ao ano em agosto, com recuo de 2,6 pontos percentuais em relação a julho. A taxa do crédito consignado (com desconto em folha de pagamento) recuou 0,2 ponto percentual, indo para 22,3% ao ano no mês passado.

De acordo com o BC, a taxa média de juros para pessoa física caiu 0,1 ponto percentual em agosto para 52,1% ao ano. A taxa média das empresas ficou em 18,9% ao ano, queda de 0,2 ponto percentual.

A inadimplência do crédito, considerados atrasos acima de 90 dias, para pessoas físicas e jurídicas subiu 0,1 ponto percentual para 4,9% e 2,9%, respectivamente.

Esses dados são do crédito livre, em que os bancos têm autonomia para emprestar o dinheiro captado no mercado e definir as taxas de juros cobradas dos clientes.

No caso do crédito direcionado (empréstimos com regras definidas pelo governo, destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural, de infraestrutura e ao microcrédito) os juros para as pessoas físicas subiu 0,4 ponto percentual para 8,2% ao ano. A taxa cobrada das empresas subiu 0,2 ponto percentual para 8,6% ao ano.

A inadimplência das pessoas físicas no crédito direcionado permaneceu em 1,8% e a das empresas subiu 0,2 ponto percentual para 2,2%.

Em agosto, o estoque de todos os empréstimos concedidos pelos bancos ficou em R$ 3,325 trilhões, com expansão de 1,1% em relação a julho, de 2,1% no ano e de 5,1% em 12 meses. Esse saldo do crédito correspondeu a 47,2% de tudo o que o país produz – o Produto Interno Bruto (PIB) -, com aumento de 0,3 ponto percentual em relação a julho.

Com informação: Agência Brasil

Fonte:Noticias ao minuto

Economia começa a reagir, mas há desafio, diz Guedes

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O ministro Paulo Guedes (Economia) disse nesta quarta-feira (25) que a economia já deu início a um processo de recuperação, mas o país ainda tem que enfrentar o problema das despesas públicas, reforçando a necessidade de se manter a limitação aos gastos federais.

 Em audiência pública na CMO (comissão mista de Orçamento) no Congresso, ele voltou a defender o plano de sua equipe para reduzir as despesas obrigatórias: desobrigar, desvincular e desindexar o Orçamento.

“A economia já está se movendo. Isso leva um tempo, mas ela já começou a se mover. Os resultados já estão vindo acima do esperado nas receitas, nos impostos. Agora, continuamos com o desafio do dinheiro carimbado. E esse dinheiro carimbado esvaziou as atribuições da classe política”, afirmou o ministro a parlamentar.

Num gesto de apoio, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também foi à comissão e discursou contra a indexação do Orçamento e a elevação dos gastos obrigatórios.

“Conte com esse presidente da Câmara que tem muitas convergências com as suas ideias”, disse Maia a Guedes, após agradecer a participação do ministro na audiência.

O governo estima que pode obter R$ 37 bilhões com a retirada do aumento pela inflação de diferentes despesas obrigatórias. A proposta que reforma o Orçamento pode alterar o mínimo destinado para saúde e educação, impedir o reajuste automático anual para servidores e ainda extinguir fundos públicos.

Uma desindexação que chegou a ser cogitada, e foi noticiada nos últimos dias, viria da retirada da Constituição da obrigação do reajuste do salário mínimo. Mas a ideia foi abandonada diante de críticas no Congresso e do presidente Jair Bolsonaro.

“Nós, juntos, temos que avaliar quais dessas despesas que estão carimbadas merecem seguir indexadas.Por exemplo, o salário mínimo. O presidente já falou: ‘Esse tem que seguir indexado’. Ok. Educação básica? Essa vamos seguir com isso também. De repente, saúde preventiva? Sim. A outra? Vamos conversar a respeito. O Congresso tem que assumir o controle orçamentário da República”, afirmou Guedes.

Apesar das dificuldades nas contas públicas, o ministro é contra a flexibilização do teto de gastos. Para ele, descumprir o controle das despesas públicas foi a razão para o país ter caído nos últimos 40 anos num período de hiperinflação, recessão e forte elevação de juros.

Por isso, a solução pensada pelo Ministério da Economia é “quebrar o piso”. Ou seja, reduzir as despesas obrigatórias.

A previsão é que, em 2020, as despesas obrigatórias fiquem em torno de 94% do total do Orçamento. Com isso, poderá haver paralisia da máquina pública em 2020, já no primeiro Orçamento elaborado pela gestão Jair Bolsonaro.

O cenário de aperto só não é pior porque a equipe de Guedes procura medidas que podem trazer impacto fiscal positivo, mas que ainda precisam ser aprovadas pelo Congresso.

“Assumir esse desafio de controlar os orçamentos públicos é o grande desafio que pode levar esse congresso para a história”, disse Guedes.

Isso deve ser tratado na proposta do pacto federativo, conjunto de medidas que prevê mais recursos para estados e municípios.

A ideia do governo é apresentar o pacto logo após o Senado concluir a votação da reforma da Previdência, o que está previsto para ocorrer na primeira quinzena de outubro.

Guedes voltou a declarar também que a proposta do governo para a restruturação do sistema tributário deve ser apresentada ao Congresso na próxima semana.

“Nós, apesar de termos tido um acidente de percurso na Receita Federal, a verdade é que nossa proposta está praticamente pronta”, se referindo à demissão do ex-secretário da Receita Marcos Cintra, que caiu após defender a criação de um imposto nos moldes da antiga CPMF.

À comissão, o ministro apresentou a ideia de criar um Conselho Fiscal da República, que seria formado, por exemplo, pelos presidentes da República, da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal.Ele citou que muitos estados, diante das dificuldades fiscais, recorrem ao Supremo que acaba julgando processos a favor desses entes, mas causando um rombo à União. Por isso, Guedes quer que os presidentes de todos os Poderes se reúnam a cada três meses para discutir a situação das contas do país.

Fonte: Noticias ao minuto

Congresso decide manter cobrança de bagagem

Com a pressão do setor aéreo e com a justificativa de que a medida pode ajudar a baratear viagens de avião, o Congresso Nacional corroborou com a resolução do presidente Jair Bolsonaro e decidiu manter a cobrança de bagagens em voos domésticos.

 Deputados definiram por 247 votos a favor e 187 contra manter o veto do presidente ao trecho que tratava sobre o tema na medida provisória que abriu o setor aéreo para o capital estrangeiro, na sessão do Congresso nesta quarta-feira. Eram necessários 257 votos da Câmara para derrubar a medida. Os senadores não chegaram a votar.

Na terça-feira, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se reuniu com colegas do Centrão e argumentou que derrubar o veto faria com que companhias aéreas mantivessem os altos preços das passagens. Ao sair do encontro, Maia sinalizou que o acordo havia sido feito. “Se nos derrubamos o veto, vamos estar dizendo: Gol, TAM continuem operando cobrando esses preços horrorosos, caros e que inviabilizam o brasileiro a voar pelo nosso País”.

Representantes do governo e da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) também se reuniram com deputados nas últimas semanas para pedir a manutenção do veto. Um dos argumentos foi a atração de empresas de baixo custo (low cost) ao mercado doméstico. A companhia chilena ultra low cost JetSmart, por exemplo, iniciou nesta terça-feira, 24, a venda de passagens aéreas entre três cidades brasileiras e Santiago, capital do Chile. Outras companhias estariam interessadas e, segundo uma fonte, teriam condicionado o avanço das negociações à manutenção do veto.

Pedidos

“Houve pedidos da Anac e do Ministério da Infraestrutura para promover a concorrência”, disse o líder da Maioria na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), sobre os pedidos que chegaram aos deputados. “O desafio que quero fazer é se no início do ano, em fevereiro, não tivermos empresa de low cost operando, votaremos o projeto do deputado Celso Russomano”, disse Ribeiro, sobre projeto de 2016 que proíbe a cobrança.

A líder do governo no Congresso, Joice Hasselman (PSL-SP), também apelou para a concorrência: “Queremos abrir o espaço aéreo. São cinco empresas querendo entrar no Brasil. Se tivermos mais ofertas é óbvio que o preço vai cair.”

O líder do MDB na Câmara, Baleia Rossi, disse que os preços das passagens aéreas no País hoje são abusivos: “Muito disso por falta da competitividade. Vamos dar um voto de confiança. Caso contrário, mudamos nosso posicionamento”, disse.

Foi em junho que Bolsonaro decidiu vetar a gratuidade de franquia de bagagem, inserida por emenda na medida que abriu o setor aéreo para o capital estrangeiro. A MP, editada no governo Temer, foi aprovada pelo Congresso neste ano.

A emenda previa que passageiros poderiam levar, sem cobrança adicional, uma bagagem de até 23 kg nas aeronaves acima de 31 assentos.

Fonte: Noticias ao minuto

BC reduz previsão de crescimento do crédito neste ano

Banco Central (BC) reduziu a estimativa para o crescimento do saldo das operações de crédito de 6,5%, previsto em junho, para 5,7%, de acordo com o Relatório de Inflação, divulgado hoje (26).

 

Segundo o relatório, essa redução é resultado da menor expectativa para o crédito a pessoas jurídicas (de crescimento de 2,5% para retração de 0,9%), parcialmente compensada pelo aumento na expansão esperada para pessoas físicas (de 9,7% para 11%).

A redução na estimativa de crédito a pessoas jurídicas “foi majoritariamente determinada pela queda no segmento de recursos direcionados” (queda de 7% para 12%). “Essa alteração é consistente com a continuidade da perda de participação dos bancos públicos, sobretudo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no financiamento às empresas.

O segmento de recursos livres às empresas também apresentou dinâmica mais contida, com a substituição de crédito bancário por dívida fora do Sistema Financeiro Nacional (SFN), por parte de grandes empresas, em ritmo superior ao esperado anteriormente, o que justificou a revisão no crescimento projetado para 2019 (de 10% para 8%)”, diz o BC.

Para o BC, os empréstimos para pessoas físicas financiados com recursos livres das instituições financeiras têm sido o principal vetor de crescimento do crédito no país. “A dinâmica observada nesse segmento justifica o aumento da projeção de crescimento em 2019, de 13% para 15,5%”, destaca o relatório. Em relação ao saldo financiado com recursos direcionados para pessoas físicas, manteve-se a projeção publicada no Relatório anterior para 2019 (6%), ‘ada a evolução dessa carteira até o momento (5,5% nos 12 meses encerrados em agosto de 2019) e a perspectiva de ligeira aceleração das concessões neste segmento durante o segundo semestre de 2019”.

Para 2020, a projeção de crescimento do estoque do crédito é de 8,1%, “desempenho novamente liderado pelo crédito às pessoas físicas (11,2%), mas que incorpora relativa melhora do crédito às empresas (3,8%)”.

“Para as famílias, levando-se em conta a elevação recente do endividamento e do comprometimento de renda com serviços financeiros, além da elevada base de comparação, espera-se expansão de 13% no segmento de recursos livres, o que representaria ligeiro arrefecimento ante o resultado projetado para 2019”, afirma o BC. As operações com recursos direcionados devem registrar crescimento de 9%, “influenciadas, principalmente, por melhores perspectivas de vendas de imóveis residenciais”.

“O desempenho do saldo das pessoas jurídicas deve seguir limitado pelo segmento de recursos direcionados (projeção de queda de 5%), em linha com continuidade da diminuição de participação de bancos públicos”, diz o BC. Por outro lado, o segmento de recursos livres deve registrar expansão de 9,5%.

No Relatório de Inflação, o BC também apresentou projeções para as contas externas. A projeção para o deficit em transações correntes, compras e vendas de mercadorias e serviços do Brasil com outros países, em 2019 foi elevada de US$19,3 bilhões (1% do Produto Interno Bruno – PIB), no Relatório de Inflação de Junho, para US$ 36,3 bilhões (2% do PIB). Para 2020, a estimativa é US$ 38,9 bilhões.

Quando o país registra saldo negativo em transações correntes precisa cobrir o déficit com investimentos ou empréstimos no exterior. A melhor forma de financiamento do saldo negativo é o Investimento Direto no País (IDP), porque os recursos são aplicados no setor produtivo.

A projeção para os ingressos líquidos de IDP caiu de US$ 90 bilhões, previstos em junho, para US$ 75 bilhões (4,1% do PIB). “Mesmo com o recuo, o valor estimado para o IDP no ano segue em patamar significativamente superior ao deficit previsto para transações correntes”, destacou o BC. Para 2020, a estimativa é US$ 80 bilhões.

Com informação: Agência Brasil

Fonte: Noticias ao minuto