Comunidades em cidade de MG são evacuadas por conta de barragem da Vale

Cerca de 500 moradores de Barão de Cocais, na Região Central de Minas Gerais tiveram que deixar suas casas na madrugada desta sexta-feira (8) por conta da Barragem Sul Superior da mina Gongo Soco, da Vale. A determinação foi feita pela Agência Nacional de Mineração.

A evacuação ocorreu nas comunidades de Socorro, Tabuleiro e Piteiras. De acordo com o G1, sirenes foram acionadas e as pessoas começaram a deixar suas casas por volta de 1h. “Como medida de segurança, a Vale está intensificando as inspeções da barragem Sul Superior. Também será implantado equipamento com capacidade de detectar movimentações milimétricas na estrutura”, diz a nota da Vale.

Ainda segundo a reportagem, uma nova avaliação da barragem será realizada neste domingo (10).

 
 Fonte: notícias ao minuto

Petrobras revê patrocínios e deve se afastar da cultura

A direção da Petrobras está avaliando se rompe contratos de patrocínio cultural firmados nos governos anteriores. A decisão seguiria novas diretrizes do governo Bolsonaro, que criticou o financiamento estatal da cultural hoje em sua conta Twitter.

Bolsonaro postou que embora “reconheça o valor da cultura e a necessidade de incentivá-la”, o financiamento das atividades culturais “não deve estar a cargo de uma petrolífera estatal”.

Segundo a publicação do presidente, “a soma dos patrocínios dos últimos anos passa de R$ 3 bilhões”.

A Petrobras, financiou nos últimos anos grupos como o Galpão, de Minas Gerais, e a Cia Deborah Colker, além do Festival de Curitiba e a Mostra Internacional de Cinema.

“Determinei a reavaliação dos contratos. O Estado tem maiores prioridades”, disse ainda o presidente.

Produtores e captadores de recurso ouvidos pela Folha dizem que foram alertados das mudanças nas diretrizes de patrocínio da Petrobras. A decisão foi mal recebida internamente por executivos da área de comunicação, que interpretaram a medida como interferência política e ideológica.

A petroleira patrocinou mais de 4.000 projetos culturais desde 2003, quando foi criado o Programa Petrobrás Cultural, que passou a ser a maior seleção pública do tipo no país. Juntas, as áreas de cultura e imprensa consumiram quase R$ 160 milhões da estatal no ano passado.

Por nota, a empresa confirmou que está “revisando sua política de patrocínios e seu planejamento de publicidade, em alinhamento ao novo posicionamento de marca da empresa, com foco em ciência e tecnologia e educação, principalmente infantil”.

Segundo o texto, “Os contratos atualmente em vigor estão com seus desembolsos em dia.” Com informações da Folhapress.

 Fonte: notícias ao minuto

Nos EUA, chanceler brasileiro é questionado sobre abertura comercial

A passagem do chanceler brasileiro Ernesto Araújo pelos Estados Unidos, destinada a abrir caminho para a visita do presidente Jair Bolsonaro ao americano Donald Trump, incluiu conversas não só com autoridades americanas, mas também com o setor privado. Parte da agenda do ministro incluiu jantares e encontros organizados por think tanks e empresários, em Washington e em Nova York, no qual Araújo apresentou as perspectivas do governo e ouviu as demandas do setor empresarial.

Os encontros não contaram com a participação da imprensa, mas fontes presentes reuniões relataram ao jornal ‘O Estado de S. Paulo’ o que é o maior interesse do setor privado americano: como um processo de abertura comercial do Brasil irá tomar corpo.

Araújo foi o primeiro integrante do alto escalão do governo a pisar nos EUA para falar pelo governo Bolsonaro, depois da posse presidencial em 1.º de janeiro. Representantes de empresas multinacionais do setor de alimentos, bebidas, automotivo, petrolífero e de higiene foram alguns dos que compareceram a encontros com o ministro e o questionaram sobre os próximos passos do governo.

Entre perguntas levantadas ao ministro estão a possibilidade de acordos que prevejam proteção ao investimento e também a liberalização de barreiras regulatórias no País. Araújo disse aos presentes, segundo fontes, que o Brasil está aberto aos negócios e disse saber que o País deu “tiros no pé” na questão da agenda regulatória, mas prometeu que daqui para a frente a ideia é simplificar. Para disso, disse que o setor privado ajudará a apontar os problemas atuais.

Questionado sobre a relação entre Brasil e EUA, o ministro destacou que há uma oportunidade de aproximação em que, pela primeira vez em muito tempo, há interesses e valores comuns dos dois lados. Ele comemorou, por exemplo, que o assessor de Segurança Nacional, John Bolton, tenha usado o Twitter para destacar a “aliança” mais forte do que nunca com o Brasil após se encontrar com o brasileiro. Segundo o chanceler, o termo “aliança” é mais interessante e forte do que uma menção a “parceria”. Segundo ele, há o mesmo comprometimento entre os dois países sobre o estreitamento das relações.

O ministro também foi questionado sobre a posição do País na Organização Mundial do Comércio, frente à posição assumida em Davos de apoio à reforma da organização.

Conhecido entusiasta do presidente americano Donald Trump, Araújo foi questionado também sobre como o Brasil vai se posicionar em meio à guerra comercial entre EUA e China. A disputa, na visão do ministro, poderá criar oportunidades para o Brasil tentar mudar o que classificou como hiperdependência da China. Segundo ele, é preciso diversificar a parceria.

Sobre as questões domésticas, uma em especial é o tema onipresente: a reforma da previdência. Ao falar sobre o Brasil a empresários, Araújo não se limitou aos temas econômicos. Fontes presentes afirmaram que o chanceler sustentou que o novo governo tem um forte comprometimento com valores conservadores, com lei e ordem e com valores da família, além do liberalismo econômico. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 
 Fonte: notícias ao minuto

Vítimas de incêndio no CT do Flamengo são meninos que jogavam na base

As vítimas do incêndio que matou 10 pessoas e feriu três no Ninho do Urubu, Centro de Treinamento do Flamengo, na Zona Oeste do Rio, na madrugada desta sexta-feira (8), são meninos da categoria de base, entre 14 e 17 anos. A informação foi fornecida pelo Corpo de Bombeiros para a rádio ‘Band News’.

Dos três feridos, um está em estado grave. Segundo os bombeiros, os feridos foram identificados como Cauã Emanuel Gomes Nunes, de 14 anos, Francisco Diogo Bento Alves, de 15, e Jonathan Cruz Ventura, também de 15. Ainda não há informações sobre a identidade das vítimas fatais.

Segundo o ‘UOL’, o fogo atingiu a ala mais velha do CT, que servia de alojamento para as categorias de base. Os adolescentes dormiam no momento da tragédia.

As chamas foram controladas por volta das 7h20. Não se sabe a causa do incêndio.

O elenco principal do Flamengo tinha trabalho programado no local às 9h30 desta sexta-feira (8). A equipe faria o último treinamento antes do clássico contra o Fluminense pela Taça Guanabara.

O deputado Chico Alencar divulgou no seu perfil no Twitter informações sobre o incidente, que classificou como “desgraça” “evitável”:

 
 Fonte: notícias ao minuto

Filho relata tentativa de socorrer a mãe durante temporal no Rio

O temporal ocorrido na noite de quarta-feira (6) deixou cinco mortos no Rio de Janeiro. A moradora da Rocinha Adriana Maria dos Santos, de 44 anos, foi uma das vítimas. Ela estava com seus dois filhos no momento em que um deslizamento de terra atingiu sua casa. O mais velho, Luiz Eduardo dos Santos, de 23 anos, contou ao jornal ‘O Globo’ como tudo ocorreu.

“Estava chovendo bastante. Nós estávamos em casa e, do nada, aconteceu o deslizamento. Ele arrebentou o muro da nossa casa e caiu sobre a minha mãe, no corredor de casa. Ela ficou totalmente soterrada”, disse.

Luiz socorreu a mãe dos escombros e recebeu ajuda de vizinhos. “A própria comunidade me ajudou. Nós encaramos a chuva e levamos minha mãe até o hospital no carro de um amigo meu. Ela falava com todo mundo, era querida por todos. E muitos vizinhos ajudaram, até quem não tinha tanto contato com a gente”, afirmou.

A mãe foi levada ao Hospital municipal Miguel Couto. Segundo Luiz, ela já chegou ao local “inconsciente”. “Eles tentaram reanimar, fizeram uma massagem cardíaca, mas não adiantou”, disse.

Luiz disse que está morando junto com o irmão, um adolescente de 17 anos, com uma madrinha. “Está complicado… Porque não dá mais para ficarmos lá (na casa). Estamos ficando na casa da minha madrinha. Meu pai está em outro estado, tentando vir, e não está conseguindo. Estamos com dificuldade, também, para liberar o corpo. Ainda está no Miguel Couto aguardando a liberação para o IML. Parece que este trâmite é feito pela polícia, que tem ainda que documentar, para fazer o transporte”. conclua.

 
 Fonte: notícias ao minuto

Woody Allen move ação de US$ 68 mi contra Amazon, que engavetou filmes

O diretor Woody Allen está movendo uma ação contra a Amazon Studios por a empresa dar para trás no acordo de produzir quatro filmes motivada, segundo Allen, por “alegações de 25 anos, sem embasamento”.

A alegação em questão é a de que Allen teria molestado Dylan Farrow, filha adotiva de sua então mulher, Mia Farrow. Na época, o cineasta afirmou que Mia manipulou a garota.

O processo, que corre em Nova York, pede US$ 68 milhões (cerca de R$ 253 milhões) em pagamentos de garantia pelos quatro filmes, além de indenização por danos e honorários dos advogados.

O primeiro deles, “A Rainy Day in New York”, com Timothée Chalamet, Diego Luna e Elle Fanning, está concluído há mais de seis meses, mas sem perspectiva de lançamento.

Segundo o diretor, a Amazon se recusou a estrear o longa sem apresentar razões sólidas. “Essa alegação [de molestar a filha] já era bem conhecida da Amazon (e do público) antes de a Amazon firmar quatro acordos separados com Allen – e, em qualquer caso, não fornece uma base para rescindir o contrato”, diz o texto da ação. “Simplesmente não havia base legítima para a Amazon renegar suas promessas.”

Embora o caso seja antigo, entre a assinatura do contrato com a Amazon e o não lançamento do filme prontinho do consagrado diretor está a onda antiassédio que tomou os EUA após o movimento #MeToo. Com informações da Folhapress.

 
 Fonte: notícias ao minuto

Trump não confirma encontro com China, e Bolsa recua 0,24%

A Bolsa brasileira emendou o segundo dia de queda nesta quinta-feira (7) na esteira de um cenário externo ruim com nova apreensão a respeito dos rumos da disputa comercial entre Estados Unidos e China.

O Ibovespa, índice que reúne as ações mais negociadas, recuou 0,24%, para 94.405 pontos -chegou a cair mais de 2% e tocou, na mínima, 93.507,18 pontos. 

O dólar comercial subiu 0,16%, para R$ 3,712. Na máxima do dia, foi a R$ 3,738.

Na véspera, o Ibovespa já havia tombado quase 4%, conforme investidores realizaram lucros e remontaram posições prevendo que uma reforma da Previdência pode demorar mais do que o estimado inicialmente, sentimento que ainda não se dissipou, apontam analistas.

Nesta quinta, porém, o azedume maior do mercado veio de fora. O presidente americano, Donald Trump, confirmou que não pretende se reunir com o líder chinês Xi Jinping antes do prazo final de 1º de março estabelecido pelos dois países para fechar um acordo comercial.

Em dezembro, EUA e China anunciaram uma trégua temporária na guerra tarifária que vinha abalando o comércio internacional ao longo de 2018. 

Por 90 dias a partir de 1º de janeiro deste ano, Trump se comprometeu em não elevar as tarifas sobre importações chinesas dos atuais 10% para 25%, enquanto Xi se prontificou a comprar produtos agrícolas e industriais dos americanos para minimizar um alegado desequilíbrio comercial.

Mais cedo nesta quinta, no entanto, Larry Kudlow, conselheiro econômico da Casa Branca, já havia dito que Washington e Pequim estão separados por uma “distância considerável” em suas negociações comerciais e que “até agora nenhuma data foi definida, um lugar, nada”. 

Questionado por um repórter se haveria uma reunião entre os presidentes antes do prazo, Trump disse: “Não.”

Com isso, os maiores índices americanos fecharam em baixa superior a 1%. O Dow Jones, principal indicador de Nova York, recuou 1,22%.

Ainda no front externo, uma queda inesperada na produção industrial da Alemanha, maior economia da Europa, em dezembro endossou temores de desaceleração no continente. Os principais índices europeus fecharam no vermelho, e a Bolsa de Frankfurt caiu 2,67%.

PETROBRAS E VALE

Puxaram o Ibovespa para baixo também a Petrobras, que recuou mais de 1% afetada pela queda do petróleo no exterior, e a Vale (-2,05%), que ainda sofre com os desdobramentos da tragédia de Brumadinhoa.

Além disso, permanece a cautela dos investidores com os rumos da reforma da Previdência. 

Investidores se mostram incomodado com o desencontro de informações entre políticos e membros da equipe econômica de Jair Bolsonaro, bem como desconfiado de que o governo esteja tentando emplacar projetos demais nesse início de legislatura. 

Em entrevista ao Jornal das 10, da GloboNews, na noite desta quarta-feira (7), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tratou de esclarecer que a Previdência é prioridade da Casa, em relação, por exemplo, ao pacote de combate ao crime sugerido por Sergio Moro

Ele afirmou que os dois projetos devem andar paralelamente na Câmara, mas disse que “se a gente antecipar esse debate [sobre a proposta de Moro], podemos contaminar o da Previdência”.

Na manhã desta quinta, foi a vez de o ministro da Economia, Paulo Guedes, expoicar que a chamada carteira verde e amarela -modalidade de contrato que garantiria os direitos trabalhistas previstos na Constituição- virá depois da aprovação da Previdência.

O ministro explicou que a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da Previdência trará um ajuste do atual sistema e indicará a futura implementação de um regime de capitalização, espécie de poupança na qual o trabalhador financia a própria aposentadoria. Esse modelo será vinculado à carteira verde e amarela.

Guedes sinalizou, no entanto, que a nova carteira será regulamentada apenas após a mudança na Previdência. A reforma, segundo ele, apenas indicará o caminho para a abertura desse novo modelo, que exigirá posterior regulamentação na legislação.

“Nós não vamos misturar isso e atrapalhar o trâmite [de Previdência], não. Ao contrário. A gente fala: estamos reformando isso daqui e lançando esta proposta para ser regulamentada”, afirmou. Com informações da Folhapress.

 
 Fonte: notícias ao minuto

Incêndio deixa 10 mortos e 3 feridos no CT do Flamengo

Um incêndio deixou 10 mortos e três feridos no Centro de Treinamento do Flamengo, em Vargem Grande, Zona Oeste do Rio, na madrugada desta sexta-feira (8). Os bombeiros foram chamados por volta as 5h.

Segundo o ‘G1’, com informações do Corpo de Bombeiros, um dos feridos está em estado grave. Imagens feitas pelo Globocop, da ‘TV Globo’, mostram uma área do CT do clube totalmente destruída.

As chamas foram controladas por volta das 7h20. No momento, os bombeiros atuam no rescaldo.

+ Sala morreu antes de realizar sonho de jogar na Argentina

Notícias ao Minuto

CT do FLamengo. Foto: reprodução/Globocop

O Centro de Treinamento Presidente George Helal, conhecido como Ninho do Urubu, é utilizado pela equipe de futebol profissional do Flamengo e por categorias de base. O espaço é considerado um dos mais modernos Centro de Treinamento da América Latina, além de ser um dos maiores do mundo, com um módulo profissional, dois campos, campo de treinamento para goleiros e outras estruturas.

 Fonte: notícias ao minuto

Prefeitura de Vitória multa Vale em R$ 35 mi e interdita área em porto

A prefeitura de Vitória interditou nesta quinta (7) uma área no porto de Tubarão, na capital capixaba, e multou a mineradora em R$ 35 milhões. O prefeito Luciano Resende (PPS), acusa a companhia de despejar rejeitos de mineração no mar.

Segundo maior porto de minério do país, Tubarão é usado pela Vale para escoar grande parte da produção de suas operações em Minas Gerais, que também vêm sofrendo interdições após o rompimento de barragem em Brumadinho, que deixou até agora 157 mortos e 182 desaparecidos.

A ação da prefeitura interdita a bacia de rejeitos do porto, que acumula minério de ferro, calcário e terra e, segundo a prefeitura, vem despejando poluição no mar. Há anos, a cidade questiona a empresa também pela emissão de “pó preto”, mistura de minério e carvão.

“Estamos aqui desde que tomei posse, em 2013, dialogando, multando, fazendo apelos, e nada muda”, disse o prefeito. Em janeiro, a prefeitura inscreveu na dívida ativa do município R$ 42 milhões em multas aplicadas à Vale em 2016, mas questionadas na Justiça pela mineradora.

O prefeito admitiu que a tragédia de Brumadinho influenciou na decisão de aplicar nova multa. “A tragédia mostra o descompromisso enorme da empresa coma poluição. É um contexto que nos deixa muto desanimados”, afirmou.

Há uma semana, a prefeitura de Mangaratiba, no litoral sul do Rio, também interditou terminal de minério da Vale e multou a companhia em R$ 20 milhões por poluição. A empresa, porém, conseguiu reverter as decisões na Justiça.

Na terça (5), a Vale sofreu também a interdição de barragens de rejeito da mina de Brucutu, a maior de Minas Gerais, que suspendeu operações responsáveis pela produção de 30 milhões de toneladas de minério de ferro por ano, cerca de 8% do total produzido pela companhia.

Após a medida, declarou em diversos contratos de fornecimento de minério de ferro cláusula de força maior, que elimina penalidades em caso de interrupção nas entregas por razões externas à gestão da companhia. Procurada, a companhia ainda não comentou o assunto. Com informações da Folhapress. 

 
 Fonte: notícias ao minuto 

‘Não se pode esquecer que Weinstein foi grande produtor’, diz Binoche

GUILHERME GENESTRETI-  Presidente do júri da atual edição do Festival de Berlim, a atriz Juliette Binoche surpreendeu quem esperava dela alguma declaração mais combativa em relação ao hoje arruinado Harvey Weinstein.

“Não podemos nos esquecer de que ele foi um grande produtor”, afirmou a francesa na conversa com a imprensa que abriu a mostra alemã de cinema, na manhã desta quinta (7). “Muitas pessoas já se posicionaram, inclusive eu. Acho que ele teve o suficiente e agora é a hora de a Justiça fazer o trabalho.”

A fala da atriz ressoa, de alguma forma, a posição, menos radical, que artistas e intelectuais francesas têm manifestado em relação ao movimento feminista #MeToo. No ano passado, sua conterrânea Catherine Deneuve criticou a sanha condenatória de suas colegas americanas em relação ao tema do assédio.

Binoche comemorou o grande número de diretoras, sete no total, na competição deste ano. “Dieter [Kosslick, diretor do festival] me disse que estava feliz porque não teve de selecioná-los por serem dirigidos por mulheres, mas porque são efetivamente bons. É um bom sinal.”

A seu lado, Rajendra Roy, curador-chefe da parte de cinema do MoMA (Museu de Arte de Moderna de Nova York), trajava uma camiseta vermelha com os dizeres “The Future Is Female” (o futuro é feminino). Ele também integra o júri do Festival de Berlim.

Além de Binoche e Roy, integram o corpo de jurados desta edição da mostra a atriz alemã Sandra Hüller (“Toni Erdmann”), a produtora britânica Trudie Styler (“Skin”), o diretor chileno Sebastián Lelio (“Uma Mulher Fantástica”) e o crítico americano Justin Chang.

Eles foram questionados sobre a presença de uma produção da Netflix na competição (“Elisa y Marcela”, da espanhola Isabel Coixet). Mostras como a de Cannes têm sido inflexíveis e não admitem produções do streaming na seção principal.

“Podemos questionar a forma como essas empresas fragilizam o cinema independente, mas são uma nova forma de produção e, como tudo o que é novo, são empolgantes”, disse Binoche. Ela afirmou que “Elisa y Marcela” será exibido nos cinemas espanhóis, o que derrubaria críticas a respeito de sua escalação.

Já o cineasta Sebatián Lelio foi mais enfático em sua defesa do circuito tradicional de exibição. “Me pergunto se um filme terá a mesma relevância cultural se ele não é lançado nos cinemas”, disse o diretor. “Estamos numa encruzilhada, mas sou um defensor da experiência coletiva de se ver um filme nas salas.” *O jornalista se hospeda a convite do Festival de Berlim

Com informações da Folhapress. 

 
 Fonte: notícias ao minuto 

Carteira verde e amarela virá depois da Previdência, indica Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira (7) que o governo não vai atrapalhar a tramitação da reforma da Previdência com a chamada carteira verde e amarela, proposta para flexibilizar os direitos trabalhistas.

 

O ministro sinalizou que a nova carteira será discutida apenas após a mudança na Previdência.

A reforma da Previdência apenas indicará o caminho para a abertura desse novo modelo, que, segundo ele, exigirá posterior regulamentação na legislação.

“Nós não vamos misturar isso e atrapalhar o trâmite [de Previdência], não. Ao contrário. A gente fala: estamos reformando isso daqui e lançando esta proposta para ser regulamentada”, disse.

O ministro explicou que a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da Previdência trará um ajuste do atual sistema e também indicará para uma futura implementação de um regime de capitalização, espécie de poupança na qual o trabalhador financia a própria aposentadoria. Esse modelo será vinculado à carteira verde e amarela.

“Nós queremos criar um regime de capitalização que contemple escolhas dos jovens a respeito da legislação trabalhista, porque hoje eles são prisioneiros de uma legislação de trabalho fascista de cooptação de sindicatos”, afirmou.

Guedes voltou a entoar o discurso de que o novo modelo dará uma escolha aos jovens. Eles poderão optar pelo atual sistema, com todos os direitos trabalhistas vigentes, ou pela carteira verde e amarela, que possibilitaria uma escolha dos direitos e geraria maior empregabilidade.

O ministro confirmou ainda que foi descartada a possibilidade de se aproveitar a proposta de reforma apresentada pelo ex-presidente Michel Temer, que já tem tramitação avançada na Câmara. Isso faria o governo economizar tempo.

“Se fosse uma reforma um pouco parecida com a do governo Temer, ela poderia se transformar em uma emenda aglutinativa”, disse, ao explicar que isso não será feito porque a nova proposta trará mudanças mais significativas. Com informações da Folhapress.

 
 Fonte: notícias ao minuto