© Getty Images

Na Copa de 1994, a Rússia fez seu primeiro mundial sem o União Soviética no nome. Na ocasião, a seleção caiu no grupo do Brasil e, logo na estreia, vitória para a seleção brasileira: 2 a 0.

A campanha na Copa dos Estados Unidos ia de mal a pior. Um 3 a 1 para a Suécia na segunda partida praticamente decretou a eliminação precoce, mas uma surpresa ainda estava por vir.

 

Apesar da eliminação confirmada no último jogo, mesmo com vitória por 6 a 1 sobre Camarões, um jogador da antiga república comunista escreveu para sempre o nome nos livros da Fifa. Ele se chama Oleg Salenko.

O desconhecido atacante fez história Stanford Stadium, em Palo Alto, na Califórnia. No primeiro tempo do jogo, com uma seleção de Camarões já desacreditada, Salenko marcaria três gols para os russos. No início da segunda etapa, Roger Milla, camaronês que havia completado 42 anos naquele ano, também deixou seu nome nos autos: se tornaria o jogador mais velho a marcar em uma Copa. Mas a história veio depois. Com mais dois gols no jogo, Salenko fez cinco no jogo, se transformando no maior marcador em um jogo de copa. Somado ao gol de pênalti marcado na derrota para a Suécia, o atacante tornou-se também artilheiro do Mundial, com seis gols em três jogos, ao lado de Hristo Stoichkov, da Bulgária, que marcou os mesmos seis, mas em sete partidas.

O feito veio em boa hora, já que o russo havia se transferido do pequeno Logroñés, da Espanha, para o Valencia. Mas a fama acabou por aí. Com uma passagem ruim pelo clube, Salenko acumulou fracassos até se aposentar, em 2001, no Pogon Szeczecin, da Polônia. Antes de encerrar a carreira, o atleta ainda foi protagonista de uma troca de farpas com Carlos Alberto Parreira, que colocou em dúvida sua qualidade, apesar da artilharia na Copa. Salenko retrucou dizendo que o treinador brasileiro só conseguia vitórias na seleção, pois os jogadores já sabia o que fazer e não precisavam dele.

Aos 48 anos, o ex-atacante chegou a vivenciar na pele a crise financeira que abalou seu país. Em 2010, ele colocou seu troféu de artilheiro da Copa à venda, recebeu propostas, mas acabou desistindo de se livrar dele.

Já Milla, o outro recordista do jogo, continuou jogando até 1997, quando encerrou as atividades em campo no Putra Samarinda, da Indonésia. Ele tinha 45 anos.

Fonte: notícias ao minuto

COMENTAR