Operários passam mal após refeição em canteiro de obras do metrô e denunciam que empresa impediu procura de atendimento

Funcionários da empresa Ferreira Guedes, que presta serviço às obras do metrô de Salvador, denunciaram ter passado mal por conta de refeição fornecida no canteiro de obras da estação Aeroporto, na manhã desta terça-feira (22). Cerca de 100 funcionários sentiram os sintomas.

Um operário que não quis se identificar informou ao G1 que a empresa impediu que os trabalhadores procurassem atendimento médico em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e os manteve aguardando socorro no refeitório da empresa.

De acordo com o operário, os trabalhadores apresentaram sintomas como diarreia e vômitos. Dezenas de trabalhadores, que passaram mal após consumirem a refeição, receberam soro no local por conta da desidratação.

G1 entrou em contato com a sede da empresa Ferreira Guedes, em São Paulo, e foi informado que a pessoa que poderia comentar sobre o caso estava em uma reunião e que entraria em contato para dar uma posição.

Operários passaram mal após consumirem refeição na empresa (Foto: Arquivo Pessoal)Operários passaram mal após consumirem refeição na empresa (Foto: Arquivo Pessoal)

Operários passaram mal após consumirem refeição na empresa (Foto: Arquivo Pessoal)

Fonte: G1 nordeste

Polícia Civil faz operação contra quadrilha especializada em roubo de cargas

Ao menos quatro pessoas foram presas, nesta terça-feira (22), durante uma operação da Polícia Civil de Pernambuco contra uma quadrilha especializada em roubo de cargas, denominada Fidúcia. Ao todo, foram emitidos 13 mandados de prisão preventiva, sendo cinco contra pessoas que já estão presas, além de 11 mandados de busca e apreensão domiciliar.

Os mandados foram cumpridos nos estados de Pernambuco, Piauí, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, de acordo com a polícia. Um dos presos foi abordado pela polícia no Aeroporto de Teresina (PI).

Além disso, outras cinco pessoas que já estavam no sistema penitenciário foram alvos de novos mandados de prisão preventiva. Três deles no estado de Minas Gerais, um em Caruaru e outro em Goiana, no Grande Recife.

De acordo com o delegado Edmilson Batista, titular da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas, duas associações criminosas são alvo da operação. Uma delas está sendo investigada por apropriação indébita qualificada e comunicação falsa de crime.

“No que se refere a apropriação indébita, a gente tem três destaques, que têm vínculos familiares. Eles transportavam as cargas, são motoristas profissionais. Entretanto, de algumas cargas eles se apropriavam e vendiam. Depois se dirigiam a algumas delegacias e noticiavam de maneira falsa, como se fossem vítimas de algum crime, roubo ou furto”, explicou o delegado.

A outra associação é investigada por roubo majorado, ou seja, com emprego de violência; e furto qualificado das cargas.

Caminhão foi apreendido durante operação da Polícia Civil de Pernambuco, nesta terça-feira (22) (Foto: Reprodução/TV Globo)Caminhão foi apreendido durante operação da Polícia Civil de Pernambuco, nesta terça-feira (22) (Foto: Reprodução/TV Globo)

Caminhão foi apreendido durante operação da Polícia Civil de Pernambuco, nesta terça-feira (22) (Foto: Reprodução/TV Globo)

O delegado afirma, ainda, que as investigações devem continuar, afim de identificar outros suspeitos. “Como se trata de ações complexas, envolvendo várias pesssoas, receptadores, pessoas que se apropriam. Outras que roubam propriamente dito, com emprego de violência, as investigações permanecem para a identificação de todos os elos”, disse.

De acordo com o delegado Nelson Souto, gerente da Diretoria Integrada Especializada (Diresp), o grupo não tinha um foco de produtos a serem roubados. “Era carga generalizada, cargas frias, de diversos produtos. Não havia uma escolha específica do deito praticado em relação à carga”, disse o delegado Nelson Souto.

O nome da operação: ‘Fidúcia’ significa gesto confiante, comportamento ousado. A polícia aponta que, justamente por isso, foi escolhido este nome, uma vez alguns integrantes da quadrilha atuavam, de forma ousada, valendo-se da confiança que detinham para a prática dos crimes.

Com o preso do município de Paulista, a polícia apreendeu, ainda, um caminhão branco, fruto de roubo.

Para esta operação, foram designados 100 policiais civis, entre delegados, agentes e escrivães. A operação é coordenada Diretoria Integrada Especializada (DIRESP). As investigações começaram em outubro de 2017, a cargo do delegado Edmilson Batista, titular da Delegacia de Polícia de Repressão ao Roubo e Furto de Carga (DPRFC), com o apoio da delegada adjunta da unidade, Priscilla Gomes.

Fonte: G1 nordeste