UFPE abre seleção simplificada para 69 professores substitutos

Estão abertas as inscrições para uma seleção simplificada para 69 professores substitutos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). O prazo vai até a quarta-feira (13). A inscrição deve ser feita de forma presencial nas Secretarias dos Departamentos e Núcleos dos campus do Recife, Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata, e de Caruaru, no Agreste.
De acordo como edital da seleção, são 64 vagas para cursos presenciais e cinco para educação à distância (EAD). Os salários são fixados de acordo com o regime de trabalho e a qualificação do professor substituto no momento da contratação.
No regime de 20 horas, o valor é de R$ 2.425,37 para graduados ou especialistas. Para mestres, o salário fica em R$ 2.777,15 e para doutores é de R$ 3.377,45. No regime de 40 horas, o valor é de R$ 3.552,08 para graduados ou especialistas, de R$ 4.241,05 para mestres e de R$ 5.742,14 para doutores.
No Recife, há oportunidades para o Centro de Artes e Comunicação (CAC): 11 para cursos presenciais e cinco para cursos EAD. No Centro de Educação, são cinco vagas. Em Ciências Exatas e da Natureza (CCEN), há duas oportunidades de emprego, enquanto no Centro de Ciências da Saúde (CCS), foram abertas 18 vagas.
No Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA), são seis vagas. O Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) disponibilizou quatro oportunidades e o de Tecnologia e Geociências (CTG), seis. Em Caruaru e Vitória de Santo Antão, há seis vagas em cada campus. O edital completo pode ser conferido no site da UFPE.
Seleção
A seleção prevê julgamento de títulos, prova escrita e/ou prova didática ou didático-prática. O julgamento dos títulos terá peso 3; a prova escrita, peso 3; e a prova didática, peso 4.
No caso de o Departamento/Núcleo optar por realizar apenas uma modalidade de prova (escrita, didático-teórica ou didático-prática), o julgamento de títulos terá peso 4 e a prova escolhida, peso 6. As provas têm caráter eliminatório e o julgamento de títulos, classificatório.
EAD
O candidato selecionado para as vagas de educação à distância precisa ter disponibilidade para viagens para os polos no interior do Estado, a fim de desenvolver atividades presenciais de ensino ou avaliação, inclusive em finais de semana. Além disso, precisa dominar as ferramentas tecnológicas, prestar assistência obrigatória às reuniões periódicas e conferir atenção diária à plataforma Moodle e correio eletrônico para resolução de dúvidas e trabalho por tarefas.

fonte: G1

Prefeitura alega excesso de gasto com folha de pagamento e demite 66 servidores concursados na BA

Sessenta e seis servidores públicos concursados de Santa Cruz da Vitória, no sul da Bahia, foram demitidos pela prefeitura da cidade, que alega que o gasto com a folha de pagamento estava superior a 67%, enquanto o recomendado pela Lei de Responsabilidade Fiscal é 54%. Os funcionários dispensados, aprovados e convocados no ano de 2015, dizem que foram demitidos sem de aviso prévio, mas a prefeitura nega. A demissão em massa foi publicada no Diário Oficial do Município no dia 30 de novembro.
Daniela Carvalho foi uma das demitidas. Ela passou no concurso em primeiro lugar, para o cargo de serviços gerais. Segundo ela, o emprego era uma garantia de sustentar o filho de 11 anos. Agora, Daniela diz não saber como fazer para pagar as contas.
“Meu filho depende de mim para tudo. Eu fiz o concurso, estudei, passei em primeiro lugar no concurso público, para agora ser demitida”, desabafa.
Douglas Santos, outro funcionário demitido, diz que soube que estava na lista de demissão através de uma mensagem no WhatsApp. Antes de começar a atuar na prefeitura de Santa Cruz da Vitória, ele abandonou o cargo de auxiliar administrativo na prefeitura da cidade vizinha de Uruçuca, onde trabalhava há oito anos também como concursado.
Diz que decidiu mudar de cidade para ficar mais perto da família. “Eu cursava a faculdade, estudei para o concurso e fui aprovado. Abandonei meu cargo em Uruçuca e vim pra cá”, disse ele.
Os funcionários demitidos argumentam que servidores contratados no mesmo período continuam trabalhando. Na avaliação deles, os contratados é que tinham de ser dispensados no lugar dos concursados.
“Minha função é necessária. Eu tenho que sair ou o contratado? Eis a questão”, indagou a servidora Thaís dos Santos, que também figura na lista dos demitidos.
Em contato com o G1, o secretário de Governo de Santa Cruz da Vitória informou, no entanto, que as primeiras demissões foram feitas aos cargos contratados.
“As primeiras reduções de orçamento foram dos cargos comissionados e contratados. Cortamos contratos de advocacia, por exemplo. Os poucos cargos que não são de concurso, que ainda temos aqui, são os que fazem a prefeitura funcionar, como controladoria interna e chefia de tributos”, explicou.
O secretário de Administração Erivaldo Araújo, disse que as demissões seguiram os critérios determinados pela lei: “Demitimos os efetivos mais recentes, para se adequar ao índice. As demissões foram realizadas usando critérios da Lei de Responsabilidade Fiscal”.

Fonte: G1

Bitcoin volta a bater recorde e ultrapassa os US$ 12 mil

Pouco mais de uma semana após ultrapassar a marca dos US$ 10 mil, a criptomoeda Bitcoin voltou a bater recordes de valorização nesta quarta-feira (6) e já é negociada acima dos US$ 12 mil.

De acordo com especialistas, a alta de hoje tem a ver com a liberação das autoridades dos Estados Unidos para a negociação de contratos futuros em Bitcoin. A CBOE começará a negociar esses contratos no dia 10 de dezembro, enquanto o CME Group fará as negociações em 18 de dezembro.

Atualmente, com essa série de recordes, o valor de mercado do Bitcoin já está em US$ 200 bilhões – contra “apenas” US$ 16 bilhões do início do ano.

No entanto, o mercado analisa esse avanço rápido da moeda virtual de maneira cautelosa, já que há o temor de uma nova bolha nos mercados. (ANSA)

Fonte: Notícias ao Minuto

Juros devem cair hoje para 7%, menor patamar desde 1986

O Banco Central deve anunciar nesta quarta-feira (6), nova redução do juro que levará a principal taxa da economia brasileira para o menor patamar da história. Diante da economia que ainda luta para se reerguer e sem pressão relevante à frente, economistas apostam que a Selic cairá para 7% nesta semana – abaixo do piso histórico de 7,25%. Em fevereiro, é esperada nova redução. A festa, porém, pode ser curta e o mercado prevê a subida da taxa já no fim de 2018.

Nas últimas semanas, o BC deixou claro que se aproxima o fim do atual ciclo de afrouxamento do juro iniciado em outubro do ano passado. Após cortar a Selic praticamente pela metade com redução de 6,75 pontos porcentuais em 14 meses, a instituição indica que o movimento será amenizado e a aposta entre economistas indica corte de 0,50 ponto nesta semana. Depois, a redução final de 0,25 ponto ocorreria em fevereiro de 2018. A partir daí, a taxa seguiria estável em 6,75%.

A pausa do BC é justificada pela perspectiva de gradual elevação dos preços no médio prazo. Com inflação acumulada de apenas 2,7% em 12 meses, a maioria dos analistas prevê que os índices entrarão em trajetória de gradual elevação nos próximos meses, mas em patamar considerado confortável para o cumprimento da meta de 4,5% no próximo ano. A análise positiva leva em conta aspectos como a elevada ociosidade da economia e o desemprego ainda elevado.

Mas o mercado indica que a estabilidade terminaria alguns meses à frente depois das eleições presidenciais. Economistas consultados pela pesquisa Focus preveem alta do juro na última reunião de 2018, em dezembro. Nessa reunião, a Selic subiria 0,25 ponto, para 7%.

O banco de investimento Morgan Stanley é uma das casas que prevê alta do juro no fim do próximo ano. O economista para o Brasil do banco, Arthur Carvalho, argumenta em relatório que o País terá um ano “crítico” com a perspectiva de que a população escolha entre a continuidade da agenda reformista e um candidato populista.

Com esse pano de fundo, a inflação deve acelerar suavemente nos próximos meses com a retomada da atividade e principalmente pela normalização do preço dos alimentos – segmento que tem tido comportamento benigno desde 2016. “Isso pode permitir ao BC manter juros estáveis por boa parte de 2018, começando a redução dos estímulos no fim de 2018 ou início de 2019”, prevê Carvalho, cujo cenário-base prevê Selic a 7,5% no fim do próximo ano.

No fim de novembro, o economista-chefe do Itaú Unibanco, Mário Mesquita, comentou que há percepção mais cética dos estrangeiros sobre o juro. “Esse ceticismo se deve a dúvidas sobre o sucesso do ajuste fiscal”, disse. O Itaú, porém, não compartilha dessa visão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Notícias ao Minuto