Ceará de Ponta a Ponta: Estado tem 719 km de obras rodoviárias em andamento

O Governo do Ceará chega ao final do primeiro semestre de 2017 com, aproximadamente, 719 quilômetros de malha rodoviária estadual em obras. Os serviços de restauração, pavimentação e duplicação fazem parte do programa Ceará de Ponta a Ponta, e contam com investimentos de R$ 692.459.111,15, do Tesouro do Estado e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

O diretor de engenharia do Departamento Estadual de Rodovias (DER), Quirino Ponte, destaca que outros 83,43 km de obras já foram concluídos em 2017. Ele ainda ressalta que as obras do Ceará de Ponta a Ponta contemplarão mais de 2.060 km de rodovias, que serão requalificados por meio de serviços diversos.

Com a conclusão dos trabalhos, a população poderá contar com rodovias mais seguras e com maior facilidade de deslocamento, beneficiando os negócios na indústria e no comércio, facilitando o escoamento agrícola e impulsionando a economia do Estado. “São obras de vulto, que dão segurança viária, dotam de viabilidade econômica os municípios e pequenos vilarejos que passam a contar com rodovias de segurança, facilitando também o acesso à saúde, educação e o escoamento da produção”, destaca Quirino.

Trechos em obra

Entre as obras em execução estão: a duplicação da CE-293, no trecho Missão Velha-Barbalha; a duplicação da CE-040, em Beberibe e Guajiru; o alargamento da CE-187, de Tianguá-Ubajara e Ubajara-São Benedito; a pavimentação da CE-153, de Iborepi – Aurora e Iborepi – Lavras da Mangabeira; a restauração da CE-375, de Iguatu – Jucás, Jucás – Cruzeta – Saboeiro e da CE-292, de Crato – Nova Olinda entre outros, que perfazem um total de 27 trechos rodoviários em obras.

Assessoria de Comunicação do DER
Jóslen Barros Herbster
Jornalista

Incentivo e valorização profissional fazem a diferença no município de Farias Brito

Por Agência News Cariri

No último dia 1º de julho, o Município de Farias realizou uma homenagem aos professores, Núcleo Gestor e funcionários das escolas premiadas com o título de “Escola nota dez”, do Governo do Estado do Ceará. Cada escola premiada recebeu um troféu e placa de reconhecimento pelo trabalho prestado ao município. O momento festivo aconteceu nas dependências do Centro Social urbano (CSU) e contou com grande participação.
Os professores, Ex-prefeito, Ex-Secretária de Educação e formadores da Secretaria Municipal de Educação receberão ainda um certificado de “Menção Honrosa”, extensivo à todos os professores e funcionários das referidas escolas e para os funcionários da Secretaria de Educação.
O prefeito José Maria parabeniza os profissionais da educação do município e diz que o “reconhecimento é o único bem que realmente nos pertence, pois ele é armazenado na nossa mente. Obrigado aos professores e servidores que todos os dias cuidam e transmitem conhecimento aos filhos de Farias Brito”, congratula-se. Ele agradece ainda as parceiras do CREDE 19.
O Município de Farias Brito mais uma vez se destacou na premiação com várias escolas municipais alcançando excelentes resultados e ficando entre as melhores, segundo o Sistema Permanente de Avaliação do Estado do Ceará (SPAECE), no que se refere a aprendizagem no ano de 2016.
De acordo com a avaliação do Sistema, os níveis de proficiência dos alunos continua, o que significa que os mesmos estão aprendendo a ler e a escrever na idade certa, conforme as orientações da Secretaria de Educação do Estado, através do Programa de Alfabetização na Idade Certa (PAIC).
O Prêmio Escola Nota Dez foi entregue em Fortaleza no último dia 21 de junho e premiou as 262 escolas públicas com os melhores desempenhos de Alfabetização e do 5º ano, além de três escolas de 9º ano do Ensino Fundamental. Os dados têm como base os resultados obtidos pelo Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica (SPAECE).
De Farias Brito foram premiadas as Escolas Isaac de Alcântara Costa – Sítio Carás, Santa Bárbara – Sede, Joaquim Ferreira dos Santos – Barreiro do Jorge, Joaquim Pereira de Sousa – Sítio Sousa.
Para o prefeito José Maria a premiação só aumenta a responsabilidade e o compromisso da sua gestão com a educação e a homenagem aos educadores é parte desse compromisso de incentivo ao profissional.

Holanda quer lançar o primeiro carro voador até 2018

Não exatamente como imaginávamos, mas o futuro finalmente chegou: teremos os primeiros carros voando por aí já no final do ano que vem – pelo menos, é o que garante uma montadora holandesa. A empresa desenvolveu um modelo híbrido de carro, o PAL-V (Personal Air and Land Vehicle), capaz de rasgar os céus com a mesma eficiência com que gastaria o asfalto por aí. Espera-se que a produção comece já em outubro deste ano.

Primo do girocóptero, modelo de aeronave cujas hélices funcionam com a força do vento, o PAL-V conta com hélices retráteis acionadas por um botão no painel e três rodas. Dentro dele, há espaço para alojar confortavelmente dois passageiros. Para dirigir a belezinha, o piloto deverá contar com licença para dirigir veículos aéreos e também carteira de motorista.

O motor de 100 cavalos faz com que o PAL-V atinja velocidade máxima de 170 km/h na pista. Nas alturas, o desempenho também é igualmente interessante. O carro pode voar até 500 km com o tanque cheio, e a uma altura de 3.500 m.

Quem quiser sentir a sensação de voar com seu possante, terá de abrir (bastante) a carteira: a primeira edição da máquina, PAL-V Liberty, custará cerca de 499 mil euros (mais de 1,8 milhão de reais). Mas, calma, haverá outra versão mais em conta: dará para sair voando da Holanda com um PAL-V Liberty Sport pela bagatela de 299 mil libras (cerca de R$ 1,1 milhão).

Para garantir prioridade de compra, os clientes podem depositar uma quantia entre 10 mil e 25 mil dólares – não retornável em caso de desistência. A meta para 2019 é produzir entre 50 e 100 veículos, até chegar a marca das mil unidades em 2020.

Editora Abril

Meditação mindfulness contra o estresse

O controle do estresse talvez seja o benefício mais perceptível da meditação. Não à toa, o médico americano Jon Kabat-Zinn, um dos responsáveis por popularizar a prática no Ocidente, criou umprograma de mindfulness especialmente voltado para enfrentá-lo, chamado de Redução do Etresse Baseada em Mindfulness (ou MBSR na sigla em inglês), que consiste em oito semanas de prática.

Desde sua criação, já foram feitos mais de 370 estudos sobre sua eficácia. Um dos mais abrangentes analisou o impacto do programa em 93 indivíduos diagnosticados com transtorno de ansiedade, um problema que atinge um terço da população mundial segundo a OMS. Cientistas do Hospital Geral de Massachusetts, nos Estados Unidos, descobriram que a técnica diminuiu drasticamente os índices de estresse e a sensação de desespero frente a problemas.

Um das razões do bom resultado pode estar no poder da meditação em reduzir os níveis do cortisol, o hormônio do estresse. Uma pesquisa feita pelo Hospital Israelita Albert Einstein, a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e o Instituto Appana Mind revelou que uma hora e 15 minutos de ioga e meditação três vezes por semana, ao longo de dois meses, cortou pela metade a concentração de cortisol de uma turma em que a ansiedade atingia índices alarmantes, os cuidadores de doentes com Alzheimer.

Viver mais tranquilo é ótimo. Mas diminuir o estresse tem outro papel importante no organismo: controlar problemas cardiovasculares, diabetes, obesidade, depressão e Alzheimer, doenças crônicas que estão no topo das causas de morte no mundo.

O cortisol funciona como um alarme. Em situações de risco, ele informa ao organismo que é hora de se preparar para uma emergência. As células dão prioridade para o gasto imediato de energia, que vai nos ajudar a, por exemplo, sair correndo diante de uma situação de vida ou morte.

Mas esse sistema foi aperfeiçoado milênios atrás, quando os problemas humanos estavam ligados à natureza selvagem – animais ferozes e fome. Os nossos ancestrais que sobreviveram tinham elevados níveis de cortisol e adrenalina no sangue porque as ameaças estavam presentes o tempo todo. Graças a esses hormônios, os músculos ficavam bem abastecidos para que nossos antepassados pudessem partir em disparada na hora certa. A emergência era a prioridade. Com cortisol no sangue, o corpo distribui menos energia para a manutenção celular ou para o sistema imunológico, que deixa de combater uma infecção boba. Essas duas atividades não matam ninguém num único dia – como o leão. Mas podem ser fatais no médio e longo prazo.

Essa herança genética continua firme e forte dentro de nós. As ameaças atuais, no entanto, são outras – muito menos imediatas. Elas surgem como um chefe mal-humorado que inferniza você ou uma conta-corrente beirando o vermelho. A exposição ao fator estressor pode durar semanas, meses ou anos – diferentemente do leão feroz.

Aí, suas células ficam o tempo todo preparadas para uma reação física, como lutar ou correr. Ameaças como vírus, bactérias e células defeituosas são deixadas de lado. Assim, os estressados ficam expostos a problemas que seriam facilmente combatidos pelo organismo se não fossem as altas doses de cortisol repetidamente lançadas no sangue. Com o tempo, essas adversidades se transformam em doenças. É por isso que o estresse está na raiz de tantos males.

Por isso, combater a estafa turbina a sua imunidade. A meditação é uma excelente arma nessa batalha. Ao respirar fundo e focar no presente, você percebe a real dimensão das ameaças modernas e aprende a acalmar oorganismo.

Cerca de 30 minutos por dia de mindfulness, durante dois meses, já fazem efeito contra o estresse, de acordo com um estudo liderado pela neurocientista Sara Lazar, da Universidade Harvard. A equipe de Sara avaliou 16 indivíduos que fizeram o programa de oito semanas de MBSR, criado por Jon Kabat-Zinn. Depois do período, todos foram submetidos a exames de ressonância magnética, onde foi constatado um aumento significado da densidade de áreas cerebrais associadas à memória, ao controle do estresse e à compaixão. Você só precisa de 60 dias para reprogramar sua imunidade.

Um experimento feito na também americana universidade Carnegie Mellon mostrou que meditar reduz processos inflamatórios, que também causam doenças. Para descobrir os impactos da técnica, os cientistas recrutaram 35 desempregados – uma turma que também tem estresse elevado -, e os submeteram a exames de sangue e neurológicos. Em seguida, dividiram os voluntários em dois grupos.

Metade foi para um retiro de três dias onde aprendeu a praticar o mindfulness, enquanto a outra foi instruída a relaxar com orientação, mas sem o foco na respiração e no presente, parte central da técnica de meditação. O cérebro dos voluntários era examinado por cinco minutos antes e depois de cada sessão. Foram colhidas também amostras de sangue ao final do estudo, e a bateria foi repetida após quatro meses.

Na hora da análise, a surpresa: apenas a turma da meditação teve mudanças claras no cérebro. Havia maior comunicação entre as diferentes áreas cerebrais associadas ao foco e à calma, como o córtex pré-frontal dorsolateral. O melhor de tudo é que os resultados do retiro de meditação continuaram semanas depois. Os exames de sangue mostraram que ela aplacou os índices de interleucina-6, um biomarcador ligado a inflamações, que está na origem de problemas como o infarto e o câncer.

Como meditar reduz a ansiedade

Reforça o foco e a calma: sessões regulares de mindfulness melhoram a comunicação entre as áreas cerebrais e, como consequência, nossa capacidade de lidar com situações adversas. Nossa tolerância e compaixão aumentam.

Equilibra os hormônios: níveis do hormônio do estresse diminuem significativamente em praticantes regulares. Taxas de cortisol elevadas por muito tempo enfraquecem osistema imune.

Turbina a imunidade: ao reduzir o cortisol e aprimorar a forma como lidamos com nossos problemas, o sistema de defesa é reprogramado. Biomarcadores ligados a inflamações são reduzidos, blindando o organismo contra infartos, AVCs, diabetes e até o câncer.

Editora Abril

Safadão e Maluma se desentendem e dueto não deve acontecer

O dueto de Wesley Safadão com o popstar latino Maluma não foi adiante. Os artistas chegaram a gravar uma música em São Paulo, com a direção musical do famoso Dudu Borges, mas acabaram se desentendendo em relação à letra da canção.

O cearense discordou de uma frase colocada pelo colombiano e o dueto foi por água abaixo, de acordo com o jornal Extra.

Produtores e empresários tentaram reaproximar os dois e amenizar o clima estranho que dali surgiu, mas não houve conciliação.

Agora, representantes de ambos tentam acertar uma nova data, o que não deve acontecer. “Nenhum dos dois quer baixar a guarda”, disse uma fonte da coluna “Famosos” ligada aos músicos.

Este não é o primeiro desafeto de Maluma no Brasil. No mês passado, Anitta, que estourou o hit “Sim ou não” com o colombiano, deixou de segui-lo no Twitter. “Competição é a coisa mais idiota e burra com a qual eu já tive que lidar”, escreveu a dona da “Paradinha” na época, numa clara indireta a Maluma.

noticiasaominuto

Ventos fortes suspendem travessia Salvador – Mar Grande e escunas; linha para Morro de SP terá conexão

A travessia Salvador – Mar Grande foi suspensa na manhã desta segunda-feira (3) devido aos fortes ventos na capital baiana. De acordo com a Associação dos Transportadores Marítimos da Bahia (Astramab), o mar agitado e as ondas elevadas na Baía de Todos-os-Santos impediram que o serviço fosse iniciado às 5h, como de costume.

Ainda segundo a Astramab, não há previsão para o serviço ser retomado nesta segunda-feira. Além das lanchas, as escunas de turismo que fazem o passeio pelas ilhas da Baía de Todos-os-Santos também não operaram nesta segunda.

Já a linha Salvador-Morro de São Paulo será feita com conexão em Itaparica. Os catamarãs saem do Terminal Náutico, atracam no terminal de Itaparica, de onde os passageiros seguem de ônibus até a Ponta do Curral, em Valença, e fazem a travessia de lanchas até o Morro.

Com conexão, em vez de 2h20, o percurso da viagem dura 3h20. Os horários para o Morro são 8h30, 9h, 10h30, 13h e 14h30. Do Morro para Salvador, 9h, 11h30, 13h e 15h.